domingo, 4 de março de 2018

"Cota de vereador"


Pela primeira vez, vi, em uma manifestação judicial, a expressão "cota de vereador", ou seja, uma reserva de cargos no Executivo para pessoas indicadas pelos edis. Cá entre nós, isso é motivo de vergonha para todos os envolvidos.

Primeiro, para os vereadores. Não contentes em nomear apadrinhados para suas assessorias, eles ainda querem ter (aliás, têm) influência no Executivo. É a tal troca de favores. 

Segundo, para o prefeito que aceitar esse tipo de intromissão em troca de apoio político. Mostra desprezo pelos princípios da eficiência, impessoalidade, moralidade que ele jurou respeitar na posse. 

Terceiro, para os próprios nomeados por esse perverso sistema de cotas. Com certeza, muitos não foram admitidos no serviço público para realmente trabalhar. Como bons apaniguados, assenhoram-se do cargo público para defender os interesses dos seus padrinhos. Eticamente, isso é lamentável.

Quarto, para os cidadãos que aceitam passivamente que cargos públicos sejam criados e preenchidos não para atender ao interesse público, mas sim para satisfazer egoístas pretensões de políticos. Infelizmente, boa parte da sociedade só questiona algo quando se depara com o mau atendimento em algum órgão público. É preciso, contudo, sair dessa zona de conforto, uma vez que a má qualidade dos serviços públicos, muitas vezes, está ligada ao excesso de servidores inúteis. Muitos deles apaniguados. 

Nesse contexto, muito acertada a propositura de uma ação judicial pelo Ministério Público para, pelo menos, reduzir essa malandragem. Espera-se que o Poder Judiciário cumpra sua função e, dentro do devido processo legal, puna os envolvidos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Infelizmente ninguém pensa na cidade, só olham para seu próprio umbigo e ficam aterrorizados com o medo de não entrar na próxima vez. A cidade está com décadas de atraso. Se tivesse muitas indústrias atraia pessoas do país inteiro para aumentar o número da população. Não sei, mas parece que só existe a prefeitura para ser sugada. Agente só vê politicagem. Acho que para trabalhar lá tinha que ser efetivo e ter pelo menos o ensino médio completo. E vereador também tinha que ter ensino superior devido ao alto salário. Prefeito também.
Senão fica uma coisa descompensada do que vai adiantar um diploma registrado das nossas faculdades.