terça-feira, 15 de maio de 2012

O Correio e a honestidade

Abre aspas para o Correio de Araguari:
"As virtudes de honestidade do Prefeito Marcos Coelho já são por demais conhecidas em Araguari, não surpreendendo nem mesmo a seus adversários políticos. No último dia primeiro de maio ocorreram manifestações contra a corrupção em todo o País. Em Araguari o movimento não despertou interesse, contando com a presença de cerca de dez pessoas, contados políticos engajados contra o Prefeito Marcos Coelho. Faz-se necessário esclarecer que, na referida manifestação, não houve denúncias específicas de eventual corrupção em Araguari."
Clique aqui para ler a reportagem completa.

Pitaco do Blog 
O conceito de honestidade adotado pelo Correio de Araguari já é conhecido. Bastante flexível, o jornal entende que honestidade é algo muito amplo, permitindo que, até mesmo, atos ilegais possam ser considerados corretos. A sua linha editorial e as relações que ele mantêm com o município, há tempos, vêm demonstrando a adoção, pelo Correio, desse conceito extremamente largo de honestidade. 
Agora, também ficou claro que o jornal reinventou a Matemática. Dizer que só existiam dez pessoas participando da marcha contra a corrupção em Araguari é próprio de quem não domina os conhecimentos básicos daquela ciência ou de quem tem muita facilidade para manipular os números conforme a sua conveniência. Parece que o jornal se enquadra na segunda hipótese, superestimando os feitos do governo e menosprezando a inteligência dos araguarinos.

4 comentários:

Aristeu disse...

Honestidade é um sinônimo e tratam como substantivo. Nem português, nem matemática. Estão reprovados também nestes quesitos.

Edilvo Mota disse...

Não é novidade que em Araguari existam tão poucas pessoas com coragem de se manifestar contrariamente à corrupção.

Sintomático que sequer tenham aparecido para registrar o evento.

Anônimo disse...

Gente honestíssima apoiando gente menos honesta. Esse Correio de Araguari é um caso de polícia. Cadê o MP para verificar o montante de dinheiro que é transferido dos cofres da prefeitura para esse veículo que envergonha a cidade.

Edilvo Mota disse...

Anos atrás, o jornalista Gilberto Dimenstein, da Folha de São Paulo, nos brindou com uma peça.

Conhecido pela sua visão crítica em relação aos desmandos na administração pública e, no caso, sobre o coronelismo de ACM (Antônio Carlos Magalhães) na Bahia, Dimenstein relatou em sua coluna na Folha, o seguinte (mais ou menos nesses termos):

"Ontem recebi um fax do senador Antônio Carlos Magalhães, recheado de insultos que dizia "Seu filho da puta, vou processá-lo por calúnia". Gostaria de dizer ao senador que será uma honra para meu currículo ser processado por um sujeito como ele".

Não se encontra jornalista como Gilberto Dimenstein em qualquer canto.

Já os ACM's....