sábado, 24 de novembro de 2012

Inversão de prioridades ou privilégio?

O prédio do Pronto Socorro Municipal (PSM) foi derrubado para dar lugar a uma futura Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Enquanto isso, o município continua alugando imóveis para uso das diversas secretárias. Num dos casos, na própria Pasta da Saúde, o aluguel é pago a uma cunhada do prefeito Marcos Coelho. Um dos motivos alegados para a derrubada do prédio do PSM era a falta de acessibilidade aos usuários (deficientes físicos). Será que a casa da cunhada do prefeito atende a todos esses requisitos de acessibilidade?
Vejam o extrato do contrato publicado no Correio Oficial do Município:
"CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº. 308/2012
DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 24/2012
PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI - CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº. 308/2012 - DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 24/2012 - Objeto: Locação do imóvel situado à Rua Manoel Cruz Póvoa, nº. 100, Bairro Industrial, CEP: 38442-024, nesta cidade de Araguari - MG, destinado a abrigar as instalações do centro de saúde mental e do centro de psicologia, pelo prazo de 12 (doze) meses. Contratante: Município de Araguari - Contratada: Mariantonia Luiza Póvoa Guimarães - Valor: R$ 44.160,00 - Prazo: 12 meses - DO: ( 2 0 1 2 0 5 1 1 ) 02.01.22.10.122.0093.2116.33903614 (Fundo Municipal de Saúde).
Araguari - MG, 03 de agosto de 2012
Dejair Flávio de Lima
Secretário Municipal de Administração"
Fonte: http://admin.araguari.mg.gov.br/jornal/7e7757b1e12abcb736ab9a754ffb617a.pdf

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

A Saúde Revisitada


Wellington Colenghi*

Outubro de 2010, logo após a eleição na qual Araguari não elegeu nenhum deputado. Eu e mais 11 companheiros somos chamados à sala da então secretária de saúde, Iara Cristina Borges. Eu mesmo já imaginava o motivo da reunião, já que as rusgas com a administração eram visíveis e não éramos bem vistos pela diretoria da Saúde. Sempre cobramos condições de trabalho e a administração só se comprometia a sanar as dificuldades “de boca”, sem nos apresentar as condições.

Não me surpreendi, quando ouvi da secretária que seríamos todos destituídos do cargo, já esperava isso. Ao questionar a secretária de saúde sobre o motivo da destituição, ela alegou insubordinação. Interessante é que nunca abriram um processo contra nossas pessoas por isso. Desde então, a secretaria de saúde desandou.

A administração Marcos Coelho foi peculiar em algumas situações, não só no caso em que nos perseguiu. Algumas até vexatórias, e se não fossem tristes, seriam cômicas. A Saúde foi a pasta responsável pela rejeição de Marcão e juntamente com a rejeição do funcionalismo, desencadeou uma série de processos que culminaram na derrota de Coelho. Desde o primeiro semestre do mandato, com a carta aberta, até o caso dos marmitex, Marcos Coelho não tomou medidas significativas, deixando a coisa rolar à bel prazer dos diretores da pasta,inábeis e sem tato com o público e menos ainda com o servidor.

O episódio da carta aberta repercutiu em todos os meios de comunicação locais. Nessa carta, servidores da secretária diziam-se alvos de maus tratos e perseguição por parte de membros da diretoria da saúde. Uma dessas diretoras citadas é a atual secretária de saúde. Marcão poderia ter evitado dores de cabeça já no começo de seu mandato, usando de pulso e tomando precauções. Lembro que na época, o alcaide preferiu tratar o fato como: “Coisa de um grupo de servidores ligados à oposição”. Com todo o respeito, o maior opositor do “Novo Modelo” foi ele mesmo.

O caso do TFD não nos passa despercebido, menos ainda, o abafamento que vereadores da base e com cargos na saúde providenciaram. Também não nos esqueçamos do esforço de alguns para que ela viesse à público. Notoriamente o vereador Sebastião Vieira tentou o possível para que se verificassem os fatos. Cito também o trabalho do repórter João Carlos, que na época cobrava através dos microfones da Rádio Vitoriosa cobrava transparência e cuidado com o dinheiro público.

Na mídia nacional, quando achava que nenhuma notícia acerca do atual governo me surpreenderia, surge o caso do mamógrafo. Parado e encaixotado. E para piorar, logo depois saberíamos que o mesmo receberia manutenção, mesmo empacotado e em desuso. A companheira Miriam Lima denúncia outras irregularidades, dentre elas, o caso do mamógrafo e o possível superfaturamento dos marmitex do PS municipal. Em vez de uma condecoração, essa colega foi injustiçada e humilhada, destituída do cargo, enquanto que as pessoas responsáveis pelas possíveis irregularidades continuaram no cargo.

A Saúde foi subadministrada e ainda continua sendo. Criaram-se apenas propagandas como a da “escolha técnica” de certa funcionária de carreira da saúde que resolveria os problemas. Logo depois descobrimos que a nomeação não era técnica, mas sim uma imposição de certa personalidade que manda de fato nos corredores da saúde. A aquisição de um adjunto ligado à imprensa foi mais uma tentativa frustrada de amenizar o quadro. Bastava um deslize na saúde e no outro dia estava nosso adjunto lá, no programa do irmão, justificando e cozinhando o galo. Infelizmente, para esse adjunto a truculência da titular da pasta e alguns diretores eram tantas que somente o microfone do irmão não foi suficiente. Outro mito criado foi o de que a atual secretária teria melhorado a saúde. Bem se melhorou, não foi a dessa cidade.

A saúde é o calcanhar de Aquiles de qualquer governo. No caso do “Novo Modelo”, essa pasta amputou as pernas da administração. O governo ficou exposto e não tomou atitudes. O lenga lenga do Hospital Municipal também causou-nos vergonha na mídia regional. Até hoje e em fim de mandato, o governo municipal não resolveu o problema que poderá ainda causar problemas ao futuro prefeito.

Listei aqui algumas passagens e opiniões próprias sobre a pasta onde sou lotado. Observei e acompanhei de perto. Há mais coisas a serem listadas, mas teria de escrever um livro. Talvez o título; “O Quadriênio Perdido” se encaixe bem. A pior gestão da saúde, fato que pode ser historicamente comprovado.

* Servidor Público Municipal e Estudante de Administração Pública.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

E o governo de transição?

O governo Marcos Coelho passou quatro anos escondendo informações públicas da população. Agora, no apagar das luzes, a "cereja do bolo". Ao que tudo indica, Marcos Coelho e seus competentes assessores resolveram dificultar os trabalhos do "governo de transição". Até hoje, não foi publicado o decreto instituindo essa comissão. A pergunta que não quer calar: o que Marcão está tentando, mais uma vez, esconder da sociedade?

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Há quatro meses sem repasse da prefeitura, Emater paralisa atendimento em Araguari



Escritório poderá ser fechado caso o pagamento
não seja negociado até o fim do mês

TALITA GONÇALVES, Araguari - Nos últimos dias, o escritório da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais – Emater/MG em Araguari interrompeu o atendimento. Há quatro meses sem receber o repasse da prefeitura, a unidade pode fechar no final do mês caso o pagamento não seja realizado. A informação é do gerente da unidade regional de Uberlândia, Milton Flávio Nunes.

Após autorização da Câmara Municipal, no primeiro semestre a prefeitura renovou o convênio com a Emater/MG por mais cinco anos. Foi estabelecido o repasse à Emater no total de R$ 459.968,40, pagando mensalmente R$ 7.666,14.

O documento prevê ainda que a prefeitura deveria ceder em regime de comodato (empréstimo gratuito) os bens necessários para o funcionamento da unidade em Araguari e ainda designar um servente durante os cinco anos. Conforme Milton Nunes, a interrupção das atividades é prevista no convênio caso não haja o pagamento.

A diminuição no repasse do FPM- Fundo de Participação dos Municípios refletiu na dificuldade da prefeitura para arcar com o compromisso, de acordo com o secretário de Fazenda, Joaquim Militão “A prefeitura pretende pagar, mas ainda não encontramos uma solução para isso. A queda do FPM nesse segundo semestre foi acima do previsto. O município contribui, auxilia, mas a responsabilidade principal é do Estado,” disse.

Assistência técnica em geral, consultoria e assessoria para obtenção de financiamentos bancários de programas oficiais são algumas das principais funções da Emater, cujas ações refletem principalmente em melhorias para produtores de agricultura familiar. Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais, Túlio Rodrigues da Cunha afirmou que os pequenos produtores serão prejudicados sem o serviço. “Principalmente devido aos projetos de financiamento,” disse.

Caso o pagamento não seja efetuado ou negociado até o final do mês, o escritório da Emater em Araguari poderá ser fechado. Ele está localizado na rua Wenceslau Braz nº 242, no centro da cidade. Para mais informações, o telefone é 3242-3218.

Transcrito do Gazeta do Triângulo, 15/11/2012.

Pitaco do Blog

Resumindo a notícia numa expressão: DESORGANIZAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA.
A atividade pública não pode parar por falta de recursos financeiros. Existe um tal "princípio da continuidade dos serviços públicos". Se parar, é porque algo está errado.
Era previsível a redução dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios? Claro que sim! Há tempos o governo federal vem prorrogando o acordo que reduziu impostos sobre a produção de alguns bens. Isso, obviamente, iria se refletir na receita dos municípios. Caberia ao administrador municipal agir com a cautela exigível, reduzindo gastos ou remanejando recursos.
Pelo que se comenta na cidade, outros setores da Administração Pública estão sendo prejudicados pelas medidas adotadas no fim do mandato. Consta, por exemplo, que os anestesistas estão sem receber o complemento de honorários previsto em lei municipal. Repito: a causa da falta de recursos é, em regra, a DESORGANIZAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. Tomara que a população não seja penalizada, mais do já foi, pela falta de planejamento no governo Marcos Coelho.

Quer ser bom prefeito? É só não roubar

Eduardo Gaevski, prefeito da modesta cidade de Realeza-PR, tem muito a nos ensinar sobre a forma correta de administrar um município. É uma lição que deveria ter sido aprendida pelo atual prefeito de Araguari, Marcos Coelho, e que, espera-se, seja conhecida e colocada em prática pelo prefeito eleito, Raul Belém. Leiam até o fim a reportagem. Vale a pena.


'Quer ser bom prefeito? É só não roubar’

14/11/2012

Araguari ganhará canal próprio de comunicação da TV Vitoriosa


Uma boa notícia para os moradores de Araguari. Em breve, a cidade vai ganhar um canal próprio de comunicação, do grupo da TV Vitoriosa, do ex-senador Wellington Salgado. A Rede Brasil Norte abraçará o Chumbo Grosso, Linha Dura Araguari e outros programas jornalísticos.

É mais uma conquista para o povo araguarino.




Transcrito do Portal Uipi