terça-feira, 26 de julho de 2011

Resposta à coluna "Em Foco" do Correio de Araguari


Sobre a coluna Em Foco do dia 26 de julho:

A coluna “Em Foco” do jornal “o Correio de Araguari”, do dia 26 de julho, oferece novamente frondoso e gratuito ataque ao funcionalismo municipal. A tentativa de desconstrução de imagens é necessária ao Novo Modelo, desta forma, através de órgãos viciados da imprensa local, alguns segmentos e personalidades contrárias às atitudes do atual governo municipal, passam a ser alvos de críticas baixas e sem qualquer fundamento.

São tentativas dúbias de tentar jogar a população contra o funcionalismo. O “colunista” chega a afirmar:

“Em alguns setores da Prefeitura de Araguari há um certo “patrimonialismo”, com muitos servidores concursados julgando-se donos do poder público municipal nas suas respectivas áreas de atuação, esquecendo-se do caráter público de suas funções.”

Ora, como servidor não me considero dono de poder algum, a não ser àquele que o “locus” do cargo em que fui aprovado me proporciona. Afinal entrei pela porta da frente e não por ser apadrinhado por algum membro do atual governo.

Na mesma coluna, o “escritor insinua:

“Para piorar o quadro, a maioria dos servidores nomeados para cargos de confiança tem salários menores que os servidores concursados, pois estes vão acumulando vantagens, como gratificações, horas extras, qüinqüênios etc, o que leva à falta de comprometimento e interesse pelo serviço público de alguns servidores nomeados em cargos de confiança.”

O “articulista” em questão – a coluna não é assinada – é deveras mal informado ou mal-intencionado. Não é segredo que a maioria do funcionalismo municipal tem por provento básico o salário mínimo, que hoje é de R$ 545,00. Por mais vantagens que acumulemos, nunca chegaríamos ao salário de um comissionado. E não sendo só este fato, o “comunicador” em questão, expõem de forma negativa àquilo que com o decorrer do tempo fundiu-se legalmente a nossos vencimentos. Meu caro “jornalista” leia a Lei Orgânica do Município. Temos direito ao qüinqüênio, promoção e progressão, sendo que a última o governo descumpre não realizando a revisão de plano de cargos e salários.

Igualmente, é necessário fazer algumas considerações à afirmação de que servidores acumulam horas extras e gratificações. Em primeiro lugar, lembro a todos que o servidor municipal de Araguari é regido pela CLT. Nesse caso, para incorporar gratificações ou horas extras, é necessário recebê-las por 10 anos consecutivos, o que torna difícil o acúmulo. È quase impossível ganhar horas extras ou gratificação por 10 anos consecutivos. Portanto, a coluna apenas especula sem apresentar fatos.

E como insinua ainda a coluna, se houvesse falta de compromisso de concursados, com a atual falta de estrutura e condições de trabalho, certamente a Prefeitura já teria parado todos os setores. O que ainda move é a boa vontade de todos os meus companheiros servidores. Servidores que muitas vezes improvisam, compram material com o próprio dinheiro para fazer o serviço andar. Companheiros que como o colega Claudimir Lourenço e Antônia Arruda, se deslocavam de suas casas fora do horário de trabalho, para dar palestras sobre dengue em associações de bairro, sem sequer ganhar horas extras. Isso nos tempos das boas relações no controle do dengue.

O ataque ao funcionalismo é fácil interpretar. Notamos que em momento algum o enganoso governo abrirá concurso, por isso a necessidade de criticar os funcionários de carreira. Daí eu sempre usar o termo desconstrução. O governo nunca teve boa relação ou respeito pelo servidor concursado, por isso a necessidade de “queimá-lo” junto à população, desta forma justificando o processo seletivo simplificado. Simplificado e duvidoso, se me permitem. Já ficamos sabendo que serão contratados 47 agentes de endemias. Para quem diz que está com o edital de concurso pronto, não entendemos a necessidade de contratar por processo simplificado.

Mesmo que se abra concurso, foram anunciadas 150 vagas, principalmente para Educação e Saúde. Num universo de quase 3000 funcionários, com a atual defasagem e com o montante de contratos existentes, considero 150 vagas irrisórias para completar os quadros.

O “colunista” ainda comenta:

“A estrutura salarial na Prefeitura de Araguari apresenta grave inversão de valores, com Diretores e Chefes ganhando menos que alguns de seus subordinados, levando a distorções na administração pública, que afeta a hierarquia funcional, prejudicando todo o serviço público.”

Bem aqui nem vou comentar, pois já considero um atentado à inteligência de qualquer um.

Novamente o jornal “chapa branca” faz malabarismos para encobertar erros do governo. Porém, tais erros são tão grotescos que são impossíveis de maquiar. Certamente a verdade virá nas próximas eleições. Talvez por isso o desespero dos defensores do Novo Modelo.

Aproveito para agradecer ao Marcos a oportunidade e deixo aqui meu fraterno abraço aos meus colegas servidores que sempre estão por aqui.

Wellington Colenghi Galdino
Ganhado pouco, mas trabalhando com compromisso.

67 comentários:

Antonia arruda disse...

É isso porque será este odio que esta administração e seus aliados alimentam pelos concursados, será que é por falta e capacidade de passarem em um concurso público feito de forma honesta e correta para contratação do funcionalismo, ou ainda será uma forma de jogar a culpa do péssimo serviço prestado pela prefeitura a administração? Isso não adianta quanto mais eles tentam defender pior fica a situação.

Anônimo disse...

WELLINGTON COLENGHI GALDINO

mais uma vez você recebe meu aplauso e minha manifestação pública de respeito e admiração.

EDILVO MOTA
Araguarino genérico

EFGoyaz disse...

Muito bom! Temos que divulgar esse texto!

Edilvo Mota disse...

Glaucio...

é possível, sim...

1) gerenciar o sistema municipal de saúde, ainda que provendo precariamente o cargo por indicação do chefe do Executivo (sem concurso);

2) exercer o munus com autonomia, independência e autoridade, sem quebrar a hierarquia;

3) resistir, de forma civilizada, mas dura, às pressões de agentes políticos e seus assessores;

4) conviver com maioria opositora na Câmara Municipal, dentro dos limites da boa educação;

5) atender sempre à imprensa, jamais omitindo ou negando informações, mesmo nos piores momentos;

6) respeitar e ouvir os servidores públicos municipais, sem perder a autoridade do cargo e administrando as divergências.

Para isto, bastam competência técnica, inteligência emocional, serenidade e firmeza sempre que preciso.

Simples assim...

EDILVO MOTA
Araguarino genérico

Anônimo disse...

Parabéns!!Colenghi temos que começar trabalho formiguimhas, trabalhando no bairros e mostrando a verdade esse povo e quem apoia-lo? vai ter respostas nas urnas,esse Astério não é atoa que é uma astérica,jornaleco sem credibilidade financiado por Marcão o povo tem que saber ,aliás esse é o nosso trabalho,beijos

Anônimo disse...

Há alguns anos na minha Araguari, baderneiros e encrequeiros como voces deste site, seriam levados de madrugada para o Rio Jordão e levariam uma coça por tantas mentiras. Mas como existe hoje uma tal de democracia, isso é inviável.
Tantas mentiras contra a imprensa, provocações contra um governo que melhora A Minha cidade a olhos vistos. Um cara igual esse que escreveu o texto, se é que ele escreveu mesmo, afinal se fosse tão bom não teia um cargo tão singelo na prefeitura e estaria noutro ramo.
E se ele escreveu o texto, não deve ser tão comprometido assim, pois teve tempo de sobra. Quem o conhece diz tratar de um fanfarrão apenas.
Tenha dó, funcionário dando paleestra sem ganhar hora extra....
Rirei sempre de suas provocações. A reeleição vem aí. E os senhores pessimistas que se mordam.

Iconoclasta disse...

"Há alguns anos na minha Araguari, baderneiros e encrequeiros como voces deste site, seriam levados de madrugada para o Rio Jordão e levariam uma coça"

Olha a espécie que faz parte do "Novo Modelo". Vejam com quem estamos tratando. A situação é séria!!! Mas foi nessa tal de democracia senhor anônimo, que o Marcos Coelho foi eleito, uma vez investido do poder que a população lhe conferiu está sujeito a criticas. Mas com esse pensamento o senhor apenas reforça o que já estamos cansados de saber, é um governo que não respeita as divergências de opiniões, que resolve tudo na truculência e perseguições.

Iconoclasta disse...

"provocações contra um governo que melhora A Minha cidade a olhos vistos"

Aponte as melhorias que a atual administração conseguiu para a cidade. Deixe de tratar o assunto de forma abstrata, enumere os fatos.

Bruna disse...

Bruna

Recebemos seu e-mail.
A Prefeitura têm excelentes funcionários, mas tem aqueles que deixam a desejar. Num todo a produção deveria ser a mesma do trabalhador de uma empresa da iniciativa privada, mas você sabe que não é.

No Governo do Dr. Neiton de Paiva Neves, que foi antes da Constituição Federal, não era exigido concurso público para ingressar na carreira pública, quando ele deixou a Prefeitura, cerca de duzentos funcionários não ganharam estabilidade e nenhum foi demitido por nenhum prefeito que sucedeu Neiton de Paiva.
Portanto, não é bem o que você disse.
Abraço
Astério

Marcos disse...

Quero parabenizar o Colenghi pela manifestação. É assim se faz democracia. Todos são livres e iguais. A liberdade de expressão do pensamento é livre.
Esse texto deveria ser lido e, se possível, entendido pelos atuais gestores da cidade. É preciso repensar a relação entre os governantes e a sociedade. São necessárias uma maior transparência na gestão, mais urbanidade na relação com os funcionários, mais humanidade no atendimento aos usuários da saúde pública,etc.
Na condição de araguarino e com base na experiência acumulada em três décadas no serviço público, fico profundamente chateado com o que vejo na cidade. Não me refiro somente à atual gestão. Pesquisando leis e atos de gestões anteriores, também vejo inúmeras irregularidades. A impressão que tenho é a de que, apesar da mudança formal dos gestores, na prática um mesmo grupo político permanece no poder há tempos, produzindo e reproduzindo vícios graves. Enquanto isso, o povo, alijado das decisões, permanece sofrendo sem saber que seus direitos estão sendo solenemente desrespeitados.

Mirian disse...

Edilvo você quer brincar? vamos brincar:
Seu governo inchou a folha de pagamento da prefeitura, com a incorporação de diversas gratificações dadas aos mais "chegados". Somente os apadrinhados do governo marcos alvim tiveram benefícios com o plano de cargos. Permitiram que diversos médicos recebessem salários de até 30 mil reais, superiores ao teto federal que é dos ministros do STF, uma afronta à constituição que prevê que no município nenhum servidor pode receber mais que o salário do chefe do executivo. Mas como você tá sempre posando de bom moço, vai continuar na defensiva. Mas não vamos esquecer todos os desmandos e irregularidades cometidas pelo seu governo.

Iconoclasta disse...

"Um cara igual esse que escreveu o texto, se é que ele escreveu mesmo, afinal se fosse tão bom não teia um cargo tão singelo na prefeitura e estaria noutro ramo."

Em quais critérios vc apoia para sustentar a duvida de que não foi o Colenghi o autor do texto?
Vc fez uma conexão totalmente preconceituosa, associou o seu cargo com um nível cultural e intelectual baixo. Podemos extrair dessa posição preconceituosa o fato de como o "Novo Modelo" relaciona com as categorias que se julga "inferior".

garliene arts disse...

Wellington Colenghi Galdino PARABÉNNNSSSS , te aplaudo de pé , é uma vergonha isto que se passa em nossa cidade , pois a merda foi feita desde a campanha das eleições e nem sei como conseguem dormir, contas rejeitadas pelo TCU é tão claro como esta tudo errado, e nem gestão tem, levam tudo com a barriga, e se foda quem é honesto, pois compraram votos e foram até pegos na boca da botija, SINTO ENVERGONHADA, pois eles sabem que agora estamos de olho mesmo , COMPROU VOTO??? Votem em outro , pois democracia é rotatividade de cadeira e não cadeira fixa. Oraaaa que triste , e enquanto isto nossas amigas vizinhas cidades festejam alegres o crescimento e desenvolvimento , enquanto aqui na pacata ARAGUARI estamos sujeitos a este tipo de situação.Lastimável....>>>Pessimo saber que ainda se pensa em uma reeleição com tanta sujeira que esta debaixo do tapete. E projetos que é bão pra nossa cidade, para um bom crescimento e desenvolvimento , NADA>>>> NADA>>>
Rummmm =S

P.S - Mesmo com merreca de salãrio ainda divide ,sendo o laranja idiota, todos sabem quem são. =S

Irene disse...

Levar para o rio Jordão? É realmente preocupante quando elementos do governo se apoiam na TORTURA para se manter no poder.
Arrependo a cada instante da minha vida quando lembro que votei nesse homem. A partir da próxima eleição vou é anular o meu voto. Pelo menos não vou ficar decepcionada.

Iconoclasta disse...

O artigo publicado no orgão oficial do "Novo Modelo" trata o funcionário concursado como aquele funcionário negligente, descompromissado e desinteressado com a sua função.
O preconceito do artigo que é a voz oficial do
"Novo Modelo" nos revela que a admnistração tem a sua própria solução, empregar mediante contrato, pois assim vc têm um fucionário não digamos compromissado mas amendrontado que é o mais importante, um servidor onde as suas garantias seriam minadas, as vantagens que poderia ele perceber com o tempo de serviço prestado seriam aniquiladas, e tudo isso para satisfazer a "elite" da administração ou na sua própria concepção, os melhores.
Eis a ética do "Novo Modelo"!

Nilton Eduardo disse...

Existe uma distorção generalizada em ambas as partes, tantos daqueles que defendem o funcionalismo público de todas as maneiras, quanto por aqueles que o desvaloriza.
Na realidade, nunca houve uma política criteriosa para a elaboração de concursos (sem contar que todos, nos últimos anos, sem exceção, foram contestados), aliado ao fato de que o recente plano de cargos e salários do município considera muito pouco um fator primordial para que haja recíproca entre servidores e servidos: a meritocracia.
Com o passar dos anos, os concursos públicos foram realizadas para atender "necessidades momentâneas", resultado de "carências" mal dimensionadas por diversos gestores de secretarias, ou para atender a criação de estruturas específicas, para convênios com o estado ou a união que, exigem muito dos municípios e, na prática, oferecem pouco. Resultado: mais contratações que, com o passar dos anos, são consideradas como desnecessárias, excedentes, ou inviáveis pelos administradores que em geral sucedem aqueles que determinaram as admissões.

Para o servidor, infelizmente, resta pouca, ou nenhuma condição de realização e progressão funcional; na ponta, o cidadão insatisfeito com a qualidade do serviço público que lhe é oferecido.
Não é de conhecimento geral a realização de um concurso interno, visando uma reengenharia de toda a estrutura (falha desta e de todas as administrações anteriores).

Por outro lado, é grande a resistência de muitos servidores em atuar de forma polivalente, de fato a serviço da população, respeitando os critérios administrativos daqueles que, ainda que momentaneamente, estão no comando. Baseados na argumentação equivocada de que desvio de função não é permitido (quando a legislação oferece alternativa para essa possibilidade), muitos criam dificuldades para os administradores e, isto tem que ser mencionado e analisado.
O resultado disso é uma máquina administrativa gigante, sem mobilidade e com baixíssima eficiência naquilo que deveria ser o foco de uma administração municipal: prestar serviço aos munícipes.

Falta aos gestores públicos, servidores, legisladores e, claro, a sociedade, discutir o tema, que é complexo e, por incrível que pareça, vem se tornando em um dos grandes entraves – se não o principal - para o real equilíbrio das contas públicas.

Anualmente os cofres municipais investem, seguramente, 48 milhões em folha de pagamento e, nenhuma das partes - governantes, servidores e a população – estão satisfeitos com os resultados.

Beto disse...

Me desculpem! Mas Limirio, Astério entre outros que participam do governo, não são pessoas apropriadas para falar de política no seu sentido moral e ético. O que fazem é Discutir policagem ou atos politiqueiros, e estes apenas com um único próposito: extrair beneficios próprios.
Não é apenas o passado deles, com processos e dividas com a justiça que o tornaram pessoas indignas de discussões no campo moral e ético, como também na falta de conhecimento histórico, sociológico e filosófico. Dominam a ciência politica? Evidente que não.
Quem já teve o des(prazer) de ouvi-los comentar sobre política tem uma clara impressão de como são intelectualmente miseravéis ao tratar o assunto.

Parabéns Colenghi pelo texto! Não é a sua profissão ou cargo que ocupa que vai determinar o seu grau de conhecimento e visão crítica. Conheço muitos "doutores" que não enxergam uma palmo a frente, completamente alienados.
O seu trabalho é muito importante para a população, pois dengue é uma doença terrivel. Apenas quem teve pode falar.

Anônimo disse...

MEU governo?! Ué, gente, boa idéia...

Brincar?! Ah, não; andam cobrando muito caro!!

EDILVO MOTA
Araguarino genérico

Colenghi disse...

Respondendo algumas questôes do anônimo, que pelo visto, transcende o AI 5.
Encontro-me gozando período de férias,portanto não escrevi artigo em horário de trabalho.
Cursei 7 períodos do curso de História da UFU, não terminei o curso, coisa que resolverei à partir do próximo ano.
Apesar de ter um cargo subalterno, vivo honestamente e cercado de amigos que sempre me apòiam, por isso não escondo-me atrás do anônimato destilando posições pré-conceituosas.

Para rir um pouco:
Teria nosso prefeito procurado um médico para fazer um check-up. Nosso alcaìde reclamou de dor nas costas para o médico, que o respondeu:
_ Pode ser problema de coluna.
O prefeito revidou rapidamente:
_ Ora doutor, não me venha com essa! Como posso ter problemas com coluna se meu adjunto de saúde é colunista....No que se refere a coluna, sou iluminado!

Anônimo disse...

Apenas uma dúvida, esse Nilton Eduardo é aquele que participou do governo Marcos Alvim? Essa postura em cima do muro já lhe é de praxe.
Lembro perfeitamente quando os servidores públicos procuravam o ex-governo para discutir as questões salarias e a revisão do plano de cargos e salarios que nunca saia do papel, pois como é sabido desde a sua criação nunca foi revisto, esse moço recebia os servidores no palácio com descaso, com pouca e até as vezes com nenhuma vontade daquelas reuniões, que parecia mais lhe tirar o sossego. Nunca levou propostas contudentes e sérias que poderiam satisfazer os funcionários. Chegou até mesmo dentro do SINTESPA numa última reunião entre a categoria e o governo, já nas vesperas das eleições municipais a anunciar melhorias concretas para o funcionalismo apenas para o próximo pleito, isto é, caso o sucessor que ele apoiva na época saisse vitorioso nas urnas.
Não é o fato desse governo atual ser desastroso que também fechamos os olhos para a gestão anterior. Essa falha não corrige a outra.
Então senhor Nilton Eduardo a única diferença que vc carrega diante da atual administração, é o fato de não ter parte desse poder, mas são unificados pela consnciência opressora, apesar de mostrar simpático a primeira vista.

Anônimo disse...

È Miriam vai trabalhar e menos remédios vencidos para Á população...nossa anda muito melhor que antes remédios não faltam filas e filas... e os médicos foram enganados vcs vão ganhar bem funcionários reuniões e reuniões,certo foi Raulzinho que viu domo funciona perderam muitas verbas por falta de plandjamento... o que vc espera de um governo que mentiu tanto... se é honesto Miriam por que ?paeaeam com CLI se é honesto por que não prestou contas com a TCU? me reponda?se for inumerar os erros são muitos...só asfaltar o centro?o que senhor Marcos Coelho fez para à saúde?ele prometeu que inaugaria o Hospital por que não inaugurou?IPTU mal feito pobre pagando por que não tiveram a capacidade de trabalhar e investigar...agora se preparem contas ficarão e não são poucas...aguardem

Anônimo disse...

Esse Nilton Eduardo é um falso,nunca mas ocupa cadeira em governo nenhum traíra,achou que Marcão daria um cargo para se lascou,lugar de puxa saco é vender jornalzinho barato e enganador mamam na teta,falso traíra vaza cara de pau.

Colenghi disse...

SR. Nilton Eduardo:
Sou obrigado à concordar com o post acima. O Governo de que o senhor fez parte não respeitou o servidor, portanto não merece créditos, apenas críticas. Também quando o Senhor pertencia ao governo, tratavà-nos como adversários políticos, não como o braço da perfeitura.
Certamente se hoje o senhor fizesse parte do governo, estaria oprimindo os servidores, como antes era prática de seu governo.

Nilton Eduardo disse...

Olá Anônimo I,
Gostaria de lhe tratar pelo nome, mas por ora não recebi essa oportunidade. Sou eu mesmo, ex-Secretário de Governo entre outubro de 2007 a dezembro de 2008.
Nesse período, jamais atendi qualquer representante do Sintespa com má vontade. Ao contrário, cumpria com muita satisfação meu dever. Segundo o próprio presidente do Sindicato à época, e ainda atual, Tiãozinho, fui o primeiro a recebê-los com atenção (até então, segundo ele, infelizmente e grosseiramente, os representantes do Sintespa não eram recebidos pelos representantes do "Palácio").
Também, até onde tenho informação fui o único a ir até a sede do Sintespa por duas vezes, respeitosamente no cumprimento da minha função, apresentar as impossibilidades do ex-governo (de fato, concordo, eram condições nulas ante as reivindicações justas daquele momento). Desde então, não soube de uma atitude semelhante a essa adotada por nenhum gestor ou representante.
Na prática, cumpri meu dever plenamente, limitado pelas condições a mim oferecidas pelo governo do qual fazia parte. Em tempo, não é atribuição do Secretário de Governo apresentar propostas dessa natureza, ou elaborá-las, a atribuição do cargo é de representação do Executivo.
Entendo que educação, diálogo e a flexibilidade são os primeiros alicerces para a construção de um ambiente favorável a quaisquer negociações.
Pelo visto não nos conhecemos pessoalmente, o que impossibilita de que você saiba realmente minha modesta e sincera visão acerca do quadro que é desfavorável, sobretudo, para a população.
Infelizmente, caro Anônimo, o que ocorreu a época e, pelo visto continua e continuará ocorrendo é o uso polítiqueiro da questão que deve ser, impreterivelmente, tratada com austeridade e bom senso administrativo.
O que apresentei nessa reunião que você citou e, de fato ocorreu, foi a total impossibilidade daquele governo em atender as solicitações das recomposições previstas na lei e ainda que aumentos superiores àqueles - à época solicitados - somente poderiam ser analisados pelo próximo gestor em razão do Art. 73, da Lei n. 9504 de 1997 que proíbe aos agentes públicos a revisão geral da remuneração que exceda a recomposição da perda do poder aquisitivo ao longo do ano da eleição. Passei longe de qualquer alusão ao pleito de 2008, até porque era de meu conhecimento a desaprovação dos servidores em relação ao candidato de minha preferência à época e, se de fato o tivesse feito, seria facilmente denunciado pelo ato, uma vez que estava no exercício das funções públicas, o que impediria legalmente tal conduta.
Portanto, você está completamente equivocado, ou intencionalmente desviou o foco do comentário, por desconhecer a real complexidade do tema.
Tenho muitas diferenças de visão em relação a esta e a administração anterior também, assim como estou longe de carregar a tal "consciência opressora" a que você se referiu. Não preciso ser simpático, ninguém precisa. As pessoas são respeitadas por suas convicções e posturas, ainda que estas sejam errôneas.
Para encerrar, não é de meu feitio ocultar minhas posições, entendo que no texto meu pensamento ficou claro, assim como meu nome, ficou público; "vale a pena ler de novo":
Anualmente os cofres municipais investem, seguramente, 48 milhões em folha de pagamento e, nenhuma das partes - governantes, servidores e a população – está satisfeita com os resultados.

Nilton Eduardo disse...

Ao segundo "Post",

Respondo em respeito as centenas de leitores deste espaço: felizmente não preciso e nunca precisei de cargo público. Como felizmente meus negócios não precisam e jamais precisarão de recursos públicos por uma razão simples: sei trabalhar.

Nilton Eduardo disse...

Ao Colenghi,

Esclareço que sua impressão está equivocada, o que ocorria á època é que, de fato, muitas das ações que precediam ou acompanhavam as justas reivindicações, possuiam motivações políticas e deveriam (como devem) ser tratadas com outra abordagem.
Sobre as questões financeiras, fiz a exposição anteriormente e o tempo passado e nada feito até então, demonstrou que eu não faltei com a verdade perante ao Sintespa em minhas exposições.

Outro ponto que discordo: infelizmente não estava no governo quando foi elaborado o único instrumento que, ao menos até hoje, serve de patamar mínimo e referência para o respeito aos servidores, a lei que regulamentou o plano de cargos e salários, o que descredibiliza sua afirmação sobre o servidor não ter sido respeitado naquele período.

O que ocorreu é que as reivindicações (todas pertinentes) não foram atendidas. Portanto, entendo, novamente, que você é injusto a fazer tal afirmação.

Não quero, de forma alguma desrespeitá-lo, apenas estou ponderando, com toda deferência, com outros argumentos, que provavelmente você desconhece.

O Governo anterior falhou na continuidade da política junto as questões do funcionalismo,bem como na reestruturação do modelo administrativo.

O atual modelo falha ao sequer mencionar este tema com a devida profundidade.

Para maior esclarecimento, se fosse de meu interesse ter feito parte deste governo, teria aceito o convite, quando o atual chefe do executivo era ainda diretor da ACIA, entidade a qual pude presidir por 4,5 anos.

Aos demais leitores, desculpe-me pela extensão.

Mirian disse...

Sim Edilvo, seu governo e do Nilton Eduardo também!!!
Brincar custa caro?!?!?!! Engraçado na época em que estavam no poder parece que nada custava caro.
Nem mesmo um contrato com a máfia dos remédios (Leia-se Home Care), em uma jogada de mestre onde parecida mais fácil terceirizar a farmácia municipal do que geri-la (cadê o gestor de saúde?). Ainda bem que vocês não voltarão ao poder! Continue com suas aulinhas na Unipag!!!

garliene arts disse...

Post Colenghi "Para rir um pouco: KKKKKKKKKKKKKK"
Amei a piada =)) >>>>Criativa =))

27 de julho de 2011 13:25

P.S >>> Entre mortos e feridos , o corpo ainda está de pé =)) "Refletir"

garliene arts disse...

Olha a noticiaaa ai genteeee, nossinhoraaa agora pega fogo eitaaaa =SS

"STM efetiva comissionados, que passam a ter benefícios de concursados"

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2011/07/24/interna_politica,262481/stm-efetiva-comissionados-que-passam-a-ter-beneficios-de-concursados.shtml
Fonte:Correio Braziliense

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 27 de julho de 2011.

Prezados Navegantes,

Êbba !!!

Araguarinos em pleno debate...

Que maravilha.

Enfim, estamos caminhando para uma era onde o Candidato a candidato, uma Autoridade, e qualquer outro Cidadão, deverá - ao menos - dialogar com uma parcela dos eleitores, e fazer bom uso de uma mídia que - ainda pensam - ser completamente inexpressiva na formação de opinião.

Ledo engano.

O incremento do contador de acessos aqui ao lado, demonstra muito bem o tamanho do equívoco.

E vamos ao Novo Modelo de Gestão. ( ? )

E vamos ao Novo Modelo de Cidadão.

Que vota;
Que elege;
Que COBRA OBRAS COMPLETAS e FUNCIONAIS;
Que denuncia irregularidades;
Que prova e comprova o ilícito e
Que exige a punição.

E que, consciente, na iminência de uma IMPUNIDADE, de que NADA será feito pelas Autoridades competentes, bota a boca no trombone... digo, colocam os dedos nos teclados e manifestem suas contrariedades, remetendo questionamentos e documentos a qualquer Instituição que entender de direito.

Muito bom isso !!!

ANONIMATO é problema. Ainda temos muito a aprender.

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Ianis disse...

Ah... Em tempo:

Novo Colenghi!!!

Agora, iluminado à LED...

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Colenghi disse...

"Sim Edilvo, seu governo e do Nilton Eduardo também!!!"
Não coloco de forma alguma o amigo Edilvo no patamar do Nilton Eduardo. O Edilvo está anos luz à frente e considero-o o mais sóbrio e técnico que já passou pela gestão sa saúde.
Compará-lo aos cupinchas do Alvim é imoral.
Quanto aos pífios esclarecimentos do senhor Nilton, não me convencem. Ele poderia ter feito mais. Não o fez, agora vem desculpar-se.
Lembro que não conheço o senhor Nilto, exerço a crítica apenas no campo das idéias, não do campo pessoal.

Mirian disse...

cONSULTA AI edilvo: www.trf1.jus.br
Processo: 7546-32.2010.4.01.3803
Quem sabe vc caia na real!!!

Mirian disse...

Colenghi, para mim, são todos farinha do mesmo saco! Fecharam um grupo para f**** a cidade e foram execrados pelas urnas! agora ficam se esgalfinhando em críticas e apelos morais, como se tivessem sidos os mais honrados agentes públicos. Fizeram o que fizeram, saíram ilesos e continuam querendo dar lição de moral. Precisam ser alijados do poder e toda sobra de autoridade pública. Hospital Municipal, Home Care, Laboratório de Uberlândia (check UP) e diversos atos que fazem parte da "gestão" do "nobre" edilvo, e que acha que temos que esquecer, simplesmente esquecer. Não vamos! Vamos Incomodar mesmo! E se ficarem nervosinhos! Paciência! Engraçado que ele sempre fala em democracia, transparência, gestão, como se isso fora parte de seu vocabulário quando no poder! Ah mas o mundo da voltas e vocês não esperavam por elas.

Veritas disse...

Parabéns Colenghi, pelo post e pela coragem de falar quando muito se calam ou se omitem por causa das perseguições que nos são impostas pelos que estão no poder.

Nilton Eduardo disse...

Caro Colenghi,

Ao postar um comentário sobre o tema proposto por você, imaginei que o nível da discussão seria outro.

Apesar de você considerar meus esclarecimentos pífios, tenho certeza que foram os únicos que recebeu até hoje e, certamente, a julgar pela maneira a que me dirigiu as palavras, provavelmente será um dos poucos, até porque ao invés de questioná-los você prefere, apesar de não me conhecer, apresentar abordagens de caráter pessoal, totalmente maldosas e equivocadas: "Não coloco de forma alguma o amigo Edilvo no patamar do Nilton Eduardo (...)Compará-lo aos cupinchas do Alvim é imoral." Se isto não for pessoal, não sei o que é coerência.

Posso concluir que "fazer mais", pelo seu entendimento, seria conceder um reajuste impossível de ser praticado aquela época, aliás, até hoje ele não foi feito...Por quê? Ou então instituir as jornadas de seis horas para todo funcionalismo (isso é bom realmente para a população?).

Outro equívoco seu (mais um)é imaginar que faço parte do grupo político do Marcos Alvim. Estive, de fato, em seu governo, fato que me orgulho por ter servido Araguari. Mas possuo pensamentos bem diferentes ideologicamente e administrativamente e nossa relação política durou os exatos 14 meses em que exerci as funções de secretário.
Cargo aliás que só ocupei, repito, por estar há anos a frente da ACIA, onde tive o privilégio de conviver com o colega Edilvo Mota, junto a quem, reconheço, não estou no mesmo patamar.

Finalizando, não era minha intenção polemizar com você, ou seus pontos de vista, apenas compartilhei nesse espaço (Parabéns ao Antonio Marcos), algumas ideias e impressões que acumulei ao participar, ainda que pouco, de um governo.
Eu não pedi desculpas, nem o farei porque não há motivos, apenas participei do tema.
Com respeito, estarei sempre ao dispor!

Iconoclasta disse...

"Posso concluir que "fazer mais", pelo seu entendimento, seria conceder um reajuste impossível de ser praticado aquela época, aliás, até hoje ele não foi feito...Por quê?

Creio que dava para fazer sim... O verdadeiro entrave foi a falta de vontade política com o servidor. O plano de carreira foi criado em 2006, e a própria lei que o instituiu também falava da revisão anual que o mesmo deveria sofrer para evitar a defasagem salarial, algo que não se cumpre até hj.
A desculpa do art. 73 da Lei nº 9.504/97 não se encaixa nessa situação, pois a referida norma não impede a concessão da revisão geral anual de remuneração, quando efetuada em índices que sirvam à recomposição das perdas do poder aquisitivo constatadas naquele ano.
Isso porque a lei eleitoral não pode impedir o gozo de um direito constitucionalmente assegurado aos servidores públicos.
Mas de qualquer forma o prefeito da época poderia ter feito a recomposição no prazo estabelecido por lei que era de 180 dias antes da eleição até a posse dos eleitos.
(...) a partir do início do prazo estabelecido no art. 7o desta Lei e até a posse dos eleitos.
Se até hj não foi feito foi pela mesma má vontade política com os servidores públicos. Só que nesse sentido a má vontade está aliada com perseguições a nivel nunca visto antes.
O que reconheço no Marcos Alvim é a sua capacidade de diálogo, sempre recebeu todos muito bem e de forma educada.

Iconoclasta disse...

(...)Ou então instituir as jornadas de seis horas para todo funcionalismo (isso é bom realmente para a população?).

A jornada de trabalho de 6 horas pode ser boa sim tanto para a admnistração, quanto para os funcionários e toda a população. Basta fazer os estudos necessários para sua implantação.
É claro que existe setores onde o atendimento deve ser integral, os serviços essenciais, pra isso faça um planejamento adequado, revezamento dos funcionários. Muitos setores da administração quando funcionava 6 horas mostrou bastante produtivo.
Mas como é algo que carece de planejamento, a atual gestão não tem qualificação para tal empreendimento, então trabalha-se no instinto das 8 horas.
Uberlândia a jornada de trabalho é de 6 horas e Araguari que está nas 8 horas é noticia ruim quase toda semana. Se a sua premissa fosse verdadeira porque estamos lhe dando com inumeras dificuldades? A questão não é a carga horária mas a sapiência.

Ianis disse...

Antônimo ri:

(...)
O que reconheço no Marcos Alvim é a sua capacidade de diálogo, sempre recebeu todos muito bem e de forma educada.
(...)

HIPNOSE !!! Pura e aplicada.

Atenciosamente,
Antônimo em transe, embestado. Mas, rindo!

Iconoclasta disse...

Leiam a matéria que saiu no MGTV

"A Prefeitura de Araguari divulgou no início da noite desta quarta-feira (27) que não será possível realizar a transferência do Pronto Socorro da cidade para o prédio do Hospital Municipal."

Mas o Marcão não falou no radio que iria assumir toda a responsabilidade de tal mudança mesmo diante da negativa do Ministério da Saúde? Ou será mais um descumprimento das suas palavras?
Onde estão agora os defensores do "Novo Modelo"?
E olha que eu já tinha dito aqui, no dia em que ele viajou para Brasília acompanhado da analfabeta política. Não que eu seja um exper, era bastante previsivel que não consegueria NADA!

Matéria completa: http://megaminas.globo.com/2011/07/27/pronto-socorro-nao-sera-transferido-para-o-hospital-municipal-de-araguari

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 27 de julho de 2011.

Prezado Iconoclasta,

Como diria o Exmo. Sr. Ministro Joaquim Barbosa, " ... me perdoe a palavra, mas isso é jeitinho."

Remendos com Band-aid não são bons.

Hajam gambiarras!

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Anônimo disse...

Entre comentários inteligentes, divergências democráticas no exercício da dialética e pitadas de bom humor, vez por outra a mesma ladainha dos que, pela própria insignificância, precisam sempre se esconder sob codinomes.

As mesmas histórias requentadas, já esclarecidas e sobre as quais estarei sempre à disposição dos órgãos competentes: Ministério Público e Poder Judiciário.

Acaso nos últimos 10 anos a Câmara Municipal, qualquer vereador que fosse, tivesse cumprido minimanente sua obrigação, talvez não houvesse tanto assunto pra ti-ti-ti.

Alguns componentes do NOVOMODELO, naquela época (2001-2004 e 2005-2008) vereadores, fecharam os olhos para tudo. Coisas da política ou pragmatismo, diriam alguns. Omissão, diria eu.

Desrespeito por pessoas e instituições parece ter virado marca registrada. Um "modelo" a não ser copiado.

Atualizando o assunto, soube que o MGTV acabou de noticiar a negativa do Ministério da Saúde para a transferência do Pronto Socorro de Araguari para as instalações do Hospital Municipal.

Há meses manifestei, aqui mesmo, sem anonimato, minha opinião de que o MS não autorizaria, haja visto o objeto do convênio firmado, em 2002, entre Município e a União: construção e funcionamento de um hospital.

Atabalhoadamente, sem qualquer planejamento, sem senso de prudência, com a sutileza de um elefante arrumando cristaleira, foi anunciada a mudança para o mês de agosto.

Aguardemos, pois.

EDILVO MOTA

Anônimo disse...

Prezado Colenghi e amigos nominados.

Vejam como prevalece a tática diversionista.

A postagem inicial do Colenghi foi sobre a insistência do "diário oficial" em culpar os servidores concursados pelas mazelas da administração. Tornando, via de consequência, os pobres comissionados em reféns.

Quem já conviveu, como comissionado, com servidores concursados, sabe que isso é pura balela.

Respeito é via de mão dupla.

EDILVO MOTA
Araguarino genérico

ANTONIA ARRUDA disse...

"Há alguns anos na minha Araguari, baderneiros e encrequeiros como voces deste site, seriam levados de madrugada para o Rio Jordão e levariam uma coça por tantas mentiras. Mas como existe hoje uma tal de democracia, isso é inviável".
eNGRAÇADO UM CERTO RADIALISTA DE UMA CERTA RÁDIO DISSE ESTAS MESMAS PALAVRAS ALGUM TEMPO ATRÁS A RESPEITO DE UMA CARTA QUE HAVIA SIDO ESPALHADA PELA CIDADE FAZENDO DENÚNCIAS SÉRIAS A RESPEITO DESTE CERTO RADIALISTA E OUTRAS PESSOAS DA CÚPULA DO GOVERNO. AGORA DIGO PESSOAS COM ESTE TIPO DE PENSAMENTO MEECE ALGUM RESPEITO? ORA, ORA.

Iconoclasta disse...

Colenghi o "Novo Modelo" vai leva-lo até o Rio Jordão em Jerusalém, onde vc vai ser batizado nas águas sagradas, quando as águas banham o seu corpo o espirito expulsa o "DEMO o Demo-cracia"

Anônimo disse...

O Colenghi conseguiu incendiar as discussões com mais um bom texto.
Vocês podem achar estranho, mas gosto de ler o Correio de Araguari, sobretudo a coluna Em Foco. Aquele jornal tem um poder de premonição (para coisas ruins) espetacular. A opinião do jornal logo é refletida em ações da Prefeitura. Se for publicado que a tarifa de água em Araguari é baixa, no dia seguinte o Executivo toma medidas para aumentar o seu valor.
Em relação ao funcionalismo, o diapasão é o mesmo. Atacam os concursados para poder tentar justificar o excesso de temporários e de comissionados.
Existe uma relação muito próxima entre o jornal e o governo. Eu diria que é uma relação promíscua, muito próxima da improbidade administrativa e do crime. Causa-se estranheza a omissão dos vereadores e do Ministério Público, que a tudo assistem sem nada fazer. Aliás, me espanta a falta de reação até mesmo de outros jornais, que sequer questionam os resultados das licitações sempre vencidas pelo Correio.
Olha, esse Correio é uma empresa de muita sorte.
Marcos

Iconoclasta disse...

Esse jornal oficial do governo é uma piada pronta.
Também me entrego a sua leitura, apesar da HTML não ajudar muito, ele não deixa de ser engraçado. Tudo que falam lá, acontece estritamente ao contrário.
Assim Marcos, podemos dizer que é o reflexo invertido das suas supostas pretensões.

garliene arts disse...

Assiti a reportagem no MGTV 2ª edição,e no momento postei no meu facebook. A minha opinião mesmo que absurda, digo absurda pois aqui nunca se pode nada, mas atrapalhadas se pode tudo, CONTRUIR UM HOSPITAL publico, digno de nós cidadãos Araguarinos, resolveria todos os problemas , e ainda iria gerar mais empregos diretos e indiretos. #ficaadica. =))

Mirian disse...

Fizeram o que fizeram, saíram ilesos e continuam querendo dar lição de moral. Precisam ser alijados do poder e toda sobra de autoridade pública. Hospital Municipal, Home Care, Laboratório de Uberlândia (check UP) e diversos atos que fazem parte da "gestão" do "pífio" edilvo, e que acha que temos que esquecer, simplesmente esquecer.

Colenghi disse...

“A estrutura salarial na Prefeitura de Araguari apresenta grave inversão de valores, com Diretores e Chefes ganhando menos que alguns de seus subordinados, levando a distorções na administração pública, que afeta a hierarquia funcional, prejudicando todo o serviço público.”

O Edilvo está corretissímo quando diz:

"Respeito é via de mão dupla."

E sobre hierarquia e poder, cito Michel Folcault:

“Quando digo poder não se trata de detectar uma instância que estenda a sua rede de maneira fatal, uma rede cerrada sobre os indivíduos. O poder é uma relação, não é uma coisa”.
Michel Foucault (1981 apud DOSSE, 2001: 223)

Hierarquia e poder não estão ligados á salários recebidos, o poder transcede essa definição. Portanto, considerar a relação de poder usando apenas vencimentos do servidor para explicá-la é um conceito pobre e raso. Mas é querer demais que o colunista conheça pensadores como Foucault.
Não se respeita ou deixa de fazê-lo apenas pelo salário de um colega, seja subalterno ou superior na hierarquia.

Colenghi disse...

Ops
Corretíssimo. Acentuei errado.

Marcos Lander disse...

Olá a todos.
Nesta discussão ficam algumas perguntas.
De quem gostamos? Pelo jeito nem de Jesus.
Somos parceiros em Araguari? Pelo jeito nem na China.
Porque denegrimos a imagem das pessoas e colocamos defeitos nelas sem ao menos conhecê-la? Pelo jeito é o aprendizado da autodefesa.
Discutimos ideias ou pessoas? Pelo jeito pessoas.
Ah meus heróis não morreram de overdose, morreram em entregar a sua vidas ao próximo.

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 28 de julho de 2011.

Prezado Colenghi,

(...)
Há uns quatro ou cinco dias, enquanto aguardava numa birosca um lanche que degustaria em casa, fui expectador de algumas piadas bem interessantes, numa mesa próxima a minha,
(...)

Fonte - para rir um pouco MAIS:
http://www.correiodearaguari.com/correio/index.php?option=com_content&task=view&id=4425&Itemid=37

Cidade só riso!

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Edilvo Mota disse...

Analise.

Se você precisasse contratar um gerente para sua empresa, você contrataria um candidato que:

a- como dirigente de uma sociedade privada de saúde, tivesse cometido crimes contra a ordem tributária, desviando dinheiro da empresa com "notas calçadas", notas frias, saques em bancos endossando cheques da empresa sem noticiar o destino do dinheiro, comprado produtos para a própria fazenda e pago com cheques da empresa, comprado medicamentos sem nota fiscal e sem comprovação de entrega, deixado de recolher impostos ao governo federal e que, acionado pelos ex-sócios, responde a processo judicial por gestão frudulenta;

b- tivesse ojeriza pelo trabalho e vivesse de expedientes obscuros, em notória dependência química em relação ao álcool;

c- respondesse processo por desvio de dinheiro público, com condenação transitada em julgado;

d- tivesse péssimo histórico na relação interpessoal, com práticas reiteradas de assédio moral no ambiente de trabalho, além do estímulo contínuo à intriga;

d- nenhuma das respostas anteriores.

Você decide...

Edilvo Mota disse...

Se mesmo com desempenho "pífio" fui procurado pelo atual governo para reassumir da Secretaria de Saúde, imagino o que anda acontecendo por lá...

Anônimo disse...

Vamos medir a força desta massa anônima e mendiga em época de eleição.

Vale tudo para ajeitar um "carguinho"?

Temos visto que em Araguari isso é carreira, puxar saco de político e tomar partido à troca de um cabide.

Iconoclasta disse...

O vereador Tiãozinho falou na Rádio Vitoriosa Araguari a respeito do processo seletivo que está a caminho. Muito contundente na sua fala o vereador expôs de forma clara e objetiva os motivos que o levam a ser contra o processo seletivo para inserção no serviço público. Segundo o vereador o ingresso no serviço público deveria ser feito por meio de concurso para evitar qualquer dúvidas quanto a lisura do processo, onde cada candidato seria avaliado objetivamente garantindo assim transparência entre os concorrentes para a vaga. O vereador Tiãozinho também falou que está munido de documentos que comprovam irregularidades no processo seletivo, há fortes indícios que compromentem a lisura do mesmo, e que segundo ele já até fez a representação junto ao Ministério Público. Vamos Aguardar.

Colenghi disse...

Algumas considerações:
Devido aos resmungos de alguns sobre críticas pessoais, polemização etc...
Não é somente porque o atual governo é ruim, que esquecemos as mazelas que nós servidores sofremos nas mãos dos alvinistas.
È aquela velha história: Quem bate esquece, quem apanha não. Não viraram santos por causa dos erro do novo modelo. Parafraseando o Ianis, creio que estamos imunes à hipnose.
Quanto a gostar de Jesus, bem aì é problema, se referiram a personagens biblicos, eu como todos sabem sou ateu.
E Parafraseando o Márcio Marques:
È a última vez que falo!

Colenghi disse...

Em tempo:
Hoje mais cedo o vereador Tiãozinho deu entrevista na Vitoriosa, como já oi dito. O engraçado é que o vereador comentou sobre esse tópico e o Valmir Brasileiro mais que rapidamente retrucou:
Lá no Observatório eles descem o cacete na gente Tiãozinho.
Bem, pelo jeito só eles podem descer o pau na gente...e ainda temos de fica quietos. Aì deslancha! kkkkk

Agente sanitário perseguido sem motivo. disse...

Ocorreu mais um acontecimento na dengue. Um Motorista já senhor de idade e concursado que dirige para uma das turmas, foi xingado, humilhado com palvrões.
O rapaz que o xingou é contratado, nem provas fez. O ruim é que nenhuma das coordenadoras tomou providencia. Só transferiu o motorista. O rapaz que xingou o motorista é protegido do Tibázim. Na dengue quem tá enfiando gente e o Tibázim e a Nicinha. Dos 47 que serão contratados no processo seletivo, os vereador que apoia o prefeito vão poder colocar 4 cada um.

Anônimo disse...

NOVO MODELO DE PERSEGUIÇÃO

fatiaram a administração da saúde que nem bolo e entregaram na bandeja pros compradores de voto

em 2012 nos perseguidos vamos dar resposta na urna

Colenghi disse...

e o jornal "chapa branca" continua:
GRATIFICAÇÕES
Na administração passada diversos servidores foram contemplados com o pagamento de generosas gratificações, que foram cortadas pelo atual Governo. Não se paga mais gratificações para o servidor cumprir as atribuições de seu cargo. No entanto, com base em brechas na lei de 2007, patrocinada pela administração anterior, que instituiu o Plano de Cargos e Salários da Prefeitura, muitos destes servidores estão ganhando na Justiça o direito de receber as referidas gratificações, que teriam se incorporado nos seus vencimentos.

TRABALHO IGUAL, SALÁRIO DESIGUAL
"Na atual administração limitou-se ao estritamente necessário a realização de horas-extras e extinguiu-se a prática de desvio de função, com cada servidor cumprindo igualmente aos demais de iguais funções as atribuições de seus cargos. No entanto, uns ganham mais que outros, mesmo exercendo cargos e funções iguais."
Se algum funcionário - eu disse se - ganhou na justiça o direito de receber gratificação, é porque o servidor tem esse direito. Se o mesmo teve que entrar nas vias judiciais logicamente o governo estava descumprindo a lei. Quem está errado então?

Anônimo disse...

O prefeito tá dando chance pra pessoa que tõ a muito tempo sem trabalhar. Se vcs são tão bonzim assim, arrumem emprego pra nós que estamos sem trabalhar.
falar mal é fácil, inda mais concursado que tá garantido e só quer receber no fim do mês.

Anônimo disse...

é verdade o prefeito deu chance pra muita gente que nao trabalha, pra ganhar dinheiro SEM TRABALHAR, exemplo?

Ninico, malandro profissional, Sebastiaão Quem-Quem, Aloisio Nunes secretário de governo, Eliane diretora administrativa da saúde, Horácio secretário de esporte, um mmontão de quenga de luxo e mais um tanto de gente desocupada pra encher o saco da gente, concursados

quer arrumar emprego? estuda, se qualifica e presta concurso. Ou então bate na porta de empresa privada e disputa vaga com os outros candidatos. Prefeitura virou puleiro pra desocupado e preguiçoso, que nem fala o Marcos aqui do blog que a árvore tá cheia de jabuti

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 31 de julho de 2011.

Prezada Anônimo das 11:44hs,

(...)
Quer arrumar emprego? estuda, se qualifica e presta concurso. Ou então bate na porta de empresa privada e disputa vaga com os outros candidatos.
(...)

Concursos, Pós-Graduação, Processos Seletivos ( lícitos ), Psicólogas de RH e uma regrinha básica:

<= 35 anos de idade...

Caso contrário, descartado.

JURO: Mais um pouquinho, e quase que tenho que disputar uma vaguinha de "boneca-de-coronél" e/ou "quenga de luxo" por aí...

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Anônimo disse...

Essa Mirian pra mim é a Iolanda. E eu acho engraçado ela postar aqui, falando do edilvo Mota, mas não olha pro umbigo dela, não né. Roubaroubarouba na saúde, é investigada, mas foi colocado panos quentes no assunto. Agora fica mandando O Edilvo dar suas aula? Preferivel dar aula, do que ser ladra!!

Anônimo disse...

parece que se o Edilvo Mota incomoda tanto esse povo deve ser porque tem gente que ainda gosta dele na saúde e na rua.
Nunca vi outro secretário nem ex secretário tão disposto a explicar as coisas, mesmo que fosse assunto de outra administração.
SErá que é medo do Edilvo candidatar e acabar com as boquinhas?