RÁDIO KATIVA WEB

terça-feira, 27 de março de 2012

Um Desabafo

Um Desabafo


 Wellington Colenghi*


    O mundo do trabalho vem sofrendo significativas metamorfoses nas últimas décadas, tanto no campo técnico, com a informatização, quanto no campo das relações interpessoais. As empresas cujos administradores têm uma visão sistêmica integrada ao empreendedorismo já percebem a algum tempo que o funcionário é o maior bem da empresa.

    As atuais práticas de Recursos Humanos tendem a valorizar cada vez mais o trabalhador, premiando e incentivando o talento individual. Em termos de globalização, o que está em voga é a capacidade de inovar. Qualquer organização que preze por resultados satisfatórios cuida de seu trabalhador. Cuidado que não se restringe ao ambiente físico, com implementações de técnicas e tecnologias, mas com atitudes que busquem o trabalhador para o centro do processo.

    A relação do indivíduo com o trabalho depende do bem estar físico e psíquico. Este fato não se aplica apenas ao ambiente de trabalho propriamente dito, mas também na ausência de sentido nas normas e regulamentos de uma empresa, que por vezes, leva a uma exposição da imagem do trabalhador. A motivação do indivíduo se dá prioritariamente pelo sentido de pertencimento à organização da qual ele faz parte.

    Entretanto, observa-se no serviço público, principalmente na Prefeitura Municipal de Araguari (realidade que conheço de perto), o avesso dessas iniciativas. Não há qualquer tipo de valorização do servidor municipal. Não notamos iniciativas que promovem o bem estar do trabalhador, ou tentativas de inseri-lo como parte da organização municipal.

    Certamente há um fosso enorme que separa o público do privado. Principalmente o fator político, que impera na partilha dos cargos, desprezando-se o lado técnico, que sempre fica em último plano. As coligações eleitorais exigem sua fatia no bolo e o conhecimento necessário à execução das tarefas é desconsiderado. A infantilização do tratamento do servidor é uma constante. Menosprezam a capacidade cognitiva do trabalhador de carreira.

    Nossos gestores públicos ignoram que o estabelecimento de vínculos é uma via de mão dupla e que envolve cooperação e valorização. O sentido de pertencimento é absorvido a partir das relações estabelecidas, o que, no caso do serviço público, é fundamental à qualidade do serviço prestado à comunidade. Todos os trabalhadores de uma empresa devem ser respeitados como atores responsáveis por todos os processos e pelo reconhecimento interno e externo produzido. Nota-se, pelos fatos analisados até aqui, que os gestores do serviço público municipal encontram-se uma vez mais na contramão do desenvolvimento.

     A falta de cuidado com o servidor - principalmente o de carreira - não é uma exclusividade do “Novo Modelo”,. Entretanto, além da falta de valorização e da escassez de benefícios, o governo do PMDB, conseguiu deteriorar ainda mais as relações de trabalho entre organização e servidor. Práticas desrespeitosas e truculentas parecem ser uma constante. Enquanto isso, a  proposta de revisão do plano de carreira do servidor, que deveria ser vista pela administração como fator motivacional, encontra-se parada. Dizem até que está parada por “Força Divina”.

    Entrementes, a Câmara Municipal não mostra interesse pela situação precária em que se encontra o servidor público. Exceção de um ou dois. Há inclusive quem diga, nos corredores da Câmara, que não recebe mais servidor, pois não agüenta mais o chororô da categoria. Esse quadriênio cujo fim se aproxima pode ser considerado o pior período do Legislativo Municipal. Uma Legislação onde o Povo não foi prioridade.

     Enquanto outubro não chega, e nem a “Enchente de São José”, resta ao servidor público aguardar os resultados do próximo pleito eleitoral. Em relação a mudanças, duvido que ocorram, independente do grupo que chegará ao poder. O servidor público é sempre o primeiro a ouvir: “Não podemos fazer nada por vocês, o último prefeito deixou um rombo enorme”. De quatro em quatro anos ouvimos essa frase. Sofremos duas vezes, como cidadãos e como trabalhadores não valorizados. E ainda ouvimos que se não estivermos satisfeitos, nós é que temos de sair.

* Funcionário público municipal.
 

4 comentários:

Unknown disse...

Wellington Colenghi,

mais uma vez, parabéns pela clareza, pela pertinência, pela profundidade e pela atualidade do texto.

Me orgulho de ter compartilhado contigo, e outros servidores municipais, de momentos de tentativas de construção de um ambiente de respeito nas relações profissionais.

No final das contas, foi o que ficou de bom na minha experiência como gestor da saúde pública.

Parabéns!

Persevere!

Anônimo disse...

Meu filho! Sofro dores semelhantes. Por que pensas que teu fardo é maior ou diferente daquele que teus irmãos carregam em todas as prefeituras, nos serviços públicos estaduais e federais e tantas outras empresas? O que procuras tanto foro do teu íntimo para justificar seu sofrimento? Para que culpas os prefeitos pelo teu desencanto e ainda generaliza para dizer que todos os seus companheiros estão sofrendo a mesma dor? Por que não fazes somente tua parte trabalhando sem esperar recompensa ou reconhecimento? Ou o caminho que tu escolheste não é esse que lhe serve ou não compatível com sua capacidade? Se tu caminhares pelos caminhos que os prefeitos ou teus chefes chegaram não seria o certo para ti? Trabalhadores do meu país, unamos nossas semelhantes dores para produzirmos em nós mesmos mentes sadias para os prefeitos e para nós servidores municipais, estaduais federais... Criador de todos os mundos ajuda-nos a servir, mas principalmente a amar ao próximo como a nós mesmos! Ajuda-nos, sobretudo, a encontrar em nós mesmos as causas de nossa dor e não transferi-la para a organização! Querida organização, minha querida escolha da minha evolução espiritual, sem sentimentos nem dor, cujos objetivos estatutários é diminuir a dor de todos nós cidadãos? Respeitável organização que, especificamente para nós servidores, ainda nos paga bem ou mal por culpa de tanta gente e de tantos motivos!

Anônimo disse...

Meu filho! Sofro dores semelhantes. Por que pensas que teu fardo é maior ou diferente daquele que teus irmãos carregam em todas as prefeituras, nos serviços públicos estaduais e federais e tantas outras empresas? O que procuras tanto foro do teu íntimo para justificar seu sofrimento? Para que culpas os prefeitos pelo teu desencanto e ainda generaliza para dizer que todos os seus companheiros estão sofrendo a mesma dor? Por que não fazes somente tua parte trabalhando sem esperar recompensa ou reconhecimento? Ou o caminho que tu escolheste não é esse que lhe serve ou não compatível com sua capacidade? Se tu caminhares pelos caminhos que os prefeitos ou teus chefes chegaram não seria o certo para ti? Trabalhadores do meu país, unamos nossas semelhantes dores para produzirmos em nós mesmos mentes sadias para os prefeitos e para nós servidores municipais, estaduais federais... Criador de todos os mundos ajuda-nos a servir, mas principalmente a amar ao próximo como a nós mesmos! Ajuda-nos, sobretudo, a encontrar em nós mesmos as causas de nossa dor e não transferi-la para a organização! Querida organização, minha querida escolha da minha evolução espiritual, sem sentimentos nem dor, cujos objetivos estatutários é diminuir a dor de todos nós cidadãos? Respeitável organização que especificamente para nós servidores ainda nos paga, bem ou mal por culpa de tanta gente e de tantos motivos!

Anônimo disse...

corrigindo os erros:
Meu filho! Sofro dores semelhantes. Por que pensas que teu fardo é maior ou diferente daquele que teus irmãos carregam em todas as prefeituras, nos serviços públicos estaduais e federais e tantas outras empresas? O que procuras tanto fora do teu íntimo para justificar seu sofrimento? Para que culpas os prefeitos pelo teu desencanto e ainda generaliza para dizer que todos os seus companheiros estão sofrendo a mesma dor? Por que não fazes somente tua parte trabalhando sem esperar recompensa ou reconhecimento? Ou o caminho que tu escolhestes não é esse que te serve ou não é compatível com sua capacidade? Se tu caminhares pelos caminhos que os prefeitos ou teus chefes chegaram não seria o certo para ti? Trabalhadores do meu país, unamos nossas semelhantes dores para produzirmos em nós mesmos mentes sadias para os prefeitos e para nós servidores municipais, estaduais e federais... Criador de todos os mundos ajuda-nos a servir, mas principalmente a amar ao próximo como a nós mesmos! Ajuda-nos, sobretudo, a encontrar em nós mesmos as causas de nossa dor e não transferi-la para a organização! Querida organização, minha querida escola e oficina de nossa evolução espiritual. Organização que não tem o amor de nossos pais, sem sentimentos e nem sente dores, cujos objetivos estatutários é diminuir a dor de todos nós cidadãos. Respeitável organização que, especificamente para nós servidores, ainda nos paga bem ou mal por culpa de tanta gente e de tantos motivos! Aguardo o teu próximo desabafo para que me inspire nele, na minha eterna busca de mim mesmo e descobrir as causas das dores que somente o Buda encontrou!

Postagem em destaque

Caiu na rede....