quinta-feira, 5 de maio de 2011

Caos na saúde (de novo)

Moradores reclamam do PSF do Bairro Gutierrez. Afirmam que os medicamentos que, antes eram entregues nas residências dos pacientes com dificuldades de locomoção, não estão mais sendo distribuídos. Também, as equipes do PSF não estão realizando visitas a esses pacientes.
Segundo a senhora Heloina, Coordenadora dos PSFs, a função do programa Saúde da Família é primordialmente preventiva e educativa. Alega que os pacientes só comparecem ao PSF para receber os medicamentos, mas não participam das reuniões destinadas à parte preventiva. Afirma, ainda, que os medicamentos, em vez de serem distribuídos pelos PSFs, voltaram a ser fornecidos pela Farmácia da Prefeitura.
Ora, ora, os pacientes não têm nada a ver com os problemas logísticos da Secretaria de Saúde. Se a Prefeitura não sabe como vão ser distribuídos os medicamentos ou se não possui farmacêuticos para realizar essa distribuição, a culpa, com certeza, não é dos pacientes. É, isto sim, da incompetência deste "Governo".
Além disso, o fato de se dar ênfase às ações preventivas e educativas não significa que as ações curativas e de acompanhamento de pacientes crônicos devam ser simplesmente abandonadas. Esse tipo de atitude traduz uma espécie de seletividade perversa. Vale dizer: pacientes crônicos, alguns em estado terminal, devem ser abandonados para que se possa cuidar dos que ainda não estão doentes (prevenção). Isso é próprio de regimes nazistas. Incompatível, portanto, com a democracia que estamos construindo no Brasil.
Por fim, uma sugestão ao senhor Prefeito, que assiste passivamente ao caos da saúde. Sabemos que o senhor é um grande empresário. Contudo, nem todos que são bons na iniciativa privada são igualmente competentes na gestão da coisa pública. Por isso, sugiro que o senhor, enquanto chefe desse time que está jogando muito mal, reflita bastante sobre a sua atuação e a dos seus comandados, sobretudo na área da saúde pública. Constatando não ter condições de fazer um bom trabalho, faça o sugerido pelo Capitão Nascimento, do filme Tropa de Elite: "pede pra sair!". A maioria do povo araguarino ficaria muito grata.

16 comentários:

Iconoclasta disse...

Marcos, esse discurso já é padrão nesse governo. Lembro que a secretária de saúde antes da sua licença participou de um programa da rádio local onde adotou essa mesma postura ao responder a reclamação de um ouvinte sobre o atendimento da saúde pública em relação as pessoas portadoras de doença crônica. Esse discurso é uma das formas de procurar insenção pela péssima prestação do serviço e ao mesmo tempo transferir a culpa pela doença ao próprio paciente que não adotou a política preventiva.
E até hj na mesma linguagem. Engraçado como esse governo não assume nenhuma responsabilidade, em todo setor é essa mesma vergonha!

Iconoclasta disse...

É evidente que o trabalho de prevenção é o mais importante, mas isso é uma tarefa complexa que não se reduz apenas a reuniões com pacientes. Pois com toda a carência de infra-estrutura nos bairros qual o estimulo que o cidadão têm a seu favor para que participe dessas reuniões? Com toda a política de saneamento básico comprometida, muitos setores da cidade sofrem com a falta de asfalto, pessoas sendo obrigadas a conviver com a poeira -quando calor- e lama -quando chuva - ruas sem estrutura de captação de águas pluviais; terrenos baldios com mato alto; localidades que não têm coleta de lixo regular; tratamento de esgoto e etc.
Se as políticas públicas não são materializadas para criar um ambiente com sintonização com o discurso que pretendem oferecer, é claro que as pessoas não vão participar. Mas são amadores para tal empreendimento e acefalos para enxergar com amplitude. No mais são essas mesmas pessoas que também atribuiu toda a problemática da dengue aos funcionários.
Pois são as únicas coisas que sabem fazer, culpar os outros, perseguir, maltratar, fugir de suas responsabilidades, muitas vezes de forma dissimulada com discurso pasteurizado.

Anônimo disse...

O gozado é que uns dias atras eu escutei no radio que a unica equipe de psf que trabalha e a do gutierrez. Imagino que quem falou isso tem algum conchavo com a administração, pois curiosamente a medica deste psf é irmã da nossa querida eunice mendes. A equipe perfeita de araguari

Ronaldo disse...

Poxa, trabalho lá. Não que seja uma excelência nesse caos que se tornou a saúde pública. Presencio o acompanhamento da comunidade atendida e sinto que deve ser uma das melhoras equipes de saúde da família de Araguari. Bom explicar que trabalho lá como dentista e dentista não faz parte do programa. Acho que todo mundo deveria vivenciar as equipes que matam um leão por dia, se esforçam ao máximo. Nme tudo está perdido e nem por a médica ser irmã da secretária de educação. Às vezes é necessário praticar justiça.

Marcos disse...

Ronaldo,
A maioria dos problemas não está ligada à atuação das pessoas que trabalham na linha de frente da saúde (no atendimento). Eu sei como é difícil trabalhar bem quando não se tem condições materiais mínimas para tanto.
Acredito que as falhas maiores deste governo estão na gestão da saúde. Com recursos escassos, esse complexo setor necessita de gerentes capazes de adotar medidas estritamente técnicas. Não se admitem mais a politicagem e o jeitinho brasileiro nessa área tão relevante. O resultado é este que estamos vendo: ameaça de descrendenciamento do PSF e mau atendimento se generalizando.

Ronaldo disse...

Vou concluir! O grande problema do brasileiro, a maioria, querem tudo de mão beijada. Não cuida de si mesmo. O programa daria resultado se a população assistida fizesse a parte dela. No meu atendimento naquela unidade, há mais de 13 anos, falar em escovar dente e "passar" o fio dental é arrumar briga. E se falar que o paciente precisa cuidar da alimentação pior ainda. Como eu disse acima, prevenção é a "alma" da saúde pública. Só que no Brasil a filosia do programa se esbarra em milhares de pessoas doentes e aí que vem o grande problema: praticar prevenção, para evitar a instalação da doença, e cuidar dos doentes que, muitas vezes ou na maioria deles, não encontram vagas suficientes em hospitais, consultas e exames. Milagre só aqueles do regime militar, que esperou o bolo crescer para nunca dividí-lo.

Colenghi disse...

Concordo em parte com o Ronaldo, trabalho também em saúde, e com prevenção. Mas até para prevenir é preciso organização e coerência nas ações de saúde pública, coisa que ainda não percebi nessa administração.
Também concordo quando ele diz que não há comprometimento da população, mas relegar somente ao cidadão a culpa da falta de saúde é solapar o problema, que é estrutural e contínuo.
O próprio funcionário da saúde, não consegue enxergar-se como parte de um todo, e aí que está o problema. Escaramuças dentro da própria Secretaria de Saúde prejudicam ainda mais o já frágil sistema. Explico, o PSF, que também tem obrigação de cuidar do controle do dengue, joga agora a culpa nos agentes de endemias, pois como estes estão também com o salário defasado, acham que não tem obrigação de cuidar de endemias. Ontem na fila do açougue no Tejotão, ouvi uma agente de PSF dizer que nós agentes de endemias não trabalhamos, que deveríamos todos sermos demitidos. No mínimo desinformada.
Infelizmente há desunião entre nós servidores da saúde, seja médico, dentista ou agente de endemis. Quem sofre? O povo, claro.

Colenghi disse...

Em tempo:
O Governo Federal, através de portaria, exige que o Agente Comunitário de Saúde, também contribua para o comabate à dengue.

Iconoclasta disse...

Se as políticas públicas não são materializadas para criar um ambiente com sintonização com o discurso que pretendem oferecer, é claro que as pessoas não vão participar.

Aristeu disse...

Entreguem as armas, este mosquito já nos venceu!

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 5 de maio de 2011.

Prezado Aristeu,

NEGATIVO.

POW !!! ( onomatopéia de um jeb de direita, no queixo do mosquito. Dado por uma Centopéia. )

Agora, na base da carteirada, acho que o bichinho é quem mostrará ter mais Autoridade e Organização ao propósito...

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Iconoclasta disse...

Na verdade essa é uma guerra que não pode acabar, pois serve bem aos interesses das grandes industrias farmacêuticas(já imaginou o lucro que a johnson têm com a venda do Off), laboratórios, as fabricantes de inseticidas e uma grande remessa de verbas para os municipios infestados.

Anônimo disse...

se Eunice mendes tiver a cara de pau de candidatar de novo, porque fiquei sabendo o que ela comprou de voto não tem base, cuidado estamos de olho em você?

Anônimo disse...

Interessante é notar que desde o início o discurso da Sr. Iara Borges, alavancava sua capacidade técnica e não política. Necessário lembrar, que num tabuleiro político não existem peças que não sejam políticas, e como todo bom jogador sabe, convém sacrificar peões, protegendo a rainha, que no caso é Eunice Mendes. Nos bastidores, a ex-vereadora, agora secretária de Educação, manda e desmanda na saúde através de seu "peonato", no qual incluo, a Secretária de Saúde e suas diretoras.
O despreparo e falta de compet~encia, fazem-nos pensar ainda, que se a escolha foi técnica e não política, temos tecnocratas incompetentes na gestão. Tão incopetentes, que nunca leram a lei orgânica de nossa Araguari que derrubou o sobrinho do Prefeito. Se são incompetentes com seus interesses próprios, imaginem com os interesses da população.

"VAI DEVOLVER?
Vereador Sebastião Vieira, o Tiãozinho, solicita ao Executivo informações a respeito da data de admissão do então secretário adjunto Rodrigo Povoa, recentemente exonerado, e também as medidas tomadas pela administração que visem a devolução de todas as despesas e gastos motivado pela contratação irregular, contrariando a Lei Orgânica. Isso vai dar pano para manga. Aguardem!

Fonte:
http://colunadrops.blogspot.com/

Edilvo Mota disse...

A confusão que muitos fazem, na tentativa de segregar "técnicos" de "políticos" leva a esse erro de estratégia.

Capacitação técnica é pré requisito para qualquer função (menos, ao que parece, para ocupar mandatos eletivos). Porém, todo gestor técnico tem papel no cenário político.

E, sem dúvida, a melhor ação política de um técnico é exercer seu "munus" com comprometimento, fiel observância ao regramento operacional e jurídico pertinentes a sua área de atuação e independência. Independência, inclusive, para pegar o boné quando não respeitam os limites de sua função.

Gestor alçado por apadrinhamento de agente político estará eternente condenado a ser refém do acordo. Aí, não há capacitação técnica (maior ou menor) que resista...

Edilvo Mota disse...

Quanto à devolução, salvo melhor juízo de algum jurista abalizado, penso ser devida sim. Se a nomeação foi ilegal, tanto a remuneração quanto os atos do ex-secretário-sobrinho restaram também ilegais.

Sob outro prisma, a devolução mesmo sem qualquer ação judicial seria ato de grandeza; algo difícil de esperar pelo nível de agentes políticos que temos...