terça-feira, 9 de agosto de 2011

Funcionamento do Pronto Socorro no Hospital Municipal depende de liberação do Ministério Público Federal


Escrito por Talita Gonçalves
Qua, 10 de Agosto de 2011 00:00


Deve ser entregue hoje ao Ministério Público Federal (MPF) o laudo técnico estrutural do Hospital Municipal. O procurador da república, Cleber Eustáquio, irá decidir se uma ala do Hospital pode ser liberada para o funcionamento provisório do Pronto Socorro, bem como o uso dos equipamentos médicos que se encontram no prédio.
Três engenheiros do município fizeram uma vistoria na área e estrutura do prédio do Hospital, a fim de garantir sua estabilidade estrutural. O laudo foi entregue ontem à Procuradoria do Município.
A mudança temporária do Pronto Socorro para o Hospital Municipal Nephtali Guimarães Ferreira possibilitará que o antigo prédio situado à praça da Constituição dê lugar a UPA - Unidade de Pronto Atendimento. O projeto aguarda a liberação de recursos da União, que fazem parte do PAC 2.
Construído há 20 anos, o Pronto Socorro recebia na época 5 mil atendimentos ao mês. Atualmente, esse número triplicou, chegando a mais de 15 mil. Na coletiva de imprensa realizada no dia 5, Iara Borges, secretária de Saúde, afirmou que atualmente não há nenhuma estrutura que comporte o Pronto Socorro para a construção da UPA além do Hospital.
Segundo informações da prefeitura, não há previsão de quando o MPF divulgará a decisão. “Com certeza, acreditamos que o procurador irá sinalizar favorável a transferência, uma vez que é de extrema importância para a saúde de milhares de pessoas,” disse o prefeito Marcos Coelho de Carvalho (PMDB).
Transcrito do Gazeta do Triângulo, edição de 10/08/2011 (clique aqui para ler).

Pitaco do blog
Tudo que se refere ao Hospital Municipal é nebuloso.
No caso da notícia, alguns detalhes nos causam estranheza. Primeiro, o fato de se atribuir ao Ministério Público Federal o poder de liberar o uso de parte do prédio do HM para abrigar o Pronto Socorro. O Ministério Público não faz parte do Poder Executivo Federal e, também, não tem o poder de autorizar o funcionamento de unidades de saúde. No máximo, poderá emitir um parecer favorável a essa liberação ou comunicar que, de sua parte, não há restrições ao uso pretendido. Isso, por si só, não resolve o problema. Existem outras etapas a serem cumpridas pelo município.
Segundo, também causa-nos surpresa o fato de o Ministério Público contentar-se com laudo de engenharia elaborado por servidores do próprio município de Araguari. Será que esses profissionais teriam a isenção necessária para confeccionar tal documento? Será que um dos engenheiros responsáveis pela "construção" do HM também assinará esse laudo?
Esquisitices à parte, só nos resta torcer para que os problemas da saúde pública em Araguari sejam minorados. Contudo, fica difícil acreditar em boas soluções quando o governo parece andar em círculos. A própria gestão vai criando adversidades. Explicando melhor: para construir a UPA, o governo precisa derrubar o Pronto Socorro; mas antes de derrubar o prédio, necessita transferir o PSM  para o Hospital Municipal; contudo, para usar o prédio do Hospital, será necessário obter autorização do Ministério da Saúde...

7 comentários:

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 9 de agosto de 2011.

Prezado Marcos,

E... como o Ministério da Saúde foi alvo de uma genial, desleal e IMPUNE trapaça, deverá mesmo priorizar apenas o ressarcimento do valor disponibilizado.

Correto ?!

No portfólio do artista GLÁUCIO, temos fotos deste GOLPE DE MESTRES ?!

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Anônimo disse...

Janis, acho que seria aceita uma proposta de pagamento parcelado desse débito à União.
Obtido o parcelamento, o município teria como pensar em colocar o hospital para funcionar.
Além disso, teria que cobrar dos causadores do prejuízo. Mas, pelo ouvi dizer, não adotaram nenhuma medida administrativa para punir os responsáveis ou resguardar os cofres públicos.
O que não pode é deixar a saúde pública viver na base do "se" e do "quando". Se a União liberar, transfere-se o PSM para o prédio do HM. Quando estiver pronta a Policlínica, o mamógrafo voltará a funcionar...
Marcos

Anônimo disse...

"prefeito mantém entendimentos POLÍTICOS com o Procurador da República"

"prefeito aguarda o Procurador da República AUTORIZAR a utilização do prédio do hospital municipal"

toc, toc, toc...

alguém avisa aí pro prefeito os limites da atribuição do Procurador da República

aonda anda a secretria de gabinete, secretaria de governo, secretaria de comunicação? socorro!!

Anônimo disse...

e os vereadores da época que ninguém fiscalizou o hospital nao tem que pagar tbm?

Iconoclasta disse...

Isso já virou foi uma tragédia! Administração incompetente!
Preste atenção no drible da vaca que o "Novo Modelo" quer aplicar no Ministério da Saúde.
A administração está contando apenas com o seu próprio laudo técnico, que atesta apenas a estabilidade do prédio. E o laudo técnico do departamento de engenharia da UFU? O qual o próprio procurador da república requereu? Esse laudo técnico os gestores do municipio não quer valer-se dele. O motivo é óbvio, pois o "Novo Modelo" quer pressa, e por outro lado sabe muito bem que o laudo da engenharia da UFU vai ser um entrave, pois este irá notificar o municipio das irregularidades do prédio obrigando-o a tomar providências,como reparos nas suas depedências, o que levaria tempo e gastos, principalmente essa última que o senhor "iluminado muquirana" não quer assumir.
Acham que nos enganam... Apenas acham...
Gláucio por favor, não vá fotografar o Hospital, senão vão dizer que as sua fotos prejudicaram na transferência.

Anônimo disse...

Sem fotos POR FAVOOOR....
Os governantes não gostam de concorrencia!

Sandra Lúcia

garliene arts disse...

DE NOVO??? O Hospital??? Ahhh Agora vai =))