sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Lava Jato: deputados da CPI da Petrobras receberam R$ 3,2 milhões de empresas investigadas

Foto: Agência Senado.


De acordo com o site Congresso em Foco, 15 dos 27 titulares da CPI da Petrobras receberam, ao todo, R$ 3,2 milhões de empresas acusadas de participar do esquema de corrupção e cartel que causou prejuízo bilionário à estatal brasileira e a mergulhou na pior crise de sua história. Segundo essa fonte, as doações oficiais sairam dos cofres das empresas Odebrecht, OAS, UTC Engenharia, Engevix e Galvão Engenharia, todas na mira da Operação Lava Jato. 

Algumas contribuições foram feitas diretamente aos candidatos, outras por meio de comitês financeiros e diretórios partidários. A menor: R$ 770. A maior: R$ 962,5 mil. 

Veja quanto cada parlamentar informou à Justiça Eleitoral ter recebido de empresas sob investigação na Operação Lava Jato:

- Luiz Sérgio (PT-RJ) – relator da CPI
R$ 962.500,00
- Édio Lopes (PMDB-RR)
R$ 680.732,00
- Hugo Motta (PMDB-PB) – presidente da CPI
R$ 454.572,50
- Antonio Imbassahy (PSDB-BA)
R$ 326.875,00
- Cacá Leão (PP-BA)
R$ 321.993,10
- Júlio Delgado (PSB-MG)
R$ 250.000,00
- Paulinho da Força (SD-SP)
R$ 240.925,50
- Onyx Lorenzoni (DEM-RS)
R$ 200.000,00
- Feliz Júnior (PDT-BA)
R$ 22.042,83
- Afonso Florence (PT-BA)
R$ 16.183,25
- Paulo Magalhães (PSD-BA)
R$ 5.498,44
- João Carlos Bacelar (PR-BA)
R$ 4.493,66
- Bruno Covas (PSDB-SP)
R$ 2.711,50
- Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP)
R$ 2.343,75
- Marcelo Squassoni (PRB-SP)
R$ 770
Total R$ 3.289.297,78

Pitaco do blog

Este humilde blogueiro não resiste. Precisa dar um pitaco...

Um dos predicados dos juízes é a imparcialidade. Tanto que, sem um juiz isento, não se pode sequer falar em jurisdição. A atuação de um juiz parcial é caso de nulidade do processo. Bem, a CPI não é órgão do Judiciário. Mas, tem alguns poderes próprios da magistratura, tais como: ouvir indiciados e testemunhas, prender em flagrante, quebrar sigilos bancário, fiscal e telefônico. A questão, então, é saber se é legítimo os parlamentares beneficiários investigarem os seus doadores de campanha. A lógica e o mínimo ético dizem que não.

Mas, não é só isso. O principal argumento de defesa de João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, um dos investigados na Lava Jato, é o de que as doações feitas ao partido pelas empreiteiras participantes do esquema foram todas oficiais. Vale dizer: foram informadas à Justiça Eleitoral nas prestações de contas da campanha. Como esses 15 integrantes da CPI consideram que o recebimento da doações oficiais das empresas investigadas são regulares e não lhes retira a imparcialidade, eu posso presumir que eles considerarão também legais as doações oficiais feitas por elas aos partidos e aos políticos envolvidos nesse escabroso esquema de corrupção. Traduzindo: a pizza tá no forno.

2 comentários:

Edilvo Mota disse...

Fato. Nenhum deles, seja lá qual for o partido, terá a isenção necessária para investigar o caso

Ianis disse...

Texto originariamente submetido à outra Moderação... e assou, digo, passou:

http://gazetadotriangulo.com.br/tmp/radar/radar-calcas-na-mao/

...

Algumas atualizações de contexto:

CLI - Como Lidar com Impunidades.
CPI - Como Postergar Impunidades.

Dá na mesma.

...

Prezado Auditor,

(…)
Traduzindo: a pizza tá no forno.
(…)

- SAI UMA PIZZA DE FRANGO À MODA DA CASA !!!

E foram cozinhar o galo… antes, derrubá-lo do poleiro. Esperemos anoitecer então… Quem tem uma escada aí ?!

...

Continuação da Novela…

Anoiteceu. Rumaram ao propósito. Ao pé do poleiro, alguém disse:

- Lanterna. Temos que pegar o penoso certo. LANTERNA ?!

E foram buscar a tal lanterna. Sem pilhas.

E foram buscar a tal da pilha.

Iluminando “o vítimo”, pegaram-lhe firmemente pelos pés. Penoso dos gordos.

E, frangão em mãos, melhor dizendo, galo velho em mãos, o alguém disse novamente:

- Saco de linho. Temos que guardar o penoso adequadamente. SACO ?!

E foram buscar o tal do saco. O de linho. Tem de ser de linho.

E, sendo justos, acondicionaram confortavelmente a criatura no saco.

Seguiram em frente.

Faca ?! Tiveram que buscar. Claro, antes, amolar.
Tacho ?! Tiveram que providenciar. Óbvio, antes, limpar.

Tachos de cobre, limpam-se facilmente com limão china.
Limões ?!

E foram buscar o tal do limão. China. Ficou lindo !!!

Água quente ?! Tiveram que esquentar. Claro, a água foi retirada da cisterna. E não havia balde… Providenciaram. E a corda ?!

- UAI a corda está no sarilho.

- Nobre Colega, acorda... melhor dizendo, onde está o sarilho?! Foram providenciar.

Depenar ?!

Ah… Depenar é mole. Um dos grandes valores atuais de nossa Sociedade, depena-se qualquer um, a qualquer hora, e em qualquer lugar. Chega a dar pena.

E o alguém pensou em colher o sangue, para um molho pardo. Pela maioria, votaram e decidiram. Colha-se em separado.

- PIZZA DE FRANGO, ao molho pardo. ( uh ! )

Mas, quem se encarregou da massa ?!

Foram amassar. Trigo. E não é que tinham o TRIGO !!!

Providenciado, e o forno ?!

Foram aquecer.

- Lenha ?! Foram providenciar.

- Fósforos ?! Binga ?! Magiclick ?!

- Querosene ?! Álcool ?! Gasolina ?!

Providenciaram. Cuspe do 14Zão, foi a solução. Carburante e explosiva.

( … )

E, enfim, o outro dia raiou.
A maioria dormiu. Se cansou.
E só o tal, que cantava de galo, não cantou.

Então, o Siriemo pernudo que a tudo isso calma e serenamente testemunhou, bateu em retirada cerrado afora.

Sabe-se lá, qual será o engasga-gato do novo dia.

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.