segunda-feira, 20 de junho de 2011

Agradecimento e esclarecimentos necessários

Quero agradecer à secretária de Planejamento, Thereza Griep, pelos comentários em algumas postagens. Mais que direito, é dever dos agentes políticos prestarem contas de suas ações. Embora o blog não tenha a mesma "audiência" de uma emissora de rádio ou TV, os integrantes do governo podem, também, se valer deste espaço para divulgação dos atos de gestão. Serão sempre bem-vindos. Portas permanentemente abertas para dialogar com leitores (sem falsa modéstia) qualificados.
A propósito, quero relembrar os nossos propósitos. Ao contrário do que alguns possam pensar, nossa intenção não é fazer oposição a nenhum governo. Pretendemos, isto sim, dar uma humilde contribuição ao exercício da cidadania, trazendo aos leitores algumas informações e opiniões sobre fatos que, por vezes, passam despercebidos.
A omissão é um mal que precisa ser debelado. Se continuarmos na zona de conforto, a tendência é a piora da gestão pública e o aumento da corrupção. Não podemos, por exemplo, aceitar com normalidade a morte de pessoas nas filas da saúde pública enquanto o governo gasta mal os limitados recursos públicos em setores menos prioritários.
Assim, tenham certeza de que não somente os atos do atual governo serão alvo de questionamentos. Já o fizemos em relação ao anterior. Com a ajuda de Deus e dos senhores leitores, os futuros gestores também receberão o mesmo tratamento. Nada pessoal. Nada de oposição. Nenhuma conotação político-partidária. Apenas o sonho de uma cidade melhor. Objetivo perfeitamente alcançável se deixarmos de fazer vistas grossas para as inúmeras irregularidades que presenciamos no dia-a-dia. É isso.

5 comentários:

garliene arts disse...

Assinado!!! =)

Anônimo disse...

Marcos,

pertinente, oportuna, serena e adequada sua manifestação sobre os esclarecimentos da secretária de Planejamento, Thereza Griep. Convincentes ou não, são atos republicanos.

Também fiz parte da Administração Pública Municipal, noutro momento e noutro governo.

Sempre fiz questão de pontuar minha atuação nos seguintes princípios:

1) Apesar de ter sido convidado pessoalmente pelo então prefeito (e isto será sempre motivo de orgulho para mim, por não ter sido cria de acordo político, nem de laço de parentesco) tive clara a perspectiva e convicção de que servia ao Município (povo de Araguari) e não ao governo, ou pessoalmente ao prefeito;

2) Desde a primeira semana de trabalho, nos idos de janeiro de 2005, me mantive à disposição da imprensa, da Câmara Municipal (fui o primeiro secretário convocado pelo Legislativo, para prestar informações pessoalmente sobre o sistema de saúde, já em fevereiro/2005 e, talvez, o que mais vezes tenha sido convocado), do Ministério Público, do Judiciário, do Conselho Municipal de Saúde, do Sintespa, das associações de moradores e dos servidores em geral, sempre de acordo com a disponibilidade da complexa agenda;

3) nos espaços virtuais (como os blogs que então surgiam e no Orkut) sempre que possível prestei informações a eventuais questionamentos, alguns deles até ofensivos e anônimos. O espaço era virtual, mas as manifestações tinham origem e motivação (desagrado, provocação política, desapreço ou mesmo antipatia pessoal pelo agente público);

4) no convívio com a Câmara Municipal, já naquele período com maioria de oposição (Grupo dos Seism, dentre 11), nos contatos diários via requerimentos, encontros pessoais ou inúmeras visitas à tribuna, mantive a postura serena, mesmo ante posições ferrenhas de uma oposição às vezes virulenta e uma situação fisiológica e oportunista;

5) em 2006, no pior momento de minha vida pessoal, atacado injusta e indevidamente por grupo de empresas privadas do setor de saúde, que não aceitavam um processo democrático e limpo de licitação, solicitei ao Legislativo a oportunidade de me defender na instância adequada (órgão fiscalizador do Executivo) onde compareci munido de documentos, coragem e determinação de defender minha honra até a última consequência. Minha manifestação foi firme, dura até, mas pautada na serenidade de quem tinha (e ainda tem) a convicação de ter agido na absoluta observância da lei e dos pricípios éticos. Encerrei meu pronunciamento de quase 2 horas incitando meus detratores - todos presentes - a me processarem judicialmente, oportunizando a defesa na seara pertinente;

6) jamais refuguei ante qualquer cobrança, jamais deixei perguntas ou ilações sem resposta, jamais transigi com meu direito de expressão e minha obrigação de prestar contas à sociedade sobre meus atos como agente público (temporário). Nem antes, nem agora, nem nunca...

Respeito as manifestações de outros participantes do blog sobre qualquer membro deste (ou de outro) governo;mesmo que, eventualmente, discorde da forma.

Mas, convenhamos, que bom que, finalmente, alguém tenha se prestado a dar esclarecimentos, ao invés de, como tantos outros, manter a cabeça no buraco qual avestruz.

Àqueles que passaram a me virar o rosto em praça pública, sugiro reverem sua ótica sobre o papel e o ônus do serviço público. Os cargos passam, nossa convivência fica. Que ela seja civilizada e madura.

Fraternas saudações à secretária e aos demais membros e visitantes do Observatório

EDILVO MOTA
Cidadão araguarino, por opção

Marcos disse...

Edilvo, pertinentes as suas colocações.
Lembro-me, a propósito, que um dos maiores motivos da continuidade do blog foi justamente a sua participação. No início, com base em relatórios da Controladoria-Geral da União, questionei o porquê de o Hospital Municipal, apesar das várias inaugurações,não ter entrado em funcionamento. Somente você teve a coragem de vir aqui e na então Rádio Araguari explicar detalhadamente o que foi feito na sua gestão, em especial as tentativas de colocar o HM em funcionamento.
Infelizmente, a maioria dos gestores não tem essa noção da relevância e da responsabilidade do exercício da função pública. Alguns só querem o salário e as regalias do cargo. Esquecem-se de que não atuam em nome próprio, mas sim no interesse de toda a sociedade.
Por isso, é louvável a participação de integrantes do governo aqui no blog. Afinal, seria muito mais fácil (e comum) "virarem a cara" para quem ousa questionar os atos de governo ou somente se manifestarem em jornais ou rádios que vendem suas linhas editoriais.
Por isso, mesmo não concordando com algumas opiniões, não se pode cercear o direito de todos em participar dessas discussões. Essa é a melhor maneira de se aprender a fazer democracia.

Iconoclasta disse...

O problema é, qual a qualidade do esclarecimento? Até agora não vi nada capaz de me fazer mudar de opinião, sempre esbarra nas mesmas argumentações cômicas. Esse governo é pior que lixo! Pois esse último anteriormente foi útil pra algo após ser descartado, e mesmo depois muitos de seus detritos podem ser reciclados dando-lhe outras vantagens e o "Novo Modelo" ah! Esse fica na história de Araguari como um cancêr administrativo que deve ser extirpado para sempre, nada que o compõe pode ser aproveitável.

Anônimo disse...

Iconoclasta,

presumo, pelo lido, ouvido e visto desde início de 2009, que vocês têm fortes razões para seu posicionamento.

Pessoalmente, inclusive, manifestei aqui neste blog, no meu próprio http://saudenatela.blogspot.com, em jornais e rádios da cidade, minha discordância sobre o modus operandi e a truculência, por exemplo, na gestão da saúde e em outras áreas, em situações pontuais.

Reitero que respeito sua(s) manifestação(ões). Pois somente quem sente na pele as agruras da injustiça (senti isso de 2006 para cá) sabe onde dói o calo e quão profunda é sua ferida.

Enfim, queiram ou não, nós frequentadores dos "blogs neófitos" estamos praticando CIDADANIA e fazendo uma nova forma de democracia.

Saudações...

EDILVO