quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Entrevista de Raul Belém ao Gazeta do Triângulo

O jornal Gazeta do Triângulo prestou um importante serviço à sociedade, publicando uma entrevista com o prefeito eleito de Araguari, Raul Belém. Cabe a cada cidadão guardar essa entrevista, juntando-a aos panfletos de campanha e ao programa de governo, para acompanhar a gestão do prefeito recém eleito. Em breve, falarei sobre alguns pontos dessa entrevista. Por ora, a reproduzo na íntegra:

Entrevista: Raul José de Belém, prefeito eleito de Araguari




Em entrevista concedida ontem, o prefeito eleito afirmou que sai do processo eleitoral sem mágoas e que seu governo será composto por aqueles que têm condições de contribuir com Araguari
rbAos 30 anos, o jovem Raul José de Belém foi eleito no último domingo, dia 7, para governar a Prefeitura de Araguari nos próximos quatro anos. Ao lado do vice Werley Macedo, ele obteve 50,12% dos votos válidos, vencendo o pleito com a diferença de 2.221 votos.

E é com a sua entrevista que a Gazeta do Triângulo inicia uma série de reportagens que, no decorrer dos próximos dias, serão realizadas com os candidatos eleitos.

Em sua fala, Raul Belém discorreu sobre a emoção da vitória, o desgaste do processo eleitoral, as alianças e as perspectivas para o seu governo. Por questão de espaço, uma parte das colocações feitas durante a entrevista será publicada oportunamente.

Confira:

GT: Como você acompanhou a apuração dos votos e qual a emoção de receber o resultado?
Eu acompanhei a apuração em minha casa. Na verdade, não acompanhei o tempo todo. Orei muito, pedi a Deus para que nosso projeto desse certo e quando haviam sido apuradas 90% das urnas, eu tive a certeza da eleição. Foi uma grande felicidade por tudo que nós passamos, pelo que enfrentamos, por ter sido uma campanha muito modesta... Nós trabalhamos muito para alcançar o nosso objetivo. Uma verdadeira batalha.

GT: Como você analisa o período eleitoral que, de certa forma, foi muito desgastante não só para os candidatos como também para os eleitores?
Eu procurei fazer uma campanha junto com as pessoas. Meu plano de governo só saiu no último mês de campanha porque foi baseado em cima daquilo que nós ouvíamos das pessoas, das necessidades da população. Foram mais de 30 tendas em Araguari, espécies de comícios mais modestos, onde caminhávamos no bairro e depois de um bate-papo com a população fazíamos nossos pronunciamentos. Então, vejo que a minha campanha foi de muita proximidade com as pessoas, especialmente com aquelas de menor poder aquisitivo. Desde o início percebia a insatisfação popular no que se referia ao atendimento do governo municipal, pois, quem depende mesmo dos serviços públicos (SUS, creche, escolas municipais) sofria muito com o tratamento recebido.

Quanto ao acirramento que houve na campanha, nós percebemos nitidamente que uma parte da imprensa, especialmente televisiva, tentava fazer com que o resultado fosse outro. Não falo isso com mágoa, mas, infelizmente, muitas coisas foram lançadas sem que fossem devidamente apuradas. Mas, graças a Deus venceu a verdade e eu faço questão de, mesmo o povo tendo nos isentado através da nossa vitória, refutar todas aquelas mentiras e reiterar o meu desejo de fazer um governo de união. Asseguro ao restante da população, de quem eu não tive o voto, que vou trabalhar para mostrar que tudo aquilo que sempre preguei era verdade.

GT: Um dos temas mais polêmicos em torno de sua campanha foi a verdadeira coalização partidária em torno do seu nome, pois, pela primeira vez na história do município, 16 legendas fecharam em torno de uma única candidatura. O que você tem a dizer a respeito disso? 
Pelo descrédito total da política, as pessoas sempre imaginam uma política do “toma lá, dá cá”: apoio aqui, mas quero isso em troca. Mas, não foi o que houve em relação a essa união de partidos em torno da minha candidatura. Primeiro, sempre apareci muito bem nas pesquisas, melhor do que todos os pré-candidatos de outros partidos. Estava muito nítido que as pessoas, especialmente da oposição, caminhavam para que o meu nome fosse escolhido e foi exatamente isso que aconteceu. Além disso, a falta de habilidade do atual governo acabou contribuindo, pois, era muito mais fácil trazer apoios para a situação do que para a oposição. Mas, isso não ocorreu. Então, nós tivemos a felicidade de conseguir arregimentar essas forças não em cima de compromissos políticos, mas, sim, de um projeto de união em favor de Araguari. É claro que nós sabemos que não há como fazer política sem questão partidária. Sabemos que precisamos muito valorizar os partidos que estiveram conosco. Agora, é imprescindível que eles ofereçam bons nomes para que possam compor um futuro governo. E partido que não tiver nome com capacidade, condições de fazer um bom trabalho, de cumprir metas, não terá outra forma de participar deste governo que precisa cumprir metas. Nós precisamos viver um momento novo em Araguari, de colocar pessoas ao nosso lado e à frente da nossa cidade de Araguari por competência e qualidade.

GT: Sobre a escolha do seu vice Werley Macedo e o trabalho realizado ao longo da campanha, o que você tem a dizer?
Enquanto nós dois tivemos a oportunidade de ser vereadores juntos, eu sempre tive grande admiração pelo Werley. A partir dessa convivência, houve uma aproximação maior e percebi que ele é como eu: uma pessoa que combate as injustiças. Nós lutamos muito contra o novo Código Tributário, que foi um exagero e que nós vamos corrigir, pois, muita gente foi injustiçada. Então, o Werley sempre foi um grande companheiro nessa eleição e não tenho dúvida de que será um grande parceiro, uma pessoa de trabalho. É importante dizer que ele não está em campanha para nada, o que faz grande diferença porque está aí para ajudar Araguari. Então nós queremos aumentar nossa cumplicidade, de modo que ele não seja mero figurante, mas, sim, um vice-prefeito ativo, mesmo porque é da personalidade dele ser uma pessoa participativa. Tenho muita confiança nele e acredito que nós dois juntos, com a nossa equipe, vamos fazer uma grande administração em Araguari.

GT: Quais os motivos, além da articulação política certeira, a que você atribui a vitória e, claro, a constante popularidade do seu nome?

As pessoas têm sempre muita esperança na mudança, na renovação e eu acredito que através das minhas qualidades como homem, como político e como pessoa pública, especialmente a de ouvir e de ser acessível às pessoas, tenham contribuído. O apoio do governador do Estado a uma cidade que não tem deputado estadual e nem federal também gera a esperança de que Araguari será melhor, terá mais investimentos, e conseguiremos trazer indústrias, empregos, mais cursos profissionalizantes. Acredito que tivemos a felicidade de ser a candidatura de esperança do povo de Araguari. Me lembro de uma frase que meu pai sempre dizia: “sonhar é um direito. Ter esperança um dever”. Então, o povo de Araguari cumpriu o seu dever em ter esperança. Agora, cabe a nós, concretizar e materializar essa esperança do povo de Araguari em mim depositada através do nosso trabalho.

GT: Falando no seu pai, você acredita que o fato de ser filho de Raul Belém tenha influenciado? 

Sem dúvida. Quando eu nasci, meu pai já era deputado federal e, com isso, tenho a oportunidade de conviver com vários políticos importantes. Também tive a oportunidade de atuar nesse meio, inclusive sendo assessor na representação de Minas em Brasília do governador Itamar Franco, um dos homens mais íntegros, corretos e decentes que existiram na política do nosso país. E mantenho essas relações até hoje. Por exemplo, o senador Aécio Neves, o vice-governador Alberto Pinto Coelho, o próprio governador Anastasia cuja ligação comigo é mais recente até porque ele sempre foi mais técnico e menos político, mas, nós trabalhamos muito esses elos, essas afinidades e isso tudo pela nossa cidade, para conseguir benefícios. Analisando meu mandato como vereador, é possível perceber que eu consegui muita coisa para Araguari que, talvez, não tenha sido aproveitada pela atual administração por inoperância.

GT: Como o governo do estado recebeu a notícia da sua vitória e a derrota na cidade de Uberlândia? 

Infelizmente o governo do estado não fez a Prefeitura de Uberlândia, mas, por outro lado, fez a de Araguari. A nossa vitória foi uma alegria para o estado. Quando liguei para o governador, ele estava sabendo e disse da sua felicidade. O governador Anastasia é um grande republicano. Com certeza não deixará de investir em Uberlândia com Gilmar Machado prefeito, mas, sem dúvida, maiores possibilidades se abrem para Araguari que terá um prefeito aliado, de base. Creio que o governo de Minas vai querer fazer da nossa cidade uma grande vitrine no Triângulo Mineiro. Nós temos a oportunidade de, em quatro anos, crescer e nos transformar imensamente, com investimentos pesados do governo estadual que pode nos tornar exemplo para o Brasil.

GT: Passada a fase da comemoração, quais são os próximos passos de seu grupo político? As reuniões para a definição da Comissão de Transição começaram?
A Lei diz que 45 dias antes da posse do prefeito eleito, o atual deve baixar um decreto para que possamos ter acesso ao governo. Mas, eu espero do prefeito Marcos Coelho que ele nos dê esse acesso antes porque acho importante começarmos imediatamente um trabalho nesse sentido. Na minha conversa com o governador eu pedi a ele apoio da Fundação João Pinheiro para que nós pudéssemos ter um panorama completo, uma consultoria, em relação aos contratos vigentes e que estão por vencer. Precisamos ter uma real noção do que estaremos assumindo e para que não haja prejuízo na prestação dos serviços públicos. Assim, conto muito com o bom senso do prefeito e espero que nós possamos ter uma relação muito respeitosa pelo bem de Araguari.

GT: Qual é a primeira coisa que você pretende fazer quando assumir a Prefeitura de Araguari?
Pretendo ter uma audiência com o ministro da Saúde Alexandre Padilha para resolvermos de vez a questão do Hospital Municipal. A população espera isso. Houve trapalhada de um governo e de outro e as pessoas não querem apenas o apontamento dos erros. A comunidade quer solução e a questão do Hospital Municipal é um problema que incomoda muito a população porque projetou a cidade de forma negativa em âmbito nacional. Se ele vai funcionar como hospital não posso responder agora, mas o meu desejo é que aquele prédio não seja derrubado de forma alguma como ocorreu com o antigo Pronto-Socorro. Nós precisamos dar proveito a ele: seja para abrigar os pacientes da Saúde Mental que estão sofrendo na Santa Casa, seja para abrigar uma clínica de dependentes químicos, visto que o espaço é excelente.

GT: Em relação às empreiteiras, sempre muito combatidas pelos candidatos em período eleitoral, como você pretende administrá-las no seu governo?

Em primeiro lugar, nós temos que cobrar o cumprimento dos contratos. Esse é o grande problema. Não vejo mal algum em terceirizar serviços, desde que sejam prestados.

GT: Mas e os excessos? Os favorecimentos e as obscuridades que cercam esse assunto? Pois, além de não prestar o serviço como está descrito, nos últimos anos, essa questão sempre foi polêmica, vista de maneira escandalosa, inclusive, pelo excesso de ordens de serviço.  

A fiscalização da Prefeitura tem que funcionar muito bem em relação a isso. Eu não quero falar mal de A ou B, mas, sabe-se que onde deveriam existir 10 pessoas trabalhando de determinada empreiteira, geralmente tem apenas uma. Uma pessoa que ganha mal e sem condições adequadas de trabalho. Então, em nosso governo, nós vamos contratar as empreiteiras a partir do certame da licitação, porém, sem deixar de fiscalizá-las para prestar um serviço de qualidade e sem excesso. A nossa intenção é enxugar esses excessos para ter condições de investir em outras áreas, entre elas, no funcionalismo. Hoje os maiores credores da Prefeitura são as empreiteiras, com valores exorbitantes e nós precisamos rever isso.

GT: Como você disse, competência é um dos critérios para a escolha do secretariado. Quando você pretende anunciá-lo? E os membros da Comissão de Transição?
A Comissão de Transição deve ser nomeada no início de novembro, visto que começamos a falar sobre ela, pois, sabemos que precisamos de um suporte jurídico e de pessoas da nossa confiança e com competência no assunto. Quanto ao secretariado, devo anunciar os nomes provavelmente depois da solenidade de posse.

GT: Que mensagem você gostaria de deixar para os araguarinos?   
Em primeiro lugar quero agradecer a Deus e pedir a Ele que eu possa ser um instrumento dele para transformação da nossa cidade. Também quero agradecer à minha esposa, que é minha grande companheira, à minha filhinha que, embora tenha apenas três aninhos, entendeu a nossa ausência nos meses de campanha; à minha mãe, minhas irmãs, aos meus amigos, todos os apoiadores e as pessoas que trabalharam diretamente conosco, desde o trabalho mais simples até ao mais complexo. Mas, agradeço principalmente ao povo araguarino por ter nos dado esse voto de confiança, inclusive as crianças que foram uma parte muito importante na campanha. Mesmo não sendo eleitores, as crianças renovavam as nossas forças com seus abraços e sorrisos, os quais nos traziam novas energias, reavivam a vontade de lutar por eles e de querer dar um futuro melhor a cada uma. Também preciso agradecer os jovens, à “Diferença Jovem”, que fizeram um trabalho excelente, demonstrando o renascimento da juventude que milita e transforma um país, uma cidade. Agradeço ainda as pessoas da terceira idade. Nosso trabalho agora é de união em torno da cidade. Nós queremos conversar com todo mundo, ouvir todo mundo. Não existe mágoa nenhuma. Está na hora de Araguari ter a maturidade de descer do palanque e de trabalharmos juntos pelo bem da cidade. Quem quiser isso, seja muito bem-vindo. Eu continuo sendo um empregado do povo, não sou o dono da razão, quero ouvir as pessoas e o espaço está aberto para todos aqueles que têm condições e querem ajudar a cidade de Araguari.

Transcrito do Gazeta do Triângulo, 10/10

14 comentários:

Anônimo disse...

Agora Amanhece vai desenvolver, na campanha Dr. Luciano Mazão garantiu que vai ter uma sub-prefeitura em Amanhece e ele vai ser o sub-prefeito, bom demais um médico o dia inteiro aqui com a gente!

Anônimo disse...

festão hoje na fazenda Cachoerinha comemoração da vitoria do Raul e quem pagou a conta diz que foi o Alfredo Pastori

Anônimo disse...

não importa quem paga a conta o que interessa é a NOSSA VITÓRIA.......... Parabéns ao povo araguarino e que melhores dias já estão por vir.......

Anônimo disse...

acho engraçado esse lance de nossa vitoria, quem vai mandar nesse governo é a turma do Marcos Alvim,

Anônimo disse...

E daí, Marcos Alvim foi muito melhor que o Marcão.

Anônimo disse...

NÃO IMPORTA QUEM PAGA A CONTA? ADIVINHA COM DINHEIRO DE QUEM O PASTORI PAGOU A CONTA?

Anônimo disse...

AGORA EU QUERO VER SE TEM ALGUEM PEITUDO PARA PROVIDENCIAR OU CORRER ATRAS PARA A INSTALAÇAO DE UM SHOPPING EM ARAGUARI, QUE NOVELA CHATA!!! SERA? JÁ ESTAMOS NO FINAL DE 2012 E ATÉ HJ NADA, QUE VERGONHA! CORREM ATRAS DOS HOMENS! MOSTREM VONTADE E INTERESSE!

Anônimo disse...

no jornal gazeta do triangulo aparece assim (DESTINO?
Marcos Alvim (PHS) que esteve empenhado na campanha de Raul José poderá ocupar cargo no Estado, isso de acordo com compromissos antes firmados com o governo. Marlos Fernandes (PPS) atualmente tem cargo indicado pelo Estado e poderá ocupar função de visibilidade visando 2014.)
começou a mudança com os mesmos de sempre kkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Quem diria...começam os tombos....
O vereador Tiãozinho do Sindicato, confiante em sua elição para presesidente da Câmara, teria viajado tranquilamente esse fim de semana para descansar. Enquanto isso, com Tiãozinho "dormindo de touca", Wesley Lucas em reuniões aqui e ali, ajeitou seu lado e já se diz presidente da Câmara. estariam querendo deixar Tiãozinho de lado? Tiãozinho abocanhou bem mais votos para Raul que alguns por aí. Mas talvez seja interessante para o governo ter um presidente que passou o mandato todo em cima do muro. E Agora Senhor Sebastião Vieira? Cadê o compromisso que Raul tinha com o senhor?....Começamos mal, muito mal....Só falta o Tibá ter mais moral com o governo do que aqueles que realmente ajudaram Raul à eleger-se.

Anônimo disse...

Sem soma de dúvidas o Tiãozinho foi o homem forte na campanha política do candidato Raulzinho. Estiveram juntos desde o início, o Tiãozinho mobilizou pessoas para a Convenção partidária onde sacramentou a aliança entre Raul e Werley. Essa concentração de pessoas chamou a atenção de todos que ali transitavam. O Tiãozinho mais uma prova de sua fidelidade com a dupla Raul e Werley fez novamente uma convocação e seus amigos o atenderam e fizeram uma grande concentração na inauguração do comitê do Raul/Werley. Os comentários começavam a pipocar na cidade, que Raul não estava para brincadeira. Essa força de mobilização política do Tiãozinho foi reconhecida pelo próprio Raul em muitas oportunidades.
Prefiro não acreditar nessa atitude covarde e inescrupulosa de costurar acordos na ausência do Tiãozinho que já deixou claro sua intenção de assumir a presidência da Câmara. Tenho certeza que o Raul não compactuaria com essa ação oportunista, e repito, covarde! se realmente aconteceu foi uma tomada de decisão unilateral de alguém irresponsável que pensou apenas em seus interesses pessoais, pois isso pode lançar a 1ª crise na base de apoio ao Raul e Werley.

Anônimo disse...

no jornal Gazeta do Triangulo
NINHO DO TUCANO?
Pelo que se percebe, a secretaria de Gabinete pode ficar nas mãos do PSDB, com possibilidade de ser ocupada por Nilton Eduardo Castilho Costa e Silva ou qualquer outro da sigla que tenha se empenhado na campanha vitoriosa.

Esse cara é um caloteiro de marca maior mas já tá andando de carrão zero KM, adivinha se já não é por conta do cargo?

Anônimo disse...

la no Facebook uma advogada da OAB criou uma campanha pra pressionar o Raul Belem pra dar a secretaria de dessenvolvimento pro empresário Odon Naves. Araguari nao toma jeito mesmo depois vira piada e nao gosta

Anônimo disse...

Po caras, Udi já tem todo o secretariado, Araguari fica essa coisa de especulação... Uma cidade bem menor como é Araguari em relação a Udi, não poderia anunciar antes dela o seu secretariado? Mesmo que seja pra acabar com este disse me disse chato que tá existindo...

Anônimo disse...

olha se as coisas continuar assim como esta indo vai ser escelente esses 4anos com raul;fui no pronto socorro nao precisei esperar nem 5minutos e ja fui atendida agora tem medicos por todo lado muito bom comesar o ano assim;so prescisa trocar aquelas enfermeiras que sao muito sem educaçao trata a gente que nem animal presizamos de pessoas la nao de animais.