sexta-feira, 6 de maio de 2011

O novo modelo está arrasando, também, o meio ambiente

Texto de autoria de Gláucio Henrique Chaves

Perguntar não ofende

Essas árvores da praça Manoel Bonito, em Araguari, foram todas cortadas ontem. Mandem um email para o promotor Sebastião Naves Filho (promotor do Meio Ambiente) perguntando porque não impediu que tantas árvores fossem cortadas já que não estavam doentes. naves@mp.mg.gov.br . Perguntem se elas não estavam na área de Tombamento e Proteção, e se qualquer medida precisaria de autorização do Conselho. Perguntem se a função do MP é defender a sociedade e o meio ambiente. Perguntem também de que forma uma perda dessas seria reparável, assim como tantas outras que a prefeitura parece estar livre para fazer. Se quiserem, aproveite para perguntar porque até hoje não começou a restauração da estação Stevenson (tombada), se o dinheiro já tinha saído. Perguntem como está o projeto de tratamento de esgoto da cidade, que despeja 100% dos dejetos dos seus mais de 100 mil habitantes diretamente no córrego Brejo Alegre até hoje. Perguntem como ficam os pneus inflamáveis que continuam, por ordem dele, acumulados ao redor do vagão de madeira (tombado). Perguntem como está o pátio ferroviário (tombado) da estrada de ferro Goiás, cada vez mais danificado pela invasão da prefeitura, com bens históricos roubados ou destruídos. Perguntem também se ele vai ter a mesma energia que teve quando removeu as bancas de revista, em remover as invasões que estão se generalizando nas áreas dos trilhos urbanos. Perguntem se não está na hora dos promotores passarem por reciclagens. Se quiserem, mandem também uma cópia para o promotor de BH, Marcos Paulo de Souza Miranda cppc@mp.mg.gov.br . Ele é promotor do Patrimônio Cultural em MG. É insustentável qualquer política de Patrimônio Cultural quando o próprio governo não dá o exemplo. Aproveitem e perguntem se não está na hora de reinventar o Ministério Público como instituição.
Praça Manoel Bonito -
Foto: Lucy Baldan - http://www.panoramio.com/photo/7678771
Foto: Pablo Vieira
O estado perfeito das belas árvores. Não estão brocadas e com madeira forte e de aspecto saudável, com exceção de uma

25 comentários:

EFGoyaz disse...

Um absurdo completo. Uma cidade administrada por irresponsáveis vai cada vez mais sendo lesada.

Marcos disse...

Estamos numa cidade administrada por antas mal intencionados.
Pelas fotos, vimos a devastação provocada pelo furacão Marcão.

EFGoyaz disse...

O motivo do corte é que eles querem trocar o piso da praça. Pode? Alta tecnologia essa. Pra trocar um simples piso de uma praça a medida é cortar todas as árvores.

Iconoclasta disse...

Que vergonha! Depois de tantas arvóres devastadas podemos afirmar que realmente esse é um governo infrutífero para a cidade.

Aristeu disse...

Seria projeto do nosso amigo "Olhar Urbano", Arquiteto e Urbanista? Duvido.

Anônimo disse...

Isso é um absurdo, começaram com os eucaliptos, agora a praça, se não tomar cuidado do jeito que vai, temos que tomar cuidado com o bosque.

EFGoyaz disse...

Aristeu, de forma nenhuma. Não foi ele e nem foi ninguém. Não há nenhum projeto, nem nada. Pelo que parece, foi a vontade do Miguel de Oliveira, que passou por cima de qualquer bom senso, lei, norma ou respeito.

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 6 de maio de 2011.

Prezados Amigos,

Eu até tinha certa consideração pelo Miguel, até uma ocasião em que fui apresentado a ele, para tratar de assuntos referentes a Informática, pelo saudoso Oswando dos Santos Monteiro...

Fui prontamente atendido com um "... a qual QUADRILHA você pertence ..." ?!

Tá certo, ele sempre foi brincalhão mesmo. Eu que nunca tive senso de humor.

A questão é que... me senti - digamos - tecnicamente incapacitado para o trabalho ofertado.

Pelo que analiso navegando por aqui, enquanto não me filiar a alguma, continuarei sem o principal pré-requisito para trabalhar por aí...

Ê Araguari... Viver aí é bom demais. Agora, sem sombra de dúvidas. E DE ÁRVORES.

Questão de Muitas Podas.

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Sandrinha disse...

É nisso que dá ficar trocando cargos por favores eleitoreiros...

Alessandre Campos disse...

Caro Aristeu, o seu amigo "Olhar Urbano", aqui, NÃO participou desta devastação, isso tudo que aconteceu foi obra e projeto (inexistente por sinal) do ex-secretário Miguel de Oliveira.

Alessandre Campos disse...

O que é bem tombado?
O que é perímetro de entorno?
O que é perímetro de tombamento?
Quais os bens tombados em Araguari?
Quais as espécies arbóreas são protegidas por lei? Quais podem ser suprimidas?
Qual o tramite de um projeto até sua aprovação?

Pois bem, são muitas perguntas e nem todos que estão no serviço público sabe as respostas ou não foi treinado para o desempenho de suas atribuições.

O grande problema na Prefeitura de Araguari é a falta de comunicação entre Secretarias, sendo cada uma delas, uma Prefeitura independente e fazem o que bem querem, pq são comandadas por pessoas despreparadas e que não sabem que o serviço público é União de forças, trabalho em equipe.

Este projeto (que não foi passado para o papel e ficou apenas no mundo das idéias do ex-secretário) não teve a análise dos diversos departamentos da Prefeitura e, pelo que fui informado, apenas quando da supressão dos individuos arbóreos é que foi emitido parecer do CODEMA e da Secretaria de Meio Ambiente, especificamente para o corte desta árvores.

Faço uma sugestão à Divisão de Patrimonio Histórico, a Secretaria de Meio Ambiente, Serviços Urbanos, Obras, Planejamento, Gabinete, Procuradoria Geral e todas as outras secretarias, que desenvolvam um SEMINÁRIO anual para troca de informações com participação popular para que estes fatos deixem de ocorrem pela alegação da falta de informação, por exemplo, da localização dos bens tombados, seu perimentro de tombamento e seu perimentro de entorno, etc.

Com relação ao Ministério Público, o meu silêncio sobre esta instituição resume minha indignação.

Alessandre Campos disse...

Ops: correção no meu comentário:

Pois bem,(...)nem todos sabem as respostas ou não foram treinados (...)

Sugestão: Para cada árvore cortada pela Prefeitura que se plante 10.

EFGoyaz disse...

Alessandre, essa sua sugestão acho excelente. Eu falei para o promotor que todas as vezes que eu estive lá foi por conta de problemas que giram em torno da falta de comunicação, mas eu sempre desconfiava que essa falta de comunicação é por má fé. Mas eu não podia afirmar. Mas dessa vez, está escrito no processo que DEVE-SE ENVIAR O PROJETO PARA ANÁLISE DO CONSELHO. Isso não foi feito, como já é praxe da prefeitura. E depois vivem pedindo autorização posterior, como se isso fosse possível. Sugeri ao promotor que, dentre as medidas compensatórias, estivesse a de a prefeitura dar treinamento e educação ambiental/patrimonial para todas as secretarias envolvidas.

Leandro Cezar Maniezo disse...

Não dá pra entender uma atitude dessas. Desde o início da reforma da praça já vieram com a notícia de que as árvores não estavam em harmonia com o ambiente local. É impensável um planejamento desses. Em Araguari é totalmente descabida esse pensamento de que árvore é problema. A árvore cai em cima do carro quando venta mais forte, a árvore suja, a árvore quebra o calçamento, a árvore nao pode se aproximar da fiação eletrica, tudo, tudo contra as árvores.A CEMIG corta as árvores abaixo da linha da fiação eletrica, impedindo e aniquilando seu crescimento. O plantio e reposição de árvores praticamente inexistem, e quando são feitos, sao feitos de qualquer maneira. Em várias cidades que a gente vai, existe um harmonia imensa (o que pelas autoridades locais não é entendido como harmonia) entre a arborização e os equipamentos urbanos. Em Belo Horizonte temos um excelente exemplo disso; pelo menos na área mais central da cidade; árvores imensas que sobrepoem suas copas bem acima da fiação eletrica, imensas avenidas tomadas por arvoredos gigantes, onde a via de rolamento se transforma em um grande túnel verde. Será que lá não venta? Será que as folhas das árvores de lá não caem? E suas raízes, ficam onde???
A Secretaria de Meio Ambiente de Araguari pensa que plantar árvores na cidade é apenas colocá-las num buraquinho no chão. Cito como exemplo o plantio de várias quaresmeiras ao redor da E.E. Artur Bernardes em Amanhece. Abriram um buraco de alguns centimetros de diâmetro e colocaram as mudas lá (teve até evento pro plantio, rsrsrsrs), fizeram até um morrinho de terra ao redor das mudas. Dias dpois, todas as mudas foram arrancadas, quebradas, acredito que pelos alunos. Ora, vejamos alguns pontos: quaresmeira é uma espécie pequena, indicada pra calçadas onde existe fiação elétrica (se bem que isso é conversa fiada, é só ir fazendo as podas necessárias até que os galhos nao encostem mais na rede elétrica) e em toda a calçada da escola nao existe poste , nem fios eletricos, poderiam plantar árvores de porte maior, talvez sibipirunas, ipês, patas de vaca... outro ponto importante é a maneira do plantio, pois é necessário que para se plantar árvores em calçadas sejam colocadas manilhas, a fim de direcionar as raízes para áreas mais profundas do solo, evitando estragos maiores no passeio e no asfalto. Outro ponto é que mudas de árvores pequenas precisam ser protegidas, a fim de evitar que as pessoas arranquem ou quebrem.

E o que dizer das nossas grandes avenidas, que poderiam ter três vezes mais árvores do que tem atualmente e parece que não há perspectivas de mudanças?

O corte dessas sibipirunas foi um crime!

E agora depois do crime, será que o destocamento será feito, ou deixarão que o tempo desapareça com as provas de que ali existiam grandes e frondosas sibipirunas que estiveram presentes em grande parte da história da cidade?

E os imensos quebra-molas?
E as verbas perdidas?
Que projetos a médio e longo prazos a prefeitura tem para a cidade?
Até quando esta cidade continuará vivendo do imediatismo?

Indignado!

Iconoclasta disse...

Não tenho apreço algum pelo MP de Araguari. Essa instituição está sempre agindo contra o povo araguarino para satisfazer os anseios da elite e de grupos políticos da cidade.
Temos históricos lamentáveis praticados por essa instiuição. Estão agindo com aspereza contra os moradares do bairro Gutierrez, pouco se importando com o problema social provocado pelo desalojamento. Da mesma forma com o retirada dos estabelecimentos comerciais das praças como as bancas de revistas, lanchonetes, chaveiros... Também agiram com pulso firme contra funcionários públicos que foram reivindicar reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Contra esses o Ministério Público de Araguari agiu forte, mas contra as mazelas dos nossos governantes ou elementos das classes mais abastadas da cidade, essa instituição é omissa.

EFGoyaz disse...

Iconoclasta, eu comungo da sua opinião. Só que as coisas estão chegando no caos. Tá ficando muito feio. As poucas vozes tímidas que apareciam aqui e ali (sempre as mesmas) agora estão acompanhadas de mais e mais vozes. Em mais em mais setores. São uns desastrados e a situação está insustentável. Temos que quebrar essa cadeia e agora temos um martelo cada vez mais pesado numa corrente que está bastante enferrujada. Depende de juntarmos todas as forças e termos uma boa mira.

Anônimo disse...

QUESTÃO DE CONCURSO

A sigla MP significa

( ) Mal Preparado
( ) Muito Parado
( ) Muito Procrastinador
( ) Meu Parceiro
( ) Mundo Particular
( ) Minha Panela
( ) Muito Papo
( ) Mero Palpiteiro

Paulo C. Morais disse...

Absurdo!!!!!

a reforma da praça já começou errada quando retiraram a banca de revistas. agora as árvores...

será que as pessoas que foram tão rigorosas com os comerciantes donos de bancas, serão rigorosas com a prefeitura por ter feito esse corte criminoso????

a lei vale só para alguns? acho que em Araguari é assim, a lei é uma conveniência.

e nada a falar sobre essa lamentável figura Miguel de Oliveira. mostrou como funciona um governo sem planejamento, sem projetos sérios, sem articulação.

Edilvo Mota disse...

PC

falta pouco pra tirarem da praça também O POVO...

Aí, o serviço fica completo.

Sandrinha disse...

Terra sem lei...
M.P.= não pune
Câmara= não fiscaliza
Prefeitura= faz o que quer
Povo= se cala

Alessandre Campos disse...

Onde está escrito: perimentro
leia-se: PERÍMETRO.

Aristeu disse...

Agora então deverá ser PRAÇA MIGUEL DE OLIVEIRA ou Miguel Feio.

Anônimo disse...

Araguari era uma cidade encantada! Tinha belas praças, frondosas árvores... Uma cidade de projeções futuristicas! Largas avenidas de belos e regulares canteiros centrais.

Era uma cidade que cuidava do seu próprio lixo! Onde os gestores conheciam e reconheciam os seus servidores e tinham com estes boa cumplicidade... Era uma cidade onde o orgulho por representá-la dispensava qualquer pagamento em espécie. Tivemos no passado vereanças sem pagamento!

Araguari nasceu gritando alto e forte! Araguari não iniciou com passos mas sim, saltos de crescimento.

Lamentavelmente, nossa Araguari hoje corre de costas! Retroage a saltos e de forma triste assistimos o apagar e rasgar de nossa identidade, da nossa história.

Nossos governantes não planejam ações. Eles rascunham discursos e promeças. E para não copiar Nero, estão no alto de suas torres admirando o contraste do preto com a poeira. Dos buracos ao redor das elevações de asfalto (quebra-molas). O partir das pessoas em busca de sobrevivência em qualquer outra direção...

O fogo é destruidor! Contudo, sucunbi-se ao témino do elemento que o alimenta. Hoje, após presenciar a queda de frondosas e exuberantes árvores, temo ser o próximo nesta lista. Afinal, Nosso gestor maior,sonhou ser prefeito de Araguari e governar para o SEU POVO (Cargos de Confiança, sobrinho, nora, cunhado e chegados).

Paulo C. Morais disse...

Edilvo, não está longe isso não, ou tira o povo da praça ou algum gênio vai alegar que as praças atrapalham o progresso de Araguari... que apenas pessoas desocupadas circulam nesses locais... que é preciso acabar com as praças...

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 9 de maio de 2011.

Prezado PC,

Não inventa !!!

O Aeroporto e o Bosque são duas áreas muito disputadas, de grande interesse pelo setor imobiliário daí... e já que tudo aí pode, tem sempre um jeitinho... Legal, claro!

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.