sábado, 14 de julho de 2018

Muito prazer, otário!


Controle social não é tarefa fácil. O cidadão denuncia a um órgão de controle. Resultado? Em muitos casos, engavetamento ou arquivamento. Alguns processos se apaixonam irremediavelmente por uma gaveta atraente. Sempre aberta a novas relações. É a gaveta do non facere. Em outras hipóteses, o órgão de controle até atua. Mas, a morosidade é grande. Os denunciados acabam sendo beneficiados pela prescrição (decurso do tempo + inércia). Assim, o papel de otário do cidadão é potencializado. Além de pagar salários de agentes públicos corruptos, tem que bancar, também, a ineficiência de alguns órgãos de controle. Lado a lado, de mãos dadas, corrupção e omissão. 


Nenhum comentário: