sexta-feira, 25 de novembro de 2011

A verdade sobre o "Hospital Municipal"

 
Imagem extraída do Blog FalAção.

Até que enfim apareceu alguém do governo para falar a verdade sobre o "Hospital Municipal". Tocando na ferida, a secretária de Saúde, Iolanda Coelho da Costa, em entrevista à Rádio Vitoriosa, informou que não há como o HM funcionar devido à falta de recursos para sua manutenção. Citou, por exemplo, a insuficiência de recursos para a contratação de médicos, para o funcionamento de um centro cirúrgico e, até, para o custeio da alimentação dos pacientes.
Essa afirmação da secretária só confirma aquilo tudo que já falamos aqui desde o início do blog. O governo Marcos Alvim foi extremamente irresponsável (poderia até ser usada palavra pior) ao iniciar uma obra sem ter garantidos os recursos para o seu funcionamento. Ninguém na época questionou isso, deixando o ex-prefeito livre para tocar uma obra fadada a ser um "elefante branco". Chamo a atenção especialmente para a omissão da Câmara de Vereadores, que se curvou, criminosamente, ante os erros do Executivo no "planejamento" e na execução da obra.
De lá para cá, tivemos uma sucessão de tentativas infrutíferas de resolver o problema. Esse insucesso não se deve exclusivamente à falta de recursos. Outros fatores contribuíram para isso. O principal deles é a forte pressão política exercida por empresários do setor de saúde. E nessa hora não é possível "livrar a cara" da Associação Médica de Araguari, mantenedora da Santa Casa de Misericórdia. Afinal, essa entidade é justamente a maior beneficiada com a falta de um hospital público na cidade. Basta ver os milionários pagamentos feitos àquela entidade pelo município, para confirmar isso. Obviamente, se existisse uma instituição pública na cidade, os ganhos do setor privado seriam drasticamente reduzidos.
Portanto, se não for feito um trabalho político hercúleo junto à União e ao Estado, o HM jamais funcionará, uma vez que os recursos do município são insuficientes, como disse a secretária. Além disso, se não for neutralizada ou reduzida a forte influência dos empresários da área médica (hospitais, clínicas, laboratórios, etc.) sobre as decisões da Prefeitura, nada mudará. Assim, como não há vontade política de mudar esse quadro pelo atual governo, é bom que esqueçamos a possibilidade de ter, no curto prazo, um hospital público de qualidade na cidade.

27 comentários:

Jose Flavio disse...

É isso ai Marcos a partir de agora os fatos começaram a ganhar transparência. Nem o hospital municipal de Uberlândia é totalmente mantido por aquele Município. Se quiser comprovação basta pesquisar.

Aristeu disse...

Efeitos colaterais da doença corrupção ativa.

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 25 de novembro de 2011.

Prezado Marcos,

CORPORATIVISMO em qualquer instância é uma DESGRAÇA SOCIAL.

CORPORATIVISMO, conlúio & conchavos, e garantia de IMPUNIDADE a longo prazo é um VERDADEIRO INFERNO.

Tudo isso junto, e os Responsáveis Solidários e Coniventes com a ficha limpíssima, disponíveis e "postulantes" ao próximo Pleito, não tem designação...

#naçãoSemNoção

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Anônimo disse...

O prefeito vem falando isso desde o início do governo. Só não escutou e entendeu o quem não quis. Primeiro disse que sem um convênio, ou com a Santa Casa ou com a Unipac ou, ainda, com o Governo do Estado, não teria como colocar o HM pra funcionar. O que a dona Iolanda disse não é nenhuma novidade, a não ser para os divulgadores do caos. No passado, o prefeito já dizia que o custo para o funcionamento seria em torno de 500 mil. Até hoje ele descarta essa possibilidade, tanto que o foco atual do governo, é em levar para lá o pronto socorro municipal. Para o governo, HM já era.

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 25 de novembro de 2011.

Prezado(a) Anônimo(a) de 12:52hs,

(...)
Para o governo, HM já era.
(...)

E para a maioria dos Cidadãos e-Leitores, Hospital Municipal e PUNIÇÃO aos envolvidos nas irregularidass ( se é que existem né ?! ) "já era"!

Adoece não, POVÃO !!!

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Ianis disse...

EM TEMPO:

i r r e g u l a r i d a d e s

De tão chato de se escrever, não apuram-se!

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Marcos disse...

Anônimo das 12:52, eu não creio que o prefeito tenha dito, desde o início, que o HM não entraria em funcionamento.
Ao contrário, ele mesmo fixou prazo para o hospital entrar em funcionamento. Aqui no blog mesmo, comentei esse assunto. Salvo engano, em 2009, ele prometeu que HM entraria em funcionamento em 150 dias. Esse, aliás, foi um erro político do prefeito. Fez promessas que sabia não seriam cumpridas, uma vez que sequer existiam tratativas formais com a Unipac para a tal "parceria".
Por isso, parabenizo a Iolanda por ter sido tecnicamente clara a respeito d assunto.

Anônimo disse...

Anônimo puxa-saco, além da promessa de colocar o HM em funcionamento, ainda explorou junto a imprensa local um ajuste político melhor e maior, que era a construção de um HOSPITAL REGIONAL!
Já embaraçaram em uma questão bem mais simples técnicamente que é a transferência do Pronto-Socorro para um anexo do HM, imagina colocar um Hospital com toda sua complexidade em funcionamento. Bando de incompetentes!
Ano que vem tudo isso sobe no palanque para discurso com a sociedade! Vamos divulgar todos os pormenores!

Edilvo Mota disse...

Demorou 34 meses pra repetirem o que já havia sido explicado há tempos...

http://www.portaldearaguari.com.br/2009/06/hospital-municipal-de-araguari-devera.html

http://www.correiodearaguari.com/correio/index.php?option=com_content&task=view&id=941&Itemid=26

http://www.portaldearaguari.com.br/2009/06/hospital-municipal-de-araguari-continua.html

http://www.gazetadotriangulo.com.br/novo/index.php?option=com_content&view=article&id=8642:hospital-municipal-de-araguari-apesar-de-ter-sido-inaugurado-duas-vezes-continua-fechado-e-sem-ter&catid=24:artigos&Itemid=312

Eduardo disse...

Vou colocar aqui de novo o que já havia postado em outro assunto:
Se te coloco pra "vigiar" pra vc não fazer coisa errada e a coisa errada acontece, quem vigiou é culpado 2 vezes, porque exerce a obrigação de fiscalizar (colocado la pra isso) e vendo a lambança ainda se omite....
que seja feita uma ou mais placa enorme, fincada nas praças e na(s) entrada(s) da cidade, contendo os nomes dos VEREADORES desta gestão que foram OMISSOS, quem sabe a gente fica livre deles. Jubão (atual vice-Prefeito), Eunice Mendes (atual secretária de Educação) e vereadores Porcão e Tiboca. Por mim ESTES tinham que levar mais "catracada" do que de quem fez.
Acha um, apenas UM documento assinado por estes "empeitando" aquilo lá.. UM SÓ...


Jubão (atual vice-Prefeito), Eunice Mendes (atual secretária de Educação) e vereadores Porcão e Tiboca.

Jubão (atual vice-Prefeito), Eunice Mendes (atual secretária de Educação) e vereadores Porcão e Tiboca.

Gabriel disse...

Honestamente acho esse discurso da falta de recursos um clichê muito pouco cabível nesse caso. Como o Marcos disse no texto, quantias estupendas são gastas com hospitais particulares na cidade com o intuito de fazer um "melhorismo" no atendimento.

Essa verba se retirada dos bolsos de empresários influentes e colocada em direção ao HM já supriria uma parcela considerável do necessário para manutenção do mesmo.

Considerando a estrada sofrível que percorrem os cursos de saúde da unipac com seus estágios um convênio com um Hospital Municipal seria mais do que bem vindo.

E se nosso prefeito mesmo sendo do partido mais forte da base aliada da própria presidência, o PMDB um dos mais numerosos no Congresso Nacional e o terceiro com mais deputados na Assembléia de Minas, não conseguisse um convênio com institutos do governo federal ele pode pedir pra sair da vida política.

Anônimo disse...

Se não conseguem nem mesmo uma reforminha numa praça o que dirá administrar um hospital.
Tem que ser muito burro para acreditar no Novo Modelo.

Anônimo disse...

Caro amigo Odon...se eu puder ajudar...tenho apenas a dizer que parece-me estamos diante de um caso onde apareceu uma mão invísivel.
Aguas passadas não movem moinhos...
Acredito que esse problema deve ficar para o próximo prefeito.
publique onde achar correto!
E assim que se faz mesmo!

Anônimo disse...

Odon desculpe o erro ortográfico.

Anônimo disse...

Antonio Marcos, não é que "Ninguém na época questionou isso", acontece que quem questionou foi tratado por idiota por todos os outros alienados pela construção a esmo em nome do tal "desenvolvimento".
Eu levantei esse assunto não somente nas comunidades do Orkut, como também pessoalmente com o Edilvo à época do seu mandato como secretário e o próprio secretário Edilvo Mota também era muito temeroso quanto aos valores do custeio do hospital e ele mesmo me disse à época que não só não via muita esperança na manutenção, como havia documental e verbalmente apresentado os dados e valores para não apenas a equipe, como também para o ex prefeito Marcos Alvim em pessoa.
O que eu mais ouvia DE QUASE TODOS ainda à época da primeira inauguração do que eu já chamava de elefante branco, é que eu era "do contra", chato, pessimista, que pessoas como eu são um entrave para o crescimento da cidade etc. Até campanha na internet com anonimos pedindo para eu mudar de cidade existiu.

Agora o tempo está aí para provar que não adianta apenas o pão e circo para se fazer um governo, e passadas as festas de inaugurações (tres inaugurações para ser exato), e continuamos até hoje sem o hospital funcionar.

E digo mais, tenho certeza que tem muita gente do governo passado, do atual e pretendentes ao proximo, que dão graças pelo hospital ter sido barrado por problemas estúpidos de projeto e construção, pois o verdadeiro "abacaxi", terá que ser descascado quando (ou se) o hospital abrir as portas, pois se não temos a mínima capacidade para gerir sequer um pronto socorro com as condições básicas de atendimento, então imaginem como será com os custos e complexidades de um hospital.

Atenciosamente.
Riberto de Sousa Junior.

PS.: Com a palavra, o ex secretário Edilvo Mota, que pode me desmentir ou confirmar o que disse.

Anônimo disse...

Ah... quase me esqueço de outra coisa:
Quando forem citar nomes de vereadores atuais que nada fizeram para fiscalizar o andamento do "hospital", por favor não se esqueçam do vereador Werley Macedo que foi da base do governo Alvim durante boa parte das burrados do hospital, e que agora vem sinicamente a público fazer protesto e abaixo assinado como se o filho também não fosse dele.

Pior que incompetencia, é incompetencia e falsidade.

Atenciosamente.
Riberto de Sousa Junior.

Marcos disse...

Riberto, concordo com vc. A linguagem é uma coisa complicada. As vezes, Procuro me policiar, mas generalizações indevidas acontecem.
Realmente, algumas pessoas questionaram à época o futuro do HM. Mas a vontade política dos governantes, naquele momento, entendeu que era viável construir um prédio e, somente depois, procurar os meios para fazê-lo funcionar como hospital. A falta de planejamento deu no que deu.

Marcos disse...

Quero me reportar ao aspecto levantado pelo Gabriel sobre a questão dos recursos para custeio do HM. De fato, reduzindo os gastos com algumas empresas da área de saúde, poderia sobrar uma boa quantidade de recursos para o HM funcionar. Entretanto, entendo que, mesmo assim, o município ainda não teria condições de custear sozinho o HM, uma vez que os gastos com um hospital de boa qualidade são bastante altos e tendem a aumentar com o incremento da demanda.
De qualquer forma, essa discussão acerca da gestão do HM nem pode ser realizada agora. Isso porque o prédio não pode ser destinado ao uso por hospital.
Os próximos passos, segundo a lógica do governo atual, é utilizar parte do prédio como Pronto Socorro. O problema é que os gestores atrelaram várias coisas que, em princípio, não tinham ligação umas com as outras. Para construir a UPA 24h, é preciso(?) derrubar o PSM e transferi-lo para o prédio do HM. Essa amarração (excesso de condições) pode trazer mais atrasos. Vale lembrar que, na saúde, atrasos podem representar a morte.

Edilvo Mota disse...

Riberto, não tenho o que desmentir. Você acertou. E você foi um dos poucos que, na época, questionou o hospital.

Quando assumi a pasta da Saúde (janeiro/2005) o hospital concluido em 2003 não tinha alvará, nem plano operacional e de custeio.

Depois de peregrinar na GRS-Udi e na Secretaria de Estado da Saúde (Gerência de Infraestrutura Física, em BH), consegui o alvará em meados de 2007, contando com o apoio do deputado federal Bonifácio Andrada junto ao governador.

Ainda em 2007, participei de um grupo de trabalho (eu e Dr. Eduardo Braga pela SMS, Dra. Rosana, Prof. Durval e Dr. Willian Gebrim pela UNIPAC e Prof. Walter Sidney pela UFU) que elaborou, enfim, o plano de gestão do hospital, incluindo a projeção de custos e receitas: chegamos à projeção de um DÉFICIT mensal próximo de R$ 230.000,00.

Como? Estimamos uma receita equivalente a 300 AIH's (Autorizações de Internação Hospitalar); cada AIH equivale a 01 internação. E confrontamos a Receita com os Custos (ainda sem considerar material e medicamentos).

Parte do custo com pessoal seria assumido pela UNIPAC, que cederia profissionais médicos, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos, além de certa quantia em espécie.

Além do plano de custeio, elaboramos a minuta do contrato de gestão. Ambos os documentos foram entregues pelo grupo de trabalho ao prefeito, por volta de agosto/setembro de 2007.

Onde surgiu o nó do problema?

Naquela época a cidade de Araguari recebia 650 AIHS's mensais do Ministério da Saúde. Para utilizar 300 no Hospital Municipal, teríamos que retirá-las dos hospitais privados e da Santa Casa. Ou seja, haveria perda de faturamento para eles. Aí começou um "lobby" para dificultar o funcionamento.

Em vista do déficit previsto (R$ 230.000 mensais) e considerando o que dispõe a NOAS-SUS, sugeri ao prefeito que solicitasse ao governo de Minas a alocação de recusos mensais para o custeio.

Redigi pessoalmente um ofício que foi assinado pelo prefeito e entregue por nós ao então secretário de Estado da Saúde, Marcus Pestana (hoje deputado federal) na sede da AMVAP, no dia 17.11.2007.

Desconheço qualquer gestão política posterior, junto ao governo do Estado.

Vereadores? Nada! Nenhum pio, nenhuma "moção de apoio", nenhuma cartinha ao governador ou presidente da República, etc.

Até minha saída (a pedido) do governo, em 31.03.2008, não soube de uma ação sequer, dentro ou fora do governo, pra tentar viabilizar o financiamento do custeio pelo governo do Estado.

Os que agora fazem demagogia eleitoreira com o assunto, na época mantiveram o rabo entre as pernas.

Em meados de 2009, fui convidado pela Rádio Araguari para conceder entrevista, no estúdio, ao programa "Salada Mista", com Wilson Prado e Limírio Martins. No meio da minha entrevista, entrou no estúdio o prefeito Marcos Coelho, que participou da entrevista e garantiu que em 90 dias o hospital estaria funcionando.

Após a entrevista, conversei com o prefeito e alertei para a necessidade de garantir recursos permanentes para o custeio (manutenção) do hospital.

Falar agora (novembro/2011) que o problema do hospital é falta de recurso pra manutenção é chover no molhado.

Tenho conhecimento, argumentos e documentos suficientes pra debater esse assunto com quem se dispuser. Exceto com anônimos ou fakes.

Anônimo disse...

Vamos Araguarinos vamos lutar pela nossa cidade
infelizmente estou longe não posso fazer muito
mais podem contar comigo q estou a disposição e a favor dos direitos de todos

Anônimo disse...

É parabéns ao Ex secretário Edilvio Mota pelo bom trabalho desenvolvido na secretária de saúde

Edilvo Mota disse...

Esta é para o Eduardo (comentário acima) e demais refletirem:

Jornal DIÁRIO DE ARAGUARI, coluna "CURTAS", edição de sexta-feira, 25/11/2011, página 2:

"FRASES
Procuro sempre andar para frente do que ficar preocupada em olhar para trás!" Eunice Mendes

* A autora da frase era vereadora de oposição, na legislatura 2001-2004, período em que foi concebido, construido e "inaugurado" o Hospital Municipal. Se houve, como dizem, desvio de dinheiro público na obra, naquele período, a vereadora teria sido, então, omissa no cumprimento de sua obrigação de fiscalizar. Teria, ainda, a vereadora na época a obrigação de questionar o governo sobre a viabilidade econômica e operacional do hospital. Poderia (deveria) por exemplo ter promovido uma audiência pública, convidando Ministério Público, Conselho de Saúde, Associação Médica e socieadade em geral para debater o assunto. Nada foi feito.

* Ouvi pessoalmente, pelo menos por duas vezes (em 2010 e 2011), do atual vice-prefeito Jubão, que naquela época (2001-2004) era vereador e foi lider do governo Marcos Alvim, na Câmara que "QUEM MANDA NA SAÚDE AGORA É A EUNICE MENDES".

* Então, seria a fala da ex-atual vereadora/secretária de Educação, um recado para que seus assessores na Secretaria Municipal de Saúde deixem o assunto (as tais irregularidades e a omissão da Câmara) de lado?

garliene arts disse...

iiiii quem vive de passado é museu .....BORA LÁ....VAMOS FAZER UM PROJETO TODOS JUNTOS , pra um hospital de verdadee e melhor da região....sabemos exatamente o que foi feito de tudo isto ai, e se todos que ali estiveram na epoca não fizeram nada, se omitiu , fizeram vistas grossass,esquece isto ai, ja caduco de vez mesmo....FAZER PROJETO NA AREA DA SAUDE E COM COMPETENCIA de uma ação verdadeiramente transparente.....AGORA DEIXAR PRAJ USTIÇA PUNIR DE FATO QUEM TEM CULPA E TB PUNIR INDIRETAMENTE QUEM TEVE PARTE NISTO TUDO.....#esperançadediasmelhores

garliene arts disse...

NÃO CONCORDO EM QUE AS PESSOAS ENVOLVIDAS NESTA FATO , AINDA SEJA DO GOVERNO , E QUE TODA A JUSTIÇA QUE ESTAMOS AQUI PREGANDO NEM ARRANHA OS CANALHAS QUE ROUBOU ESTE MOTANTE QUE AINDA HOJE MAMA NA TETA DO DINHEIRO PUBLICO E AGORA ME POUPE DESTE COMENTARIO LASTIMAVEL DE QUE ISTO VAI SE RESOLVER ..... BLÁ,BLÁ,BLÁ....... SUMIU NINGUEM VIU E TA LA AGORA PRA TODO MUNDO VER E ACREDITE EU JAMAIS ACEITEI ISTO QUE AI ESTA...E NEM APROVO NADA DISTO...A JUSTIÇA AGORA QUE FAÇA A SUA PARTE E NEM ADIANTA VIM AGORA DIZER QUE TEM EQUIPAMENTO E TALLL ....QUE ESTA ACABANDO, VEJA SE NEM A JUSTIÇA FOI FEITA , E TODOS AINDA ESTÃO AI NAS RUAS E RINDO DAS NOSSAS CARAS....ai esqueci cadê meu nariz de PALHAÇA.

garliene arts disse...

E completando ....FALTA DE DINHEIRO??? CADÊ PROJETOS ???Alguem viu publicado?? Pois eu não vi nada ... e assim vem dizer que não tem dinheiro pra tocar?? BLÁ..BLÁ..BLÁ .. postei no fala Araguari como o SUS é roubado diariamente , tem grana o suficiente pra resolver problemas de saúde, do que nós e o brasil precisa....E AGORA DE QUEM É A CULPA???

Edilvo Mota disse...

Pronto.

Todos os problemas estão resolvidos!

Simples assim.

Anônimo disse...

Até entendo que já passou, o que passou, passou, mas o povo tem que ser esclarecido sobre as pessoas, notadamente aqueles que sempre estão do lado do poder, levando vantagem. Para tanto, sempre dão gusparada no prato que comeu. O exemplo disso é o vice-prefeito, o porcao e outros mais. Temos ainda os aprendizes de feiticeiros, aqueles que pela primeira vez estão num cargo eletivo. Com certeza darão bons feiticeiros.