segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Antônio de Paulo, mineiro de Araguari

Eu poderia tentar escrever algo falando do meu amor por Araguari. Mas, prefiro que meu saudoso pai, outro aniversariante do mês, traduza esse sentimento por todos nós, araguarinos.

Revirando os escritos legados pelo meu velho, vi relatos das dificuldades que ele enfrentava no ano de 1962. Recém-casado e com dificuldades financeiras, cogitou, inclusive, se mudar com minha mãe para Goiás em busca do trabalho que não encontrava em Araguari:


Destino: Meia Ponte, distrito de Itumbiara. Carpinteiro talentoso, conseguiu trabalho numa serraria. Mesmo distante, nunca negava sua origem: Antônio de Paulo, mineiro de Araguari, nascido no Taquaral:

Mesmo conseguindo o almejado trabalho, a nostalgia o incomodava. Queria ir na Festa de Nossa Senhora de Aparecida, no Amanhece:


Com o coração dilacerado pela dor da saudade, passou a contar os dias para voltar definitivamente à sua terra natal. Contava com um aliado forte: Deus:


Um ano depois da partida, realizou seu sonho. Feliz de novo, na sua Araguari, fez questão de registrar:


Compartilhei apenas uma pequena parte dos caminhos trilhados pelo meu pai até se fixar definitivamente em Araguari, onde criou uma família. Isso é o suficiente para demonstrar o seu imenso amor pela cidade. 

Uma confidência, meu velho. Não é só saudade! Sinto uma inveja danada do senhor! Não só pelos exemplos que nos legou. Mas, também por ter conseguido voltar rapidamente pro ninho. Desde 1984, longe de casa, eu sigo minha sina. Eu, Araguari e o Taquaral mudamos. Mas o seu sonho permanece vivo em mim.

A exemplo do meu saudoso pai, todos nós carregamos no peito um desmedido amor pela Cidade Sorriso. Não importa se esse amor veio de berço ou se foi adquirido ao longo da vida. Será sempre retribuído com amor materno por essa gente hospitaleira! Parabéns, Araguari dos meus sonhos!!!

Um comentário:

Anônimo disse...

Nossa....passei a acompanhar esse blog a pouco tempo. Mas essa publicação do seu pai realmente me emocionou muito, não sei se é pelo carinho e amor que ele nutria pela cidade ou porque vivo situação semelhante. Excelente texto e contextualização com as imagens. Parabéns!