domingo, 29 de abril de 2012

Paciente espera por cirurgia há quatro anos



Pitaco do Blog
A falta de respeito com os usuários do Sistema Único de Saúde não é "privilégio" somente deste governo. Se a paciente está há mais de quatro anos aguardando uma cirurgia, é porque a omissão começou na gestão anterior. O caso retrata a ineficiência do SUS para atender determinadas demandas da população.
Vejam com que naturalidade a secretária de Saúde fala do atraso na realização de cirurgias eletivas. Isso pode ser normal na visão dela. Mas, na dos angustiados pacientes, não. Um atraso numa simples cirurgia pode gerar uma situação de urgência, onerando os cofres público e, o pior, colocando em risco a vida do paciente. 
O mais absurdo é que esses mesmos gestores afirmam que os pacientes não procuram a medicina preventiva, oferecida nos Postos de Saúde. Procurar para quê? Os PSF's não atendem satisfatoriamente à demanda. Além da falta de médicos, a sequência dos tratamentos  é demorada (os pacientes têm que procurar outras unidades para requererem os exames, por exemplo).

5 comentários:

Edilvo Mota disse...

Como sempre, Antonio Marcos foi direto ao ponto.

A ineficiência do SUS, por falta de estrutura, falta de prioridade no âmbito político-administrativo, falta de orçamento adequado para todos os municípios, ocorre desde sua criação.

O ponto a lamentar, neste caso, é a minimização do problema e (sempre) o viés politiqueiro adotado pela atual secretária de saúde, ao estufar o peito para citar possível caso pendente há 10 anos; uma forma subliminar, grotesca e canalha de desviar o foco, como se ainda estivesse num palanque eleitoral.

Os problemas estruturais do SUS não são culpa de um ou outro governo municipal; porém, são responsabilidade de todos nós, brasileiros.

Quem se atreve a (e em alguns casos comete atos espúrios para) assumir a gestão da saúde pública, deve estar consciente da responsabilidade que assume. E, depois de assumir, não utilizar o passado como desculpa para os problemas do presente.

Mais uma lamentável demonstração da falta de preparo para lidar com a coisa e a opinião pública.

Definitivamente, um novo modelo (a não ser copiado).

Anônimo disse...

É sempre o mesmo discurso. Mas políticas eficientes de gestão dos poucos recursos existentes ninguem se propõe a fazer. A Iolanda deve tá muito brava com toda essa imprensa nos pés dela. Tudo pode , menos os casos irem para a mídia.

Anônimo disse...

Fato absurdo também são as consultas oftalmologicas que estão sendo realizadas no Pronto socorro. Uma médica vem de uberlandia realizar as consultas e são feitas mais de 80 por dia! Dizem que os pacientes não ficam nem 5 minutos no consultório. Agora me falem, uma área tão importante quanto a oftalmológica, tá tendo esse desmazelo, imaginem as outras? E os casos oftalmológicos mais graves, como são resolvidos com essas consultas relâmpago? Tudo acontece nas coxas, em vez de contratarem clínicas especializadas, bem estruturadas, preferem colocar uma médica, fazemdo inúmeras consultas mal feitas por dia, isso a fim de mostrar quantidade. Só quero ver o que acontece com o coitado que precisa realizar um exame mais detalhado do olho, algo mais especializado. Nem as simples correcoes de grau estao sendo feitas, uma amiga minha disse q em vez de aumentar o grau do oculos dela, a médica diminuiu e ela ficou mais cega que já é!

Aristeu disse...

Eu pensei que meu filho tinha batido o recorde esperando um ano no SUS uma cirurgia. Ainda assim vou confessar: Pra que fosse realizada neste tempo tive que usar tráfico de influência.

Anônimo disse...

BEM PRECARIA MESMO A CONSULTA OFTALMOLOGICA DO NOVO MODELO, ALEM DE RAPIDA, NAO SE MEDE UMA PRESSAO OCULAR, NAO SE EXAMINA UM FUNDO DE OLHO, É BEM O BASICO MESMO, É SÓ AVALIAR E MAU AVALIADO SE A PESSOA ENXERGA OU NAO ENXERGA.