sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Mercado de Opiniões


O comportamento da imprensa ou de parte dela é indicativo claro da existência de infiltrações de integrantes do poder público nos meios de comunicação social. O cidadão precisa estar atento a tudo que ouve, vê e lê. Necessário identificar o que é informação séria e o que a opinião de um jornalista amestrado. Focas não recusam sardinhas.
Em Araguari, há sinais cristalinos de que as linhas editoriais de alguns veículos de comunicação social estão sendo extremamente generosas com o governo municipal. São feitos furos de reportagem até para mostrar pinturas de meio-fio ou capina de ruas. É algo contrário aos princípios éticos do bom jornalismo. Passa ao largo do interesse público, que deveria ser buscado também pela imprensa. Por vezes, expõem-se profissionais da mídia ao ridículo em reportagens e comentários com fins de bajulação explícita aos detentores do poder.
Mas não existem só santos nessa história. Se há compradores de opinião, há também, do outro lado, pessoas dispostas a vendê-la. É uma via de mão dupla. A exposição ao ridículo, por vezes, pode ser consentida e muito bem remunerada. 
Reitero o alerta. Cidadão, fique atento a tudo que ler, ouvir e ver, sobretudo neste período eleitoral. Muitas vezes, as notícias veiculadas na imprensa serão tendenciosas, fruto da relação espúria entre os veículos de comunicação social e os governantes. Conhecendo melhor esse relacionamento podre e nada republicano, é possível concluir que somos governados e "informados" por bandidos. São quadrilhas que cultuam a imagem de governantes e adoram o dinheiro público.

Um comentário:

Edilvo Mota disse...

Os bajuladores atuam sobre a lógica do Diabo, interpretado de forma ímpar pelo ator Al Pacino, no filme "O Advogado do Diabo".

Na cena final, o Diabo olha cinicamente para a câmera e diz:

"Vaidade. Definitivamente, este é o meu pecado favorito".

Os bajulados pagam, como dinheiro público, pela massagem no ego.