quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Qual a culpa dos trilhos?

Abre aspas para Limírio Martins, Tempero da Notícia, Correio de Araguari, 12/01:
"A Comissão do Patrimônio Histórico de Araguari está propondo o tombamento dos trilhos da FCA, localizados nos Bairros Santa Terezinha, Independência e Jockey Club.  A resolução da Comissão causou a revolta dos moradores daqueles bairros, que querem a retirada dos mesmos e pedem que ali seja aberta uma avenida. Os moradores precisam ser ouvidos, pois, afinal, são eles que vivem nas proximidades dos trilhos e toda a população sabe que suas margens estão sempre com altos matagais, com toda espécie de sujeira e serve de lixão para muitas pessoas desprovidas de civilidade, que ali jogam lixos domésticos e animais mortos. O Prefeito não deve sancionar tal decreto sem antes ouvir os moradores dos Bairros que são os grandes prejudicados com a permanência de tais trilhos, que são obsoletos e que se encontra em verdadeiro estado de abandono, sem utilidade alguma.".
Pitaco do Blog
Quero parabenizar o trabalho da Comissão Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural de Araguari. A função do conselho é justamente esta: selecionar os bens de valor histórico e cultural que devem ser preservados pelo município.
Quanto à opinião do colunista, não me causa espanto. Há tempos, ele vem se postando contra algumas medidas tendentes à preservação do acervo ferroviário e histórico da cidade. Tem usado o seu programa diário na Rádio Planalto para defender a retirada dos trilhos. Contrariando as regras do bom jornalismo, não ouve o outro lado. Limita-se a dizer que conhece bem o prefeito (não duvido disso) e sabe que ele não irá aprovar a preservação dos trilhos.
Assusta-me a falta de argumentos convincentes para a destruição desse patrimônio. Se é claro que os residentes ao lado da linha férrea devem ser ouvidos, é também óbvio que, por se tratar de preservação de um patrimônio da cidade, todos os demais cidadãos também possuem o direito de se manifestar. É para isso que existe o Estatuto das Cidades, prevendo a realização de audiências públicas antes de se adotarem determinadas medidas que causem impacto na vizinhança ou em toda a cidade.
Culpar os trilhos pelo excesso de mato e lixo nos seus arredores é um grande disparate. O poder público é que deveria ser responsabilizado por isso. Mas não podemos esperar que esse tipo de cobrança de quem se diz amigo do prefeito. Se a amizade não lhe turvasse a visão, o colunista até poderia reconhecer que o município recolhe imensos valores de taxas e impostos, repassando-os às empreiteiras, que, por isso, deveriam realizar uma limpeza eficiente da cidade. Daqui a pouco, os trilhos serão culpados pelo afundamento de carros na adjacente Rua 19 do Bairro Independência e pela utilização do imóvel da antiga "fábrica de cortiça" por criminosos.
Antes de sonhar com a substituição dos trilhos por uma imaginária avenida, convém exigir que o poder público mantenha esses locais limpos e que ouça a população, esclarecendo-a, previamente, da importância da ferrovia na história e no desenvolvimento do município.

14 comentários:

Anônimo disse...

O Limírio tá certinho. tem que tirar esta tranquera logo!!!!!

Anônimo disse...

Doutor, o senhor me deixe numa situação difícil para entender essa defesa contrária aos interesses dos moradores da região. Esses trilhos estão existindo só para marcar o antigo caminho das máquinas. Parte desses trilhos está coberta pela terra, mato e lixo. Se a finalidade é um dia fazer as máquinas transitarem pelo mesmo caminho, nem como turismo isso se justifica devido à ausência de motivos turísticos na paisagem desse caminho. Voltar a serem úteis esses trilhos para fins comerciais, nem pensar por ser impossível, exceto como ferro velho...

Marcos disse...

Anônimo, a defesa é feita em duas partes.
Primeiro, entendo que todos os moradores da cidade devam ser ouvidos sobre o tombamento. Melhor seria, que todos sejam ouvidos sobre a retirada dos trilhos. Claro, os moradores próximos têm especial interesse no assunto e deveriam, necessariamente, ser consultados. Como ex-morador do Santa Terezinha, sei disso.
Ainda, defendo que todos os moradores da cidade, antes de opinarem, saibam o significado do acervo ferroviário para o município e conheçam a história da cidade. Por exemplo, no caso dos trilhos, tive informação de fonte confiável de que alguns são centenários, ou seja, estão ali desde o ano de 1908.
Na segunda parte, eu sou favorável ao tombamento dos trilhos. Lembro que tombar não é algo perpétuo. É um ato que pode ser revisto futuramente. Lembro, ainda, tombar equivale a conservar. Conservar se traduz em retirar o lixo, em cortar o mato nas adjacências dos trilhos.
Tem mais. Fala-se muito nos trens turísticos. Creio que é um projeto que ainda irá será concretizado. O processo é moroso, mas tenho motivos para acreditar nele. Pois bem, esse trem viria de Uberlândia, passando pela Stevenson e chegando em Araguari. A questão aqui é óbvia, a meu ver: os turistas vão chegar na atual estação ferroviária e vão querer conhecer a estação antiga. Qual a forma ideal desses turistas irem até o Palácio dos Ferroviários? A pé? De ônibus? Claro que não! O ideal é que sigam de trem para conhecer não só o Palácio, mas também o Armazém de Cargas, que está sendo restaurado.
Por fim, um detalhe. Araguari vem recebendo boas verbas destinadas ao setor cultural e turístico. Cito: Casa da Cultura, restauração do Palácio dos Ferroviários, do Armazém de Cargos e da Estação de Stevenson. Logo, quanto mais se pereservar, maior a chance de recebermos maiores recursos públicos. Óbvio, ainda, quanto maior a preservação, maior a chance de nos tornarmos um polo turístico, atraindo recursos privados.
O que quero, enfim, não é impor minha opinião ou pensamento. Quero que o assunto seja discutido. Lamento muito que em Araguari a democracia esteja tão em baixa. Aqui, não se costuma ouvir a população em assuntos de grande relevância. Nestas terras, desgraçadamente, os amigos de boteco do prefeito acabam decidindo, sozinhos, o que é certo ou errado para a cidade. Isso está errado!

Anônimo disse...

Dentro dessa visão eu poderia me dar por satisfeito com essa defesa. Se existe esse projeto justifica a preservação. Dificil para nós é acreditar que o trem vai passar por essa região novamente e chegar ao Palácio dos Ferroviários. Com certeza os moradores ficariam menos ansiosos com a espectativa de que o trem turístico ainda poderá até valorizar seus imóveis. Sua tristeza de ver os assuntos estratégicos serem tratados no buteco, por pessoas irresponsáveis e sob efeito de alcool e a influência do puxasaquismo podem causar transtornos para o futuro de tudo que é inteligente para a cidade. Infelizmente, mesmo aqui no blog fico decepcionado quando alguém faz piada e rizos com coisas tão sérias e coisas que devem ser discutidas com muita seriedade e responsabilidade. Mas aceito por ser comportamento próprio de todos os brasileiros.

EFGoyaz disse...

Pobre Limírio. Talvez ele já tenha se esquecido que é um Conselheiro do Patrimônio Histórico. Pobre cidade de Araguari que ainda dá ouvidos para ele.

Anônimo disse...

Não tenho o (des)prazer de conhecer esse tal Limírio, mas apenas pelo que ele escreveu no Correio de Araguari já fica claro o quanto é ignorante e prepotente. Estamos em uma sociedade democrática, onde os meios de comunicação deveriam servir para esclarecer e dar publicidade aos fatos, e não como palanque para desmiolados como ele imporem suas vontades e caprichos à todos. E o pior, usando como escudo parte da população, que a bem d verdade não sabe realmente o que se está propondo para a área.
Sobre o problema de lixo e mato alto na região da linha do trem, se esse Limírio não sei das quantas está mesmo preocupado com o bem estar de quem mora perto, deveria aproveitar que é amigo do prefeito, e pedir para ele exigir que a empresa responsável pela limpeza faça o serviço adequado no local. Deveria pedir também par o prefeito mandar roçar o mato e multar a FCA por não cuidar da área. Ou será que os interesses do zeloso cidadão Limírio em retirar os trilhos esconde algo pouco confessável?

Ralph Mennucci Giesbrecht disse...

Culpar os trilhos pela sujeira? E quando a avenida estiver suja, vão culpar quem? Estou realmente cansado da falta de educação - em todos os sentidos - da "minoria berrante" ou "comunidades" de todo o Brasil. Aqui se ouvem as minorias, enquanto a maioria que trabalha e tem alguma inteligencia só se ferra. É mesmo o ;ais dos coitadinhos.

Rubens Caruso Jr. disse...

Mas que absurdo! É como culpar o correspondente de guerra pela guerra!
Arranquem tudo! Derrubem tudo! Mas não esqueçam de registrar os nomes de quem fez, mandou fazer e defendeu a ideia para que, no futuro, quando vocês estiverem tão arrependidos quanto os poçoscaldendendes que demoliram um teatro histórico ou hoje choram não haver 10 km de trilhos (retirados, como "querem" em Araguari) para rodar uma "Maria Fumaça" como as de São Lourenço ou Jaguariuna, ergam-se monumentos àqueles que tanto "contribuíram" para o progresso de Araguari.
"Povo que não conhece sua história está condenado a repeti-la".
Rubens Caruso Jr.
www.memoriadepocos.com.br

Anônimo disse...

Esse Limírio aí é o mesmo que negociou sua saída da prefeitura com o Coelho, deixando em seu lugar a filha inexperiente, de primeiro emprego. Quase não comparece ao trabalho. Salário de mais de 1500 reais. Metade para ela e metade para ele. É um absurdo. Acorda araguarinos!

giljacobus disse...

O anonimato invalida o blog, aqui liquidaram e abriram um grupo no Face, onde todos mostram a cara !

Dilson Martins disse...

Antonio Marcos;

Mato, capim, sujeira, entulho junto aos trilhos existem? Sim! E também em todos os pontos de nossa cidade, inclusive, onde jogaram recentemente asfalto.

Como foi dito pelo Marcos, que venham ambos os lados expor juntos à população toda, suas sugestões. Porém, dentro das mesmas condições.

Alguns membros da nossa imprensa utilizam dela para impor o que lhes convém, de uma forma até brutal, neste caso a remoção dos trilhos. Isto é uma agressão violenta à democracia, à liberdade, a história de nossa gente e região.

Hoje, talvez ainda tenhamos o privilégio de escolher que tipo de desenvolvimento fomentar aqui em nossa querida Araguari.

Podemos olhar para o desenvolvimento das cidades que nos margeia e analisar o que de melhor nos convém.
Podemos acompanhar os reflexos dos problemas que acobertam cidades inundadas pelo asfalto, concreto, ferro e untadas pos gazes poluentes. Assim como também, podemos preservar nossas raízes, valorizar nossas riquezas naturais, explorar e enriquecer ampliando pontos regionais com muita qualidade de vida.

Daí a preocupação minha, do Antonio Marcos, Rubens Caruso Jr., Ralph Mennucci Giesbrecht, EFGoyaz, Aristeu, Garliene Arts, Ianis, Antonia Arruda e tantos mais. Falo por mim, mas, acredito que todos estes e muitos mais seguem próximo ou igual posicionamento de que, Araguari precisa de sua história, tal qual, precisamos de nossos documentos.

Anônimo disse...

ideias quando são divulgadas perdem a propriedade. Se são boas todos abraçam se são ruins caem no esquecimento, mesmo que o "proprietário" seja tão importante quanto você... Araguari precisa de idéias, estratégias executáveis, projetos. Menos, bem menos personalismo, bem menos carinhas bonitas e paparicadas pelos mentirosos e hipócritas, precisamos de bem menos pessoas muito afetadas pelo orgulho pessoal e abertas para o diálogo, que ouçam os eleitores anônimos, que quando assumam os cargos não fujam de ouvir, de consultar as bases, de se encontrar e principalmente não mintam quando falam ao povo... nem fiquem ricos com seus cargos... o anonimato é a arma contra os covardes que querem aparecer desprezando qualquer ideia, dos que querem subir na vida, querem ocupar cargos protegidos pelos amigos que protegem e defendem suas identificações sórdidas e metirosas... Vamos nos unir e fazer o Partido dos Anônimos, já que os identificados mais sonham do que fazem... pior ainda muitos identificados que precisam aparecer neste ano eleitoral só aguardam que esse grupo fique forte para aparecer triunfalmente na cidade para ocuparem cargos e substituirem os atuais com os mesmos benefícios dos atuais...

Anônimo disse...

Eu não tenho notícias sobre a existência de projetos de preservação elaborados pela prefeitura. Se existem deveriam ser divulgados e discutidos por todos. E não pensem que estou querendo criar caso. Mas é importante conjugar sonhos ou história com algo concreto e financiável... E não venham falar de anônimos, afinal a democracia não escolhe caras e o que faz o desenvolvimento são projetos... outra coisa, a internet foi feita para manifestação livre e mesmo os identificados por nomes ou fotos podem ser falsos...

Anônimo disse...

Senhor Dilson, o perfil de crescimento das cidades, com alterações tecnológicas de todo tipo, mudanças de todo tipo, sao feitas na maioria por meio de projetos de engenharia, com utilização dos mesmos materiais em todo mundo. Se a nossa cidade quiser qualquer novidade ou melhoria tem que cair na mesmice pensada e repensadas por vários técnos em melhorias urbanas, para o bem ou para o mal. Não pode é usar a desculpa de preservar o jeitinho da cidade para impedir melhorias, nem impedir o desenvolvimento econômico que todos querem. Não podemos nem resvalar naquele boato de que os "donos" da cidade não querem o crescimento econômico para não alterar a vidinha boa do interior... o certo é aliar preservação do conjunto histórico com crescimento econômico, aliás, como se faz no mundo todo... para isso precisamos todos conversar muito, senão os monumentos vão se perder em ruínas ao som de muitas palavras e boas intenções...