sábado, 13 de agosto de 2011

Hospital Municipal: demora injustificável

     É óbvia a lentidão do governo Marcos Coelho na resolução dos problemas que impedem o funcionamento do Hospital Municipal (HM). 
     Em 16 de junho de 2009, durante entrevista à Rádio Onda Viva, o atual prefeito prometeu que aquela unidade de saúde estaria atendendo à população "dentro de 120 a 150 dias". Prazo vencido. Até hoje, a promessa não foi cumprida.
     Posteriormente, em fevereiro de 2010, o Procurador do Ministério Público Federal  Cléber Eustáquio Neves visitou o HM e informou que, para que ele pudesse entrar em funcionamento, seria necessária uma prévia avaliação da estrutura do prédio a ser feita por  técnicos da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). No Gazeta do Triângulo, edição de 10 de fevereiro daquele ano, o Procurador afirmou:“Nós esperamos que a prefeitura consiga o laudo da UFU num prazo de 30 dias”.
     Na edição de 5 de maio de 2010 do referido jornal, o secretário de Governo, Leonardo Borelli, afirmou que “Estamos tentando conseguir uma dilatação nos prazos, que no entendimento deles [Ministério Público] foi excedido ao extremo, para que a administração atual faça as adequações no Hospital se o laudo da Universidade Federal de Uberlândia - UFU apontar essa possibilidade.".
     Já no dia 04 de fevereiro deste ano, no mesmo jornal, a secretária de Planejamento Thereza Griep informou que os peritos da UFU vistoriariam o HM no dia 8 daquele mês. Na ocasião, afirmou:  “Agora será observado se existem condições para transferir o Pronto Socorro. Eles [técnicos da UFU] se mostraram muito abertos para que isso possa ser feito com grande agilidade”. No dia fixado, os engenheiros da UFU fizeram uma espécie de exame informal no prédio, apontando algumas das diversas irregularidades ali existentes.
     Pois bem, somente agora ocorreu a contratação exigida pelo Ministério Público desde fevereiro de 2010. Conforme a edição do Correio Oficial de 10 de agosto, o contrato com a Fundação de Apoio Universitário (órgão da UFU), só foi assinado no dia 8 deste mês.  Segundo o Contrato Administrativo nº 087/2011, feito sem licitação,  a contratada terá um prazo de 120 (cento e vinte) dias para prestar os serviços de vistoria, inspeção e verificação das instalações do HM. Em outras palavras, se não houver prorrogação de prazo, o laudo deverá ficar pronto apenas no início de dezembro deste ano.
     Como se vê, o governo atual levou um ano e meio para contratar os serviços de elaboração do laudo necessário à autorização de funcionamento do HM. Sem afastar a inegável responsabilidade da gestão anterior, que criou o "elefante branco", não se pode negar que o governo Marcos Coelho mostra-se extremamente lento na tentativa de colocar o Hospital em fucionamento. Nem mesmo a desculpa de demora no processo de licitação poderia ser usada pelos gestores, uma vez que, desde o início, falava-se em contratação direta (sem licitação).
     Essa lentidão é injustificável e, somada às irregularidades praticadas na gestão Marcos Alvim, vem penalizando fortemente os cidadãos araguarinos. A essa altura dos acontecimentos, o atual prefeito também deveria ser responsabilizado judicialmente pela excessiva demora na entrada em funcionamento do HM. Para tanto, basta que o Ministério Público Federal atue com o devido rigor, ajuizando as ações necessárias.

Clique nas datas e leia as reportagens publicadas no Gazeta do Triângulo, edições de 10/02/2010, 05/05/2010 e de 04/02/2011 .
Clique aqui e leia a publicação da síntese do contrato firmado com a Fundação de Apoio Universitário.

4 comentários:

Aristeu disse...

A esta sequencia de fatos dá-se o nome de agenda negativa.

garliene arts disse...

E assim o tempo vai passandooo .... passandooo... e o prédio vai ficandooo ... ficandooo.. Novela que autor O TEMPO não termina nunca. Vai entender né?? E devido ao TEMPO tem tanta gente no bolo que so dando parabénss pelo aniversárioo neste momento. =S

Anônimo disse...

a culpa é do Glaucio!!!!!!

Anônimo disse...

falando em secretário de governo o Leonardo Boreeli tá calado ultimamente