sexta-feira, 13 de abril de 2012

Caso do mamógrafo: processo irregular

No caso das irregularidades da Saúde (pagamentos indevidos de manutenção de mamógrafo e raio-x), o prefeito falou que afastou todos os envolvidos. Pois bem, entre os supostos envolvidos encontra-se a secretária de Saúde, Iolanda Coelho da Costa, que obviamente não foi afastada do cargo. Logo, o prefeito não foi totalmente sincero.
Agora, no processo disciplinar que investiga essas possíveis irregularidades, a secretária, em sua defesa, está se valendo do depoimento de 8 testemunhas. Até aí, tudo bem! O direito de defesa é sagrado. O problema é que pelo menos 6 dessas testemunhas são servidores públicos que trabalham na própria Secretaria de Saúde. São, portanto, pessoas diretamente subordinadas à secretária investigada. Os senhores acreditam que essas testemunhas falarão a verdade, nada mais que a verdade? Elas terão isenção suficiente para prestar depoimento "incriminando" a própria chefe? Dou um doce para quem acertar a resposta.

8 comentários:

Edilvo Mota disse...

Esse é o modu operandis. Alguns diriam, novo modelo

Edilvo Mota disse...

Esse é o modu operandis. Alguns diriam, novo modelo

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 13 de abril de 2012.

Prezado Marcos,

Mas é claro que falarão !!!

Principalmente se você estiver se referindo à AUDIÊNCIA COM O MINISTÉRIO PÚBLICO !!!

OITO testemunhas acobertando irregularidades por MEDO, sob juízo, com uma infinidade de relatos e DENÚNCIAS DE PERSEGUIÇÃO seria achincalhar de vez com o Poder da referida Instituição.

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

...

Aristeu disse...

Dr Antonio Marcos, o Senhor já pensou na hipótese de que todas estas testemunhas sejam amigas de Mírian Lima?

Anônimo disse...

Alguém sabe quem são esses funcionários? Vamos começar a citar nomes, assim fica melhor!

Anônimo disse...

como assim Aristeu, amigas da mirian? não entendi.

Aristeu disse...

Caro anônimo acima, há a hipótese de que o testemunho seja comprometido porque será feitos por funcionários da Secretaria de Saúde, subordinados a suposta causadora das irregularidades, então aventei que o contrário pode ocorrer uma vez que a denunciante, Mirian Lima, também lotada na Secretaria de Saúde poderia ter afinidade com as testemunhas e dar tendência oposta à apuração. Acho que agora fui claro.

Edilvo Mota disse...

Enquanto isso, a Câmara Municipal continuará omissa, submissa, lassiva e bem remunerada.