sábado, 16 de fevereiro de 2013

Bolada no Carnaval?



Da coluna Radar, Gazeta do Triângulo, 16/02:
BOLADA
Foi levantado na reunião desta quinta-feira na Câmara Municipal que o organizador teria computado prejuízos com a realização da festa na cidade, porém, Leonardo Rodrigues da Silva Neto “Léo Mulata” (PSL) apresentou alguns números assustadores em relação ao que foi arrecadado pelo promoter. Segundo o vereador, incluindo os patrocínios, foram arrecadados aproximadamente R$ 2 milhões nos cinco dias da festa que teve o apoio financeiro da prefeitura de Araguari.

Pitaco do Blog
Essa informação vai ao encontro do que questionei aqui antes da "licitação" para a realização do Carnaval 2013. O processo licitatório possuía indícios de direcionamento. Como era esperado, só uma empresa compareceu ao pregão. O contrato se mostrava extremamente benéfico à empresa. Além dos 258 mil reais recebidos pelo show de Cristiano Araújo e pela organização do evento, ela ficaria com todo o lucro da festa (segundo o vereador, foram arrecadados 2 milhões de reais).
A afirmação do vereador só corrobora o nosso questionamento. Mais do que isso, justifica uma urgente investigação pelo Ministério Público em Araguari.  Está na hora de apurar rigorosamente esse caso. Exigir uma prestação de contas do evento e a abertura das planilhas de custos da empresa seria um bom começo. Alô, Ministério Público, acorda!!!

Leia também: 
Me engana que eu gosto!
Carnaval 2013
Carnaval 2013: shows serão contratados sem licitação
Carnaval 2013: show de Cristiano Araújo.



8 comentários:

Edilvo Mota disse...

R$ 2.258.000,00 de receita e ainda tiveram prejuízo?! Aritmética estranha, esta...

Logo, alguém vai propor que o Município pague uma complementação aos organizadores.

Anônimo disse...

Tenho tanta pena da Cia Fivela de Prata, coitadinha deve estar até passando dificuldades financeiras afinal levou apenas 4 malas com dinheiro (conforme relato de uma camareira de hotel).
Aposto que todos os próximos eventos musicais públicos a Cia Fivela de Prata será a ganhadora da licitação, inclusive um mega evento que será realizado no aniversário da cidade.
Realmente devem existir políticos fazendo caixinha com a fivela de prata visando angariar fundos para o proximo pleito eleitorl.

Anônimo disse...

So queria saber de uma coisa, ja que a prefeitura de Araguari nao fez como dezenas de prefeituras deixando de fazer carnaval para quitar dividas ja que falam tanto que o antigo prefeito deixou a mesma em cituacao precaria bom intao o carnaval de araguari foi um sucesso e sera que sera um sucesso o pagamento dos acertos? sera que vai ser um sucesso trabalhadores que nao receberam receber para colocar comida em casa? tem gente que ainda nao recebeu o salario de dezembro e ai como que fica??? um sucesso????

Anônimo disse...

E povão do rerigueri, apenas o início. Bater é muito fácil, falar então nem se diga. Pão e circo durante 4 anos.

Anônimo disse...

Tive acesso a alguns prjetos de criação de mais cargos na administração Raul Belém e me assustei com o que ví:

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR 004/2013 Cria a Secretaria Municipal Anti Drogas e mais 9 cargos, veja os valores: 1 Secretário, 7.500,00 R$ * 1 Subsecretário, 5.727,78 R$ * 1 Secretario de Gabinete: 1601,03 R$ * 1 Assessor de Comunicação 1.924,53 R$ * 1 Assessor Jurídico, 1.924,53 * 1 Assessor Administrativo Financeiro, 1.924,53 * 1 Assessor especial Anti Drogas, 2.897,83 * 1 Chefe de Divisão 1.114,54 R$ * 1 Assessor Especial 2.897,83

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR 005/2013 Cria Cargos de Assessores Especiais do Prefeito.
Assessor Especial 1, 3.750,00 R$ Assessor Especial 2, 3.750,00 R$

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR 006/2013 Cria o Gabinete do Vice Prefeito com os seguintes cargos:
1 Assessor de Gabinete 1.924,53 * 1 Assessor especial do Vice Prefeito, 3.750,00 R$

RESUMINDO:
Para criar a Secretaria Anti Drogas serão criados mais 9 cargos numa despesa mensal de 27.550,00 R$ e ainda terá de ser modificada uma Lei Municipal para que o Uberlandense José Pacífico que não é eleitor de Araguari seja o Secretario da pasta.

A criação da Assessoria especial do Prefeito também é uma aberração pois dentre tantos cargos de confiança disponíveis o Prefeito criará mais dois cargos de Assessores Especiais com um salário de 3.750,00 R$ cada, ou seja, um gasto de 8.500,00 R$ haja puxa sacos bem, remunerados ao lado do rei.

Agora o que mais me assusta é saber porque um Vice Prefeito precisa ter um gabinete específico já que é um cargo de expectativa e não fede nem cheira além do mais serão criados dois cargos 1 Assessor de Gabinete, salário 1.924.53 R$ criando um gasto mensal de mais de 5.600,00 R$ para o Município e ainda 1 Assessor especial do Vice prefeito com salário de 3.750,00 R$.

Agora multiplique estes valores por 45 meses e me digam se a nossa prefeitura não é rica.

Pois bem este é apenas um resquicio do novíssimo modelo de administração e sua enorme teia de colaboradores que enxergam na prefeitura um caixa abundante de recursos para engordar vaidades e sustentar um mundo festas e espetáculos.

Anônimo disse...

Os pilantras que faturaram alto ainda deram o cano em nossos comerciantes, alguém que conhece os donos da Cia Fivela de Prata favor avisar pra eles pagarem o rombo deixado em um restaurante da cidade, alem de não pagarem as refeições dos donos da empresa eles ainda deram o cano nos marmitex comprados para servir aos operarios que montaram as estruturas do evento. Calote Carnavalesco é demais !!!!

Renato - Tupaciguara - MG disse...

Dentro do próprio local onde foi o carnaval ai deveria ter tido um local pro pessoal do som automotivo. todas as cidades onde o carnaval já é uma tradição e funciona realmente existe a questão do som automotivo e não causa problemas nenhum, exemplo disso é a cidade onde eu moro, Tupaciguara, que nos dias de carnaval coloca-se umas tendas pra esse tipo de atividade, e gostando ou não o público pra isso é grande. Infelizmente ai não teve tal espaço. Não sou contra fiscalização alguma, só gostaria que tivesse tido o espaço próprio pra isso como acontece em outros municípios. Tupaciguara, São Simão, Nova Ponte, Três Ranchos, etc. tem espaços apropriados para o som automotivo em suas festas, não podendo o proprietário do som ligá-lo em outro local senão o indicado. Se isso acontecer ele é convidado a se retirar e ainda sofre o risco de ser multado e mesmo ter seu veículo guinchado. Daí sim eu concordo; deu-se o local adequado e permitido então ninguém pode dizer que não sabia e assim eu acho certo as punições, mas sem ter a estrutura fica incoerente, melhor seria então fechar as lojas que vendem tal tipo de acessórios (som), mas duvido que isso seja feito pois geram recursos e empregos. Teria argumentos para ficar aqui horas argumentando, então antes de condenar o som que foi ligado na praça ou que é ligado em outros lugares em momentos diferentes talvez fosse melhor entender que essa situação envolve centenas de pessoas e que se tivesse sido dado o local com certeza não teria som na praça e ou em outros locais.

Renato - Tupaciguara - MG disse...

Dentro do próprio local onde foi o carnaval ai deveria ter tido um local pro pessoal do som automotivo. todas as cidades onde o carnaval já é uma tradição e funciona realmente existe a questão do som automotivo e não causa problemas nenhum, exemplo disso é a cidade onde eu moro, Tupaciguara, que nos dias de carnaval coloca-se umas tendas pra esse tipo de atividade, e gostando ou não o público pra isso é grande. Infelizmente ai não teve tal espaço. Não sou contra fiscalização alguma, só gostaria que tivesse tido o espaço próprio pra isso como acontece em outros municípios. Tupaciguara, São Simão, Nova Ponte, Três Ranchos, etc. tem espaços apropriados para o som automotivo em suas festas, não podendo o proprietário do som ligá-lo em outro local senão o indicado. Se isso acontecer ele é convidado a se retirar e ainda sofre o risco de ser multado e mesmo ter seu veículo guinchado. Daí sim eu concordo; deu-se o local adequado e permitido então ninguém pode dizer que não sabia e assim eu acho certo as punições, mas sem ter a estrutura fica incoerente, melhor seria então fechar as lojas que vendem tal tipo de acessórios (som), mas duvido que isso seja feito pois geram recursos e empregos. Teria argumentos para ficar aqui horas argumentando, então antes de condenar o som que foi ligado na praça ou que é ligado em outros lugares em momentos diferentes talvez fosse melhor entender que essa situação envolve centenas de pessoas e que se tivesse sido dado o local com certeza não teria som na praça e ou em outros locais.