quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Tarja Preta Araguari: Investigados tramavam, também, a substituição do pregoeiro

Já falamos aqui que os investigados em decorrência da Operação Tarja Preta estavam incomodados com a atuação do secretário de Administração  Luiz Gonzaga Barbosa Pires, que, segundo eles, estaria "fazendo oposição" (clique aqui). Também já informamos que os investigados tramavam a saída do controlador-geral, Alírio Gama Filho (clique aqui). Coincidentemente ou não, ambos foram exonerados pelo prefeito, Raul Belém. Entretanto, a atuação dessas pessoas que se infiltraram na Prefeitura não parou por aí. Fizeram outra vítima.

Em diversos trechos das conversas gravadas pelo Ministério Público de Goiás, fica clara a intenção dos investigados em afastar, também, o pregoeiro Neilton dos Santos Andrade, que, segundo eles, estava atrapalhando os trabalhos (do Departamento de Licitações ou da "quadrilha"?). Abaixo seguem algumas dessas conversas:
No dia 10/04, o advogado Tomaz Chayb liga para Marcelo (provavelmente, o subprocurador Marcel), afirmando que "agora é hora de tirar o Neilton de lá"  (pág. 324 das transcrições).

No dia 11/04, Tomaz fala para uma pessoa não identificada (provavelmente, o subprocurador Marcel) que "semana que vem tem que falar que o Neilton não trabalha mais naquele departamento" (pág. 328).
No dia 15/04,  Tomaz e Marcelo (provavelmente, o subprocurador Marcel) voltam a discutir o assunto, fazendo referência à participação do procurador-geral, Leonardo Borelli, no afastamento do pregoeiro Neilton (págs. 333/334).

No dia 18/04, por volta das 10h, Marcelo (na verdade, o subprocurador Marcel) tenta tranquilizar Tomaz, dizendo que naquela data saíriam as exonerações (pág. 346).

No mesmo dia 18, às 13h15, Marcel confirma que o procurador-geral, Leonardo Borelli, ligou para Mirian, então diretora do Departamento de Pessoal, pedindo para exonerar os integrantes da comissão de licitação (pág. 346).
Ainda no dia 18/04, às 18h04, Tomaz liga para uma pessoa não identificada (provavelmente o subprocurador Marcel) e recebe a confirmação de que Neilton foi exonerado. Marcel afirma que é para passar para Neilton a impressão de que o responsável  pela sua exoneração foi o prefeito Raul Belém, uma vez que nem ele (Marcel)  nem o procurador-geral, Leonardo Borelli, "não tem poder para fazer isso" (págs. 348-349).

Coincidentemente ou não, no dia 23/04, o prefeito, Raul Belém, edita o Decreto nº 50, substituindo o pregoeiro Neilton dos Santos Andrade e recompondo a sua equipe de apoio. A motivação do decreto é lacônica. Fala apenas da necessidade de substituir o pregoeiro e de recompor a equipe de apoio.
No dia 23/04, o prefeito Raul Belém editou o Decreto nº 50,
substituindo o pregoeiro Neilton dos Santos Andrade.

5 comentários:

Anônimo disse...

Quanta sujeira

Anônimo disse...

Cidade de bananas !!!

Anônimo disse...

Isso foi uma sacanagem que fizeram com o servidor Neilton um dos mais competentes na área de licitações que conheci por isso trabalhou naquele setor por 12 anos com a confiança de todos os prefeitos que passaram, alem disso uma pessoa de coração bom humilde, responsável e honesto e por isso está sendo sondado por outros municípios por causa de sua competencia deveriam fazer uma retratação com o mesmo...

Anônimo disse...

O que fizeram com o Servidor Neilton dos Santo Andrade foi uma sacanagem da politica ele é um dos melhores servidores na área de licitações que ja vi e por isso esta sendo sondado por outros municípios pela sua competência, alem disso é uma pessoa de boa de bom coração, humilde e honesto e por isso merecia uma retratação desse governo porque ele ja trabalhou por doze anos com outros prefeitos e e de confiança de todos e ele não merecia ter passado por isso ...... Espero que ele encontre o melhor caminho pra ele pq ele merece

Edilvo Mota disse...

Atesto a lisura do Neilton, assim como dos demais membros do Departamento de Compras e Licitações que há anos servem ao município com extrema competência.

Lamentável que aventureiros guindados a cargos de comando através do podre sistema eleitoral tentem manchar a reputação de cidadãos de bem.

Este episódio denominado "Tarja Preta" precisa ser rigorosamente investigado por órgãos imparciais e com autoridade (formal e moral) para tanto.