sábado, 29 de setembro de 2012

Quem não gosta de Araguari?


Alguns integrantes do governo Marcos Coelho disseram que eu não gosto da cidade, que eu só falo mal de Araguari, etc. O blá-blá-blá de sempre.... Os fatos, alguns recentes e outros nem tanto, comprovam quem realmente não gosta da cidade. Dou-lhes dois exemplos. 
Primeiro, o (des)caso das mamografias. Esse governo que aí está negou às mulheres araguarinas o direito à prevenção do câncer de mama e, em alguns casos, a uma chance de cura. Enquanto esse assunto estava escondido embaixo do tapete, ninguém se sentiu chocado. Afinal, a maioria dos gestores deve ter condições de pagar pelo exame ou de "furar a fila" para realizá-lo na rede pública. Somente depois da exposição do nome da cidade em programas de TV em rede nacional, é que eles se sentiram incomodados. Aliás, ficaram mais incomodados com os efeitos da notícia do que com o sofrimento das pacientes do SUS. 
Segundo, o episódio da compra de votos, também amplamente divulgado na mídia nacional. Há indícios de que, entre os compradores, estejam, também, pessoas ligadas à coligação que apóia a reeleição do atual prefeito. Esses indícios ficaram claros não somente pelas declarações da Polícia Federal, mas também por uma espécie de defesa prévia feita por "porta-vozes" do governo. Antes mesmo do resultado das operações da PF, na quinta-feira, um jornal pertencente ao irmão de um dos advogados que defendem a coligação "ÉTICA" e um radialista alinhado ao governo afirmaram que é normal o fato de se ter, em casa, uma lista com nomes, endereços e números de título eleitoral de cidadãos. Deve ser lista de casamento, né? Só faltou a nota de 50 reais embrulhada para presente. Mais uma vez, o desconforto foi causado pelos efeitos. Não pelas causas. Vale dizer: aos amigos dos detentores do poder é permitido todo tipo de traquinagem. Só não podem ser pegos com a boca na botija. 
Com base nesses tristes episódios, é possível constatar quais pessoas que realmente envergonham os araguarinos. Araguari é uma cidade formada, em sua grande maioria, por gente honesta e trabalhadora. Não merece isso. Enquanto eu continuar sendo criticado por  esse tipo de gente, que vive parasitando governos, permanecerei com a minha consciência absolutamente tranquila. Ficaria, sim, muito preocupado se passasse a ser elogiado por pessoas de caráter duvidoso.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Polícias cumprem mandados por compra de votos em Araguari, MG



Serão cumpridos 17 mandados contra candidatos a vereadores.Operação teve início na manhã desta sexta-feira (28).


As equipes da Polícia Federal e Militar de 
Araguari, no Triângulo Mineiro, cumprem nesta sexta-feira (28), diversos mandados contra candidatos a vereador do município suspeitos de compra de votos e formação de quadrilha. De acordo com informações preliminares da polícia, eles estariam efetuando a compra de votos mediante pagamento no valor de R$ 50 aos eleitores.

Ao todo, são 15 policiais federais e 32 militares atuando no cumprimento de oito mandados de busca e apreensão, seis de prisão temporária e três mandados de condução coercitiva. Os candidatos responderão pelos artigos 299 do Código Eleitoral e 288 do Código Penal, que referem-se à compra de votos e formação de quadrilha, respectivamente.

A operação teve início às 6h30 e uma coletiva de imprensa será realizada às 10h, no Batalhão da Polícia Militar de Araguari, onde será apresentado o balanço dos trabalhos realizados.

Transcrito do Portal G1.

Clique aqui e veja a reportagem no MGTV


Pitaco do Blog

Mais uma vez, a cidade vira notícia por motivo negativo. Os araguarinos não merecem isso. Os cidadãos comuns da cidade nada têm a ver com este e outros fatos desagradáveis. A culpa é de uns poucos integrantes da nossa classe política. Aqueles que acreditam que vale tudo para alcançar o poder ou nele permanecer.

Esse tipo de fato comprova a necessidade de se intensificar a fiscalização dos gastos públicos. Isso porque não é possível acreditar que pessoas pratiquem condutas dessa espécie tão somente para, após eleitas, administrar e legislar em favor da população. Os gastos com as campanhas, que hoje inclui as despesas que fomentam esse jogo sujo, são muito superiores aos que os eleitos receberão licitamente dos cofres públicos a título de salários.

Assim, espero que esses fatos sejam rigorosamente apurados pelos órgãos policiais e judiciários. É preciso desmontar essa teia de corrupção que transcende o período eleitoral e a busca pela vitória, alcançando os atos administrativos praticados pelos eleitos. Além disso, cabe ao cidadão comum não votar em quem pratica esse tipo de ato ilegal. Afinal, um candidato sem caráter, se eleito, não poderá produzir bons frutos.

domingo, 23 de setembro de 2012

Queimado aguarda atendimento médico há um mês em Araguari, MG

Família da vítima faz mobilização no Facebook.

'O que podemos fazer estamos fazendo', diz secretária de saúde.

Caroline AleixoDo G1 Triângulo Mineiro

Homem queimado em Araguari (Foto: Arquivo Pessoal)Fabiano queimou 40% do corpo após incendiar sofá
com o cigarro (Foto: Arquivo Pessoal)
Há quase 30 dias, o montador moveleiro Fabiano Araújo, de 37 anos, sofre com a falta de atendimento médico exclusivo no Hospital Público de Araguari, no Triângulo Mineiro, segundo relatou a família dele. O homem sofreu um acidente na residência dele e teve 40% do corpo queimado. Desde então está sendo cuidado pela namorada, em casa. Na última semana, ele voltou ao hospital com muitas dores e mau cheiro por conta das feridas, mas, segundo os familiares, não foi atendido.
De acordo com informações da irmã do queimado, Múria Araújo Andriolly, no dia seguinte ao acidente Fabiano foi até o Pronto Atendimento do hospital, recebeu o curativo e depois foi liberado. Para aliviar as dores das queimaduras e amenizar a cicatrização, o médico de plantão receitou uma pomada para ser usada duas vezes ao dia. "Do Pronto Socorro eu não posso reclamar, o problema é esse descaso das autoridades responsáveis pela saúde pública na cidade", lamentou.
Ainda segundo a irmã de Fabiano, a secretaria de saúde de Araguari prometeu encaminhá-lo ao HC-UFU novamente, mas até agora não tiveram nenhum posicionamento. "Eles alegam não haver vagas e que ele não precisa ser internado, só que meu irmão precisa de um atendimento específico. Tenho medo do que possa acontecer com ele nessas situações", desabafou.O paciente continuou sentindo muitas dores e voltou ao hospital na última quarta-feira (19). Como a instituição não ofereceu estrutura suficiente para atender esse tipo de caso, encaminhou Fabiano ao Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU). No entanto, ele não foi atendido e retornou a Araguari. Desde então ele está recebendo atendimento ambulatorial. "Nós queremos um leito para ele ficar, pois a situação está muito crítica. Eles fazem o curativo no hospital com soro e gaze, daí ele volta para a casa todo encharcado. À noite fica tremendo de frio, perigoso até ter hipotermia", contou Múria.
A secretária municipal de saúde, Iolanda Coelho da Costa, informou que só ficou sabendo do caso na quarta-feira (19) e que ele não foi atendido em Uberlândia porque não houve encaminhamento no SUS Fácil, o que seria um erro do funcionário que fez o atendimento, solicitando a ambulância para Uberlândia sem colocar o paciente no sistema. "Nós procuramos o HC de novo, só que o caso dele não é de internação, nem cirúrgico e, então, é de responsabilidade do município. Eu fiz questão de visitá-lo no mesmo dia que fiquei sabendo, inclusive fiz o curativo nele e fui acompanhando-o de perto", disse.
O caso dele se trata de uma queimadura então é claro que as dores são inevitáveis, mas estamos dando todo o apoio."
Iolanda Coelho da Costa, secretária de saúde
Iolanda ainda assegurou que toda assistência médica necessária está sendo oferecida ao paciente. "O que podemos fazer estamos fazendo. O caso dele se trata de uma queimadura então é claro que as dores são inevitáveis, mas estamos dando todo o apoio, fazendo a limpeza do ferimento e curativos todos os dias", garantiu a secretária.
A assessoria do HC-UFU também foi procurada para falar sobre a situação do paciente e ficou de dar um retorno na segunda-feira (3).
Acidente
O araguarino Fabiano Araújo morava sozinho e toma medicamentos para dormir. No dia 28 de agosto, ele estava fumando no sofá da residência dele quando, sob efeito do remédio que costuma tomar, ele dormiu. O cigarro aceso caiu e incendiou o local no qual estava deitado. Por sorte, a namorada dele, Suelena Schultz, chegou a tempo e conseguiu apagar o fogo. "Cheguei na sala e ele estava em chamas, joguei um pano e deitei sobre ele imediatamente, para conter o fogo", contou a mulher.

No acidente, a vítima queimou 40% do corpo sendo que os locais mais atingidos foram as costas, barriga e o braço esquerdo. Suelena levou o namorado para a casa dela e abriu mão do trabalho para cuidar dele. "Eu nem durmo direito, muito menos ele. Faço o que posso, os enfermeiros me ensinaram a fazer o curativo e também passo a pomada todos os dias. No entanto, eu não sou profissional e acho que ele deveria estar recebendo atendimento em um hospital", desabafou Suelena.
Mobilização
Para amenizar as dores, a vítima das queimaduras consume cerca de oito tubos, por dia, de uma pomada chamada Sufadiazima de Prata. Na composição genérica, cada tubo do medicamento custa em torno de R$ 12 e como não foi possível conseguir o medicamento pela Prefeitura e também não houve atendimento médico contínuo, a família de Fabiano começou, nesta semana, uma corrente no site de relacionamentos Facebook demonstrando o descaso para a situação do paciente. Além de postarem fotos dos ferimentos de Fabiano, familiares e amigos pedem ajuda aos internautas para arrecadarem o dinheiro para comprar a pomada.
Múria disse à reportagem do G1 que um secretário de saúde do município pediu para que algumas mensagens fossem retiradas da rede social e que o atendimento seria garantido, só que até agora nada foi feito. Iolanda Coelho da Costa disse que não teve conhecimento sobre o pedido e que a família tem todo o direito de se manifestar.

Os familiares continuam pedindo o apelo da população e convidam os interessados a visitarem o paciente e fazer as doações da pomada. O contato pode ser feito pelos telefones (34) 8819-3152 ou (34) 9156-2611.
Transcrito do Portal G1 (clique aqui para ler)

sábado, 22 de setembro de 2012

Repolítica

Quero indicar aos amigos um site interessantíssimo em períodos eleitorais. Trata-se do www.repolitica.com.br. Nele, o eleitor conhecerá o perfil dos candidatos a prefeito e a vereador. Além disso, poderá opinar sobre as qualidades dos candidatos. Há, ainda, a possibilidade de adicionar links de notícias acerca de cada um deles.
Passem por lá e deixem suas opiniões. Bem alimentado, esse site será uma importante ferramenta para o voto consciente.

Salários, Mentiras e Cara de Pau.


Wellington Colenghi*

    Em entrevista à Rádio Vitoriosa, no programa "Manhã Vitoriosa", o vereador Luiz "Porcão" falou sobre o possível aumento de subsídios de prefeito, vice, secretários municipais de governo e vereadores. A justificativa do nobre edil - que, aliás, sempre foi aliado do atual prefeito - é que o aumento seria necessário, pois, sem ele, seria impossível melhorar as condições salariais dos médicos servidores do município e dessa forma, com o que se paga atualmente, não haveria interesse da classe em prestar serviços ao município.
    Um ouvinte fez uma colocação que achei interessante e sem dúvida salutar. Perguntou se o vereador acha justo aumentar os subsídios, enquanto o funcionalismo está há seis anos sem aumento. O vereador concordou que realmente os servidores do município estão com salários defasados e que mereceriam ganhar melhor. Entretanto, segundo o legislador, a iniciativa de revisão de planos de cargos e salários não cabe ao Legislativo e deveria partir do Executivo. BINGO!
    Ora, então no meu ponto de vista, a justificativa de aumento dos subsídios dos cargos políticos caiu por terra. Mesmo se aumentarem estes vencimentos, não será possível beneficiar apenas a classe médica, seria ilegal. Seria necessário para isso, realizar a revisão de plano de cargos e salários de todas as categorias e não apenas dos médicos.
    Partindo desse raciocínio, é fácil perceber mais uma artimanha daqueles que acham que irão se eternizar no poder, como os atuais secretários que já defendem o aumento. Sabemos que Marcos Coelho não realizou a revisão de plano de cargos e salários e que servidor nunca foi prioridade em seu governo. A justificativa de que estão articulando é apenas uma manobra para rechearem mais ainda seus bolsos, pois ninguém, além deles próprios, serão beneficiados. O próprio vereador atribuiu a falta de revisão do plano de cargos e salários ao chefe do Executivo. E se dependermos do atual prefeito para termos melhorias e conquistas, morreremos de fome.
    Mais uma vez, tentam enganar o povo com argumentos pífios. O hilário foi ele tentar convencer o ouvinte de que o prefeito não sabe que o atual projeto tramita no Legislativo Municipal. Obviamente uma medida tão impopular traria rejeição à candidatos, tanto do Legislativo, quanto do Executivo. Talvez por isso, “Porcão”, que não é candidato, tenha ido aos microfones. Se o prefeito não sabe dos projetos, isso eu não duvido. Nosso alcaide já demonstrou desconhecer muita coisa, mas que a maioria do secretariado já sabe isso é fato. Alguns até já defendem o aumento em redes sociais.

    Enquanto isso, o resto do funcionalismo municipal continua esquecido.
  * Funcionário público municipal.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Ex-prefeito é condenado pela Justiça de Araguari

Marcos Alvim está condenado em Primeira Instância

    A Justiça Penal de Araguari julgou um processo criminal que foi aberto no ano de 2008 e que teve sua conclusão neste ano. Trata-se de uma ação iniciada pelo Ministério Público de Araguari, em 2008, envolvendo uma licitação para a construção do Centro de Cultura Afro-Brasileiro na cidade de Araguari.
    O Ministério Público entendeu que a verba federal destinada à obra foi empregada em desacordo com a lei de Licitações. A punição foi decretada pelo fato do governante do Município ter aumentado o valor da obra em mais R$ 22.702,00 (vinte e dois mil, setecentos e dois reais) sem qualquer autorização legal.
    A condenação total foi de três anos de detenção, mas também inclui o pagamento de trinta dias multa. A pena foi substituída pela prestação de serviços à comunidade, à razão de uma hora por dia, mais o pagamento de três (3) salários mínimos em favor de uma entidade social.
    O ex-prefeito tem o direito de recorrer ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o que já foi feito pela defesa dele.
O DIÁRIO abre espaço para manifestação do ex-prefeito, se desejar.
Transcrito do jornal Diário de Araguari, 21/09/2012.


Pitaco do Blog

Esse processo judicial é uma decorrência da auditoria realizada pela União nos gastos com recursos federais, no caso, vindos do Ministério da Cultura.
Referida auditoria constatou outras possíveis irregularidades. Entre elas, a mais conhecida é a das falhas na construção do Hospital Municipal.
Em decorrência dessa fiscalização federal, o ex-prefeito vem respondendo a processos judiciais e administrativos, visando, especialmente, a reparação de supostos prejuízos causados aos cofres públicos.

Nepotismo


Abra o olho, eleitor!

Em períodos eleitorais, os cuidados do cidadão devem ser redobrados. Os candidatos mentem descaradamente, tentando ganhar o nosso voto. 
No passado, algumas mentiras ditas em período eleitoral ficaram famosas em Araguari. Lembro-me de que na década de 80, os jornais propagavam a notícia de que o governo do Estado construiria um prédio de doze andares na Av. Tiradentes, onde funcionaria a antiga Minas Caixa. Passaram as eleições. A Minas Caixa construiu uma pequena edificação com apenas um pavimento, onde a instituição funcionou até ser privatizada.
Onde eu quero chegar com essa história sem graça? Simples assim. Avancemos no tempo até os dias atuais. A imprensa da cidade, repercutindo informações vindas da Prefeitura, informou que uma montadora italiana e uma empresa de call center estariam de malas prontas para se instalarem na cidade, gerando centenas de empregos para os araguarinos.
Curiosamente, essas informações começaram a ser veiculadas pelo Correio de Araguari, um jornal umbilicalmente ligado ao governo Marcos Coelho. Pesquisando-se no Google, encontramos pouquíssimas informações sobre a vinda dessas empresas. Em regra, as raras notícias são justamente aquelas publicadas no periódico "oficial" da Prefeitura.
Como os integrantes do governo, que iniciaram a divulgação dessas notícias, estão se mostrando mentirosos contumazes durante o processo eleitoral, convém que desconfiemos dessas informações. Os nossos políticos especializaram-se em ludibriar cidadãos de boa-fé. Não esperemos verdades, sobretudo em períodos eleitorais. Para a vinda dessas empresas ser apenas mais um "estelionato eleitoral", não custa nada. Vamos aguardar.
Clique aqui e aqui e leia notícias sobre a possível vinda de empresas para a cidade.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Gabinete é alvo de críticas e secretária presta esclarecimentos junto à imprensa


A secretária de Gabinete, Livya D’Angela Povoa de Lima, concedeu entrevista à repórter Sávia de Lima, do jornal Gazeta do Triângulo, rebatendo críticas feitas ao trabalho daquela Pasta. Clique aqui para ler na íntegra. Pelo menos dois pontos da fala da secretária merecem ser abordados aqui.

Primeiro, acerca dos gastos de 1 milhão de reais com publicidade e propaganda, a secretária afirmou que "os meios de comunicação são responsáveis pela sua pauta e eu como secretária de Gabinete não controlo e nem interfiro, maior prova disso são os programas de algumas emissoras que insistem em faltar com a verdade. Em relação aos gastos do município com a imprensa, o que tenho a dizer é que estes recursos atendem as prioridades do governo e a comunicação dos atos de cada secretaria que, de certa forma, contribuem para a interação e participação dos munícipes com a administração. E tais recursos são investidos conforme a necessidade do governo por uma empresa contratada de acordo com a Lei de Licitações e que obedece todos os ditames da legislação vigente”.

Em seguida, ao responder as críticas sobre o fato de ser parente do prefeito, a secretária objetou: “Sou graduada em Administração com ênfase em Finanças e Marketing pela Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação (ESAMC). Além de ser araguarina, o meu currículo profissional prova que não sou secretária por qualquer outro motivo que não a competência e o perfil para ocupar o cargo. Sobre o nepotismo, o próprio Supremo Tribunal Federal se manifestou que a indicação de profissionais com algum grau de parentesco para cargos de natureza política, como é o caso dos secretários, não caracteriza nepotismo. Este entendimento não é meu, é do STF, então, se há alguém que afirma o contrário, está, no mínimo, desinformado".

Vamos analisar essas falas, começando pela primeira.

Os gastos com publicidade e propaganda do governo Marcos Coelho são exagerados. Demonstram que a gestão atual escolheu mal as suas prioridades. Afinal, não soa bem gastar muito com propaganda quando, por exemplo, a saúde pública vai mal. Já falamos algumas vezes disso aqui. 

Além disso, as despesas não se resumem a gastos com veiculação de peças publicitárias em emissoras de rádio e TV ou em jornais. Também foram feitos gastos com a confecção de um jornal, de legalidade duvidosa, enaltecendo, sobretudo, a imagem do prefeito. Além disso, foram gastos mais de 200 mil reais em um estranho convênio firmado com a Rede Integração (em troca de gastos com publicidade, a emissora instalaria uma antena de TV digital na cidade).

Também, não me parece condizente com a verdade bradar que os gastos são feitos dentro da lei. Primeiro, porque falta transparência na divulgação deles. Sem a devida publicidade, nenhum cidadão pode saber se as despesas são realmente legais. Além disso, o município descumpre, descaradamente, a Lei federal nº 12.232/2010, que exige sejam publicados, detalhadamente, os gastos com publicidade e propaganda oficiais, discriminando os valores destinados às agências de publicidade e aos veículos de comunicação social (nomes das rádios, jornais, etc.). O povo tem o direito de saber, por exemplo, se a emissora de rádio "V" recebe mais dinheiro do que a emissora "P". Isso nunca foi feito.

Quanto ao segundo tema (nepotismo), à lei (Constituição Federal) não interessa saber se o parente do prefeito é competente ou pós-graduado. Isso não importa quando a questão é objetiva: não se pode contratar parentes até o terceiro grau do prefeito.

O argumento de que parentes podem ser contratados para cargos políticos é válido apenas em parte. O Supremo Tribunal Federal realmente admite a contratação de parentes do prefeito para o cargo de secretário municipal. Entretanto, é preciso saber se a contratação de três parentes, ao mesmo tempo, para o secretariado não afronta aos princípios da moralidade, da impessoalidade e da razoabilidade (além da Lyvia, Marcão contratou o seu cunhado Sílvio Póvoa e a nora Thereza Christina Griep; antes, teve o seu sobrinho Rodrigo Póvoa como secretário-adjunto de Saúde). É isso que deve ser questionado, inclusive perante o Poder Judiciário. Para tanto, basta o Ministério Público ou algum cidadão denunciar o fato.

Resumindo: os parentes do prefeito são muito bons na hora de defender o patrão e parente. Entretanto, na prática, a atuação deles apenas reflete alguns vícios da gestão Marcos Coelho. É comum ver que alguns deles, em vez de efetivamente prestar serviços públicos, passam boa parte do tempo  fazendo campanha eleitoral pela reeleição (pela manutenção do emprego, pode-se dizer). Outros se envolveram em situações embaraçosas, como o rumoroso "caso dos eucaliptos". É por esses motivos que os assuntos públicos não podem ser tratados em reunião de família. Os interesses sociais quase nunca se confundem com os interesses familiares, alguns inconfessáveis.

Se você, caro(a) leitor(a), quiser maiores informações sobre alguns aspectos abordados neste post, acesse os links abaixo (existem outros):



sexta-feira, 14 de setembro de 2012

"Caso Vale": cadê o Ministério Público?

Sede do Ministério Público em Araguari.

De acordo com o jornal O Tempo, o prefeito Marcos Coelho  teria favorecido ilicitamente alguns familiares. Extraio dessa reportagem (clique aqui para ler) um trecho interessante. Ele diz assim:
"O Ministério Público em Araguari informou que acompanha o caso, mas que espera uma representação, ainda que anônima, para iniciar investigação."
Ora, o Ministério Público já acompanha o caso? Como? Foi instaurado algum procedimento de investigação preliminar? 
Afirma-se que o MP aguarda uma representação (uma denúncia feita por cidadão ou entidade). Ora, o MP, agora, precisa esperar a manifestação do cidadão? A função mais nobre da instituição é a de fiscal da lei. O MP pode requisitar documentos e ouvir pessoas de ofício (por conta própria). Não precisa aguardar que denúncias cheguem até o órgão. A própria reportagem do jornal pode servir para iniciar um processo investigatório.
Há algo estranho nessa informação. É preciso que o Ministério Público, em homenagem à transparência dos atos públicos, informe à sociedade o que efetivamente está sendo feito para investigar essas irregularidades supostamente praticadas pelo prefeito Marcos Coelho.

O jabuti e a campanha eleitoral


O que mais me impressiona é o fato de alguns funcionários públicos trabalharem mais na campanha eleitoral do que no serviço público propriamente dito. Não é pra isso que pagamos os salários deles. Tá na hora de repensar Araguari. É preciso uma reforma administrativa drástica. Necessário reduzir, e muito, o número de cargos comissionados, alguns verdadeiramente inúteis. 

Duvido que algum candidato, depois de eleito, tenha peito para enfrentar essa questão. Ungido pelas urnas, qualquer um deles terá que pagar tanta dívida com os apoiadores de campanha que não sobrará tempo de governar para o povo. Como sempre, haverá muitos jabutis em cima das árvores do Palácio dos Ferroviários.

Oportunismo?!


Gostaria de saber por que essas denúncias de falcatruas do Marcão e de sua turma (ainda não estou chamando de quadrilha) só são feitas no período eleitoral? Onde estavam os vigilantes oposicionistas durante o mandato? Todas essas malandragens foram praticadas nos últimos três anos e nove meses. Algumas delas contaram com a aprovação da Câmara. Portanto, eram de conhecimento dos senhores vereadores (dois deles são, inclusive, candidatos a prefeito). Por que não denunciaram na época? Agora, têm interesse em que o político supostamente corrupto não seja reeleito. Por que, então, não tentaram afastá-lo, legalmente, do poder à época? Oportunismo?! E o interesse público?

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Prefeito Marcos Coelho teria favorecido filhos

Reportagem do jornal "O Tempo" (clique aqui para ler) traz a seguinte notícia desagradável para os araguarinos:
Alegação. Marcos Coelho, que tenta a reeleição,
afirmou que pensa apenas no "progresso da cidade"

 

O prefeito de Araguari, no Triângulo Mineiro, Marcos Coelho (PMDB), é suspeito de alterar o projeto de asfaltamento da cidade, o Plano Comunitário, para beneficiar um empreendimento localizado no bairro Novo Horizonte e que pertence aos filhos do administrador. O peemedebista é candidato à reeleição.

Coelho levou o asfalto para as proximidades do estacionamento, que gera lucro mensal de R$ 360 mil. O Ministério Público em Araguari informou que acompanha o caso, mas que espera uma representação, ainda que anônima, para iniciar investigação.

A mudança no Plano Comunitário só foi possível depois de uma série de manobras. O local, que era considerado área rural, teve o seu perímetro transformado em área urbana para receber as verbas para a pavimentação e o asfaltamento de dois quilômetros.

A segunda mudança que permitiu a obra foi a alteração do projeto de acesso de caminhões de carga à subsidiária da Vale, recém-instalada na cidade. O projeto inicial, de autoria da própria mineradora, previa o investimento de R$ 3 milhões no trajeto. A proposta era de construção de
uma rodovia entre a BR-050 e a subsidiária.

Com a mudança do caminho determinada pela prefeitura, os caminhões, até chegar à Vale, têm que passar por dentro do bairro e, consequentemente, pelo estacionamento da família do prefeito antes de serem descarregados. Os moradores do bairro reclamam de ter que conviver com o tráfego diário de 600 carretas.

Procurado pela reportagem, Marcos Coelho não negou que o estacionamento pertença à família e desligou o telefone no meio da entrevista, sem responder quanto foi gasto na obra. "Só penso no progresso da cidade", afirmou.

Frustração. A chegada do asfalto tão esperada pelos moradores do Novo Horizonte se transformou em um pesadelo. Há nove meses, eles têm que conviver com o trafego diário das carretas carregadas de minério. O comerciante José Eustáquio de Araújo lembra que um atropelamento terminou com a morte de uma jovem de 32 anos. "Presenciei essa tragédia, e o que vemos é que outra pode acontecer a qualquer momento", disse.

A Polícia Militar informou que o bairro não tem estrutura para abrigar esse trânsito. "No último ano, o número de ocorrências, como atropelamentos e roubos, cresceu 55%. Os congestionamentos são comuns. A solução seria o cumprimento do projeto inicial de uma rodovia passando diretamente da BR-050 para a Vale", disse um militar, que pediu anonimato.

Em agosto, a Vale, em uma audiência com o promotor André Luis Alves de Melo, se comprometeu a melhorar as condições da via. A empresa informou que está investindo em sinalização.


Pitaco do Blog

A construção do terminal da Vale em Araguari trouxe inegáveis benefícios à cidade. Isso não se discute.
Entretanto, os negócios envolvendo a instalação do terminal sempre foram cercados de dúvidas. A começar pelo fato de o imóvel ter sido comprado pela Vale junto ao irmão do prefeito Marcos Coelho. De plano, esse tipo de operação suscitou diversos questionamentos: i) o prefeito sabia dessa transação e de alguma forma dela participou? ii) houve mudança de destinação da área passando-a de rural para urbana?; iii) esse negócio causou valorização ao restante do imóvel pertencente ao irmão do prefeito?
A essas dúvidas iniciais soma-se, agora, o noticiado pelo jornal O Tempo. As peças vão se encaixando no quebra-cabeças. O prefeito Marcos Coelho, cuja honestidade é tão divulgada pelos seus correligionários, tem muito o que explicar à população araguarina. 

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Eleição ganha? De lavada?


Cássio Genaro

A inteligência do eleitor é posta à prova todos os dias durante a eleição, é fato. Como fui considerado um pseudo-intelectual, um derrotista e “coisa e tal” por parte de um cabo eleitoral de um determinado candidato, resolvi acompanhar de perto como anda a disputa eleitoral em Araguari, através dos dispositivos ao alcance de todo o eleitorado. Talvez, pelos atributos citados acima, ao ouvir hoje, no rádio, os programas dos candidatos, me senti ora convencido, ora subestimado. A percepção individual de certas coisas “é fogo”.

De um lado, quem busca a reeleição aborda e responde alguns dos questionamentos feitos anteriormente, no decorrer da campanha, pelo seu adversário. Do outro lado, em especial, hoje, um deboche de extremo mau-gosto ao atual governo e ao eleitorado de forma geral, com um programa vazio, sem conteúdo. Uma perda de tempo pro eleitor que não se vende, mas busca conhecer melhor cada candidato para fazer
a sua escolha.

Não posso defender um governo que poderia ter feito muito mais pela cidade, assim como todos os outros que o antecederam. Seja na saúde, infraestrutura, habitação etc. Algumas críticas que ocorrem durante o processo eleitoral são válidas e tenho, mesmo que na minha pseudo-intelectualidade (e questionados sensos de coletividade e inteligência), que concordar e apoiar. A cidade precisa melhorar, sempre!

De outro lado, não posso confiar em um candidato, cujo “time” já fez história na cidade. E não muito boa, por sinal (percepção e opinião particular). A gestão que antecedeu o atual governo, que em partes apoia a “mudança”, cometeu erros que comprometeram muitos setores da cidade. O “assunto da eleição”, que é a saúde, é um exemplo disso. Foi construído um hospital que não funcionou, e pelo visto não funcionará. Estão usando de propostas mirabolantes e impraticáveis para tentar convencer o eleitor. A minha dúvida, como eleitor é: se eleitos, como ( $ - financeiramente ) farão isso tudo? Se fosse uma coisa que bastasse “boa vontade” já não teria sido feito? Mas “não entendo”, sou “derrotista” e “burro”.

Ataques pessoais entre candidatos, verdades – e inverdades – fazem parte do jogo político, da busca pelo voto, isso é sabido por todos, há tempos. O que me incomoda – como eleitor – é o descaso e a capacidade de subestimar a inteligência do eleitorado, com mentiras, “historinhas” e o canto de “eleição ganha”.

Nessa disputa para prefeito, me sobraram dois candidatos.
Longe de promover uma discussão, aqui, exponho apenas a minha opinião (até porque, geralmente quem é contrário à opinião alheia não a respeita): essa “mudança” não me convence.


Texto postado originalmente pelo autor no Facebook.


Eleitorado consciente mudaria tudo

Caminhamos para mais um ritual da embromação dita democrática --- as eleições municipais --- sem que surja no horizonte qualquer movimento de conscientização dos eleitores.

Nem a propaganda bancada pelos contribuintes, como as próprias campanhas eleitorais, a cargo da justiça eleitoral, toca na parte mais importante do processo: a de que os eleitos serão funcionários públicos.

Quem vence uma eleição ocupa lugar semelhante a alguém que consegue um cargo de confiança numa empresa. E teria de prestar contas aos eleitores e a todos os contribuintes, os donos do dinheiro.

As propagandas feitas pela justiça eleitoral que já ouvi e vi até agora não tocam nesse ponto. Falam de voto consciente, da importância da democracia e até da ficha limpa.

A grande massa do eleitorado --- o voto é uma obrigação, é sempre bom lembrar --- desconhece o funcionamento dos esquemas de lobby que influenciarão os eleitos.

Os grupos de pressão começam a atuar já no financiamento das campanhas eleitorais. São esses grupos os verdadeiros “donos” dos mandatos dos ocupantes de cargos públicos eletivos.

Quanto menos pessoas souberem como a dita representação popular funciona, mais as elites comandarão o funcionamento das chamadas máquinas públicas.

Em síntese, é o dinheiro de todos beneficiando os grupos pequenos e privilegiados de sempre.

Nem a justiça eleitoral tem interesse em contribuir para esclarecer o cidadão. Até porque ela própria faz parte da turma do andar de cima.

É lamentável que isso aconteça, leitor. Até onde a vista alcança, a embromação continuará. E o que assistimos nada mais é do que a obrigatoriedade de o eleitor legitimar uma democracia de fachada.

Embora as eleições sejam municipais --- votações de dois em dois anos só interessam aos próprios políticos e seus apaniguados --- cito aqui exemplos de lobby em Brasília.

Grandes empresas e corporações mantêm mansões às margens do Lago Paranoá, área nobre de Brasília, para receber parlamentares e autoridades. São contatos em que os lobistas fazem valer os interesses de suas turmas.

O eleitor comum, terminada a votação, vai cuidar da vida. E ainda ouve observações absurdas, como a de que se errar nas urnas, só terá oportunidade de corrigir isso nas próximas eleições.

É como se um empresário só pudesse contratar funcionários de tempos em tempos e não tivesse nenhum mecanismo de “enquadrar” quem para ele trabalha durante o período.

Então, forma-se o círculo vicioso. Ao eleitor sem informação e formação está reservada apenas a condição de enganado. Sempre.

Transcrito do Blog do Valdeci Rodrigues



PELA DIALÉTICA


 Antônio Carlos Soares Ribeiro*

Agora as profissões de  ENGRAXATE,  ENGENHEIRO e deEMPRESÁRIO, dignas, como todas as outras, de nosso respeito, encontram-se à luz dos  holofotes.  
Certo é que, a primeira atividade, para o seu LUSTRO e de SEUS CULTORES, há de se dominar as técnicas do ENGRAXAR BEM, de tal forma que os PASSOS e seus NEGÓCIOS ANDEM A CONTENTO.
Pela segunda, o profissional tem a oportunidade de dominar as técnicas da engenharia, aprender o uso correto da LÍNGUA PÁTRIA e estudar o seu CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL, cujo DESRESPEITO, como o assinar projetos de engenharia com fins censuráveis, principalmente político, rende-lhe o TROFÉU  “O CANETINHA”.
A derradeira, a de empresário, tem, ACIMA DE TUDO, como princípio basilar, O TOMAR  DECISÕES, SOBRETUDO, VISANDO LUCRO.
Assim, SEM SABEDORIA, com as técnicas do ENGRAXATE, sem conhecimento da LÍNGUA PÁTRIA, FALTOSO COM O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL E, SOBRETUDO, CALCADO NOS OBJETIVOS DE UM EMPRESÁRIO, chegar a gestor público  é, subjetivamente, conviver com o embate entre o capital lucrativo e o que se destina a financiar o humanismo.

Por tudo, é dar lugar à ESQUIZOFRENIA, o indivíduo perde o  contato com a realidade, principalmente, na interlocução,  fica com um olhar perdido, fecha em si mesmo e torna-se indiferente a  tudo ao que realmente passa ao seu redor,  apático, sem qualquer calor humano.

Afinal, COINCIDÊNCIAS A PARTE, O QUE LEVA UM INDIVÍDUO, COM ESTE PERFIL,  TORNAR-SE UM GESTOR PÚBLICO? Enfim, a  QUALIFICAR-SE COMO UM ADMINISTRADOR DIFERENCIADO? Em homenagem à Dialética, valho-me de William Sheakespeare, em Hamlet:
"Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia.”

*Engenheiro e Advogado

domingo, 9 de setembro de 2012

Carrinho de compras: Presidência gasta R$ 30 mil com Tv por assinatura

Dyelle Menezes
Do Contas Abertas
O carrinho de compras desta semana inicia-se com a Secretaria de Administração da Presidência da República. A Pasta reservou R$ 30 mil para a contratação de empresa especializada na instalação e prestação de serviço continuado de TV por assinatura com recepção via satélite. A empresa contratada foi a SKY Brasil Serviços Ltda e os serviços devem ser prestados nas dependências do complexo da Presidência da República.
A Presidência reservou, ainda, R$ 17,1 mil para a compra de 520 kg de adubo químico, 37 toneladas de adubo animal (húmus de minhoca a granel) e 200 litros de fertilizante natural. A Pasta desembolsou outros R$ 500 mil para locação de veículos leves e pesados, com e sem motorista, para as regiões Sul e Sudeste. 
A Câmara dos Deputados, por sua vez, reservou R$ 6 mil para o fornecimento de duas unidades de aquecedor elétrico de acumulação vertical com capacidade de 200 litros. O pedido foi realizado pela Coordenação de Habitação da Casa.
A Casa também empenhou R$ 20,9 mil para o fornecimento de 15 cronômetros regressivos de parede, devendo  desembolsar, ainda, R$ 7,6 mil coma compra de 40 pastas para o curso de mestrado em Poder Legislativo.
O Senado Federal não ficou atrás e empenhou R$ 21 mil para adquirir 20 camas do tipo Box. Metade da compra teve preço unitário de R$ 1,1 mil e a outra metade de R$ 949,90. A diferença das camas está nas medidas (largura e comprimento).
A Secretaria do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reservou R$ 4,2 mil para a compra de uma cafeteria elétrica. A máquina, que produz café expresso, possui moedores de cerâmica, dosador de café ajustável multidimensional, personalização de, no mínimo, seis tipos de bebidas, interface personalizada com um toque, conjunto de preparo do café, seletor de nível de leite e espuma, aplicação integrada automática de leite, recipiente removível e circuito de enxágue automático do café e do leite, com remoção de impurezas.
O Tribunal Superior do Trabalho (TST) vai desembolsar R$ 148,5 mil com mobiliário. O valor inclui a compra de três mesas de trabalho e atendimento (R$ 31,8 mil), seis gaveteiros volantes (R$ 7,8 mil), três mesas de reunião (R$ 35,6 mil), três estantes para livros sem portas (R$ 30,3 mil), seis estantes para livros com portas (R$ 34,7 mil) e três mesas de apoio para computador (R$ 8,2 mil).
Já o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) gastou R$ 2 mil para compra de 120 carteiras de couro vermelhas para juízes. A Corte reservou ainda R$ 3,6 mil para adquirir mil toalhas de rosto. As peças são na cor branca e devem ser entregues em 30 dias.
O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República fecha o carrinho de compras desta semana com a aquisição de três fragmentadores de papel, que custaram R$ 3,1 mil cada.
Confira aqui as notas de empenho
*Vale ressaltar que, a princípio, não existe nenhuma ilegalidade nem irregularidade neste tipo de gasto feito pela União e que o eventual cancelamento de tais empenhos certamente não ajudaria, por exemplo, na manutenção do superávit do governo ou em uma redução significativa de despesas. A intenção de publicar essas aquisições é popularizar a discussão em torno dos gastos públicos junto ao cidadão comum, no intuito de aumentar a transparência e o controle social, além de mostrar que a Administração Pública também possui, além de contas complexas, despesas curiosas.

Transcrito do Portal Contas Abertas.

Pitaco do Blog
A população tem o direito de saber como são gastos os recursos públicos. Nesse ponto, o Portal da Transparência da União é um exemplo. Mas, nem todos os entes federativos são transparentes. Araguari, por exemplo, está descumprindo a legislação que cuida do assunto.
Espera-se que, um dia, os governantes de Araguari se sensibilizem a ponto de disponibilizar os gastos do município no Portal da Transparência. Venho solicitando isso há tempos. Sem êxito, denunciei o fato ao Tribunal de Contas do Estado. Em breve, esses governantes avessos à transparência poderão ser obrigados a divulgar dados que deveriam ser públicos.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Médico é denunciado por receber R$ 600 mil sem trabalhar no RS


Caso aconteceu no Hospital Universitário da cidade de Santa Maria.
Outros três médicos foram indiciados por não denunciarem o caso.


Quatro médicos da cidade de Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul, foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) por estelionato, falsidade ideológica e condescendência criminosa. Um deles foi denunciado por receber R$ 600 mil em um período de 3 anos sem trabalhar. Os outros três eram seus chefes, como mostra a reportagem do Bom Dia Rio Grande, da RBS TV (veja o vídeo).

O caso aconteceu no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) e chegou ao MPF através de denúncia anônima. De acordo com a investigação, entre janeiro de 2007 e maio de 2010 o médico teria recebido R$ 600 mil como plantonista da UTI adulta do hospital.

Os outros dois indiciados ocuparam o cargo de chefe da UTI e foram denunciados por estelionato e falsidade ideológica. A acusação que recai sobre o diretor clínico do mesmo hospital é de condescendência criminosa, pois teria deixado de responsabilizar os funcionários que teriam cometido a fraude.

"Todo mês, apesar do seu não comparecimento no mês anterior, ele constava nas escalas de plantão do mês seguinte. Os outros réus assinavam e encaminhavam essa lista de plantão e deveriam ter tomado providências", disse Harold Hoppe, procurador da república.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, o médico chegou a pedir o afastamento do cargo por duas vezes alegando que teria que fazer um curso fora de Santa Maria, mas teve o pedido negado devido à falta de profissionais.

O advogado do médico disse que seu cliente tinha autorização para se ausentar. Os advogados dos chefes da UTI alegaram que ambos não tinham a função de fiscalizar o trabalho do médico. O representante do diretor clínico não quis se manifestar.

Transcrito do Portal G1

Clique aqui e veja a reportagem.



Pitaco do Blog

Infelizmente, esse tipo de prática não é tão incomum no Brasil. Reportagens noticiando essas irregularidades em unidades públicas de saúde vêm se tornando frequentes. No meu dia-a-dia, no Tribunal de Contas do DF, venho constatando a repetição de problemas semelhantes no serviço público em Brasília.

É preciso que a população esteja atenta. Necessário que denuncie a falta de médicos ou a demora no atendimento em unidades de saúde. Essas deficiências na prestação de serviço podem ser ocasionadas justamente por irregularidades no cumprimento das jornadas de trabalho por parte de alguns profissionais de saúde.

Como fiscalizar? Em Araguari, por exemplo, temos profissionais de saúde que acumulam cargos nas unidades de saúde do município e em outros órgãos públicos (INSS, Universidade Federal de Uberlândia, Presídio, etc.). Além disso, alguns podem atuar em clínicas e hospitais particulares. Logo, é possível verificar se alguns desses profissionais estão atendendo em seus consultórios no horário em que deveriam estar trabalhando em um posto de saúde, por exemplo.

Precisamos dar um basta nessa situação. Não podemos deixar o problema se alastrar. Inexplicavelmente, o serviço público de saúde está se deteriorando rapidamente, na mesma proporção em que o setor privado e alguns médicos (na verdade, empresários) se enriquecem. É claro que todos têm o direito de "ganhar dinheiro". Entretanto, essa busca não pode ser feita contrariando as leis e penalizando a população mais carente, que necessita do Sistema Único de Saúde.



Promotores de SP receberão 5 anos de vale-alimentação retroativo; servidor tenta barrar pagamento


Guilherme Balza

Do UOL, em São Paulo


  • O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Elias Rosa
    O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Elias Rosa
Os promotores e procuradores de Justiça de São Paulo irão receber o pagamento de vale-alimentação retroativo aos últimos cinco anos, por determinação do procurador-geral Márcio Elias Rosa. O montante pode chegar a cerca de R$ 55 mil para cada um dos 1.855 membros do Ministério Público do Estado.
O pagamento do benefício foi determinado em dois atos normativos redigidos por Elias Rosa e publicados no Diário Oficial do Estado em 11 de agosto, após aprovação do órgão especial da Procuradoria Geral do Estado.
Nos textos, além de determinar a indenização retroativa, o procurador-geral institui o pagamento de R$ 710 mensais para todos os promotores e procuradores a partir de agosto deste ano --valor que já receberam no mês passado. O montante irá se somar aos salários dos profissionais, cujas remunerações iniciais variam de R$ 17,6 mil a R$ 23,6 mil.
(...)
A instituição do pagamento retroativo revoltou o oficial de promotoria Edson Bezerra Matos, 34, que, no último dia 22, entrou com uma representação no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para barrar o benefício. 
“Isso fere o interesse da coletividade, do Estado, da Constituição e lesa a sociedade. Entrei com a representação em defesa do próprio Ministério Público”, afirmou Matos à reportagem doUOL.
A representação, com pedido de liminar, reivindica a suspensão do pagamento retroativo até que o conselho julgue o assunto. Segundo Matos, os atos do procurador-geral são ilegais, na medida em que, segundo ele, a Lei Orgânica do MP, citada nos textos, exige que o benefício só seja concedido após criação de uma lei específica, aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado e sancionada pelo governador.
O servidor afirma ainda que o MP não tem como estabelecer o quanto cada membro irá receber de vale alimentação retroativo, já que, de acordo com Matos, não há qualquer controle de frequência dos dias trabalhados por cada profissional. “No MP não existe controle de frequência. Os promotores não vão todos os dias. Isso é notório. Já havia notificado o CNMP a respeito”, disse.

Clique aqui e leia o restante da reportagem no site do UOL.
Pitaco do Blog
Não pensem que somente os políticos são espertinhos. Temos malandragens também no Judiciário e no Ministério Público. Para quem não sabe, até pouco tempo essas instituições tinham o poder de aumentar os próprios salários sem a necessidade de leis. No final do século passado, por exemplo, o Supremo Tribunal Federal concedeu um abono salarial aos magistrados. Detalhe: o abono tinha efeitos retroativos e não sofria a incidência de imposto de renda. Realmente, existem alguns seres humanos mais iguais que os outros.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Criança ainda aguarda cirugia de urgência



Pitaco do blog
É muito triste ver a população desamparada desse jeito. Os casos de deficiência no atendimento de saúde pública acumulam-se. Desculpas e mais desculpas. Nada de solução.
Sabe-se que a má qualidade da saúde pública é um problema nacional. Mas, isso não justifica as falhas que ocorrem em Araguari. Necessário mudar essa realidade local. Melhoria da gestão é possível. Basta que os gestores públicos tenham um pouco de piedade dos usuários do SUS. Para quem não sabe, usuário do SUS também é considerado ser humano. Imaginem, por exemplo, as dores que essa criança está sofrendo. Pensem no sofrimento psicológico dessa mãe. Pessoas não são meros objetos. Têm direito a uma vida digna. Isso inclui o direito à saúde. 

Galeria irregular provoca insatisfação de moradores