terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Remédio indigesto


A Secretaria de Saúde deve explicações aos cidadãos. Examinando singelamente algumas despesas na área de saúde, constata-se que a gestão daquele órgão pode estar ocasionando prejuízo aos cofres do município.
Trago aqui apenas um exemplo de compras que precisam ser melhor esclarecidas.
No ano de 2010, a Secretaria adquiriu 32 (trinta e duas) caixas do medicamento Nexium 20 mg (7 comprimidos), destinado ao tratamento de problemas gástricos. Gastou R$ 1.743,47 (mil, setecentos e quarenta e três reais e quarenta e sete centavos). O preço médio da caixa saiu, então, a R$ 54,48 (cinquenta e quatro reais e quarenta e oito centavos).
O problema está na grande variação de preços dos produtos adquiridos. Comparando-se os valores, vê-se que o município adquiriu 8 (oito) caixas ao preço unitário de R$ 73,99 (setenta e três reais e noventa e nove centavos) na Drogabilio Ltda. Esse preço unitário é 113,22% mais caro que o das 5 (cinco) caixas adquiridas na empresa Maria de Lourdes Rodrigues e Cia Ltda. a de R$ 34,70 (trinta e quatro reais e setenta centavos) cada.
O mais estranho vem agora. Em curto espaço de tempo, o produto foi adquirido por preços diferentes no mesmo estabelecimento, Drogabilio Ltda. Foram 4 (quatro) caixas a R$ 40,47 (quarenta reais e quarenta e sete centavos) cada e mais 8 (oito) a R$ 73,99 (setenta e três reais e noventa e nove centavos). A diferença aqui foi de 82,82%. Se comprasse pelo menor preço, o município poderia ter adquirido 18 (dezoito) caixas de Nexium em vez de 8 (oito).
Esse pequeno exemplo demonstra, no mínimo, a falta de planejamento na aquisição de medicamentos, onerando-se desnecessariamente os cofres do município. Está mais do que na hora de o novo modelo de administração tomar alguma atitude, a fim de evitar esse tipo de ocorrência. Meios legais e administrativos para isso existem. Basta querer mudar.

11 comentários:

Aristeu disse...

Se liga! Este povo quer é nota fiscal pra justificar gastos e, a farmácia, já que não pode faturar o que não tem em estoque suficiente, aumenta o preço!

Aristeu disse...

O curto espaço de tempo, na diferença dos preços, é que os "pegadores de notas para fechamento" erraram na soma e precisaram de complementação em faturas. Até então ninguém fica bisbilhotando preço por unidade. Na próxima eles terão, pelo menos, mais trabalho pra fabricar o fechamento..., mas continuará sendo fabricado.

Edilvo Mota disse...

O Ministério da Saúde disponibiliza, para qualquer cidadão, a consulta ao BANCO DE PREÇOS EM SAÚDE (BPS), onde constam os preços de aquisição de inúmeros medicamentos e materiais médico-hospitalares.

A alimentação do sistema é feita, espontaneamente, por hospitais e serviços de saúde que lançam o nome do fornecedor, a data e o preço de aquisição.

http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=35822&janela=1

antônia disse...

Como disse no cometário acima mais uma vez prova que o novo modelo de administração, está novamente ferindo a eficiência em gastos com o dinheiro público, estranho é ninguém tomar atitude, parece que tudo pode neta administração, funcionários contratados, sem concurso publico, dizendo serem vagas temporárias, com mais de dois anos isso é temporário? Sei não dá vontade de..............sumir de Araguari!!!!!!!!!!!

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 1. de fevereiro de 2011.

Prezada Antônia,

(...)
estranho é ninguém tomar atitude...
(...)

Eis o nosso maior CÂNCER-SOCIAL:

- Reeleições e/ou Vitaliciedade !!!

Fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Vitaliciedade

É que viver aqui é bom demais, e correr o risco de uma transferência ... JAMAIS !!!

Cargos e funções Estaduais TAMBÉM deveriam sofrer um rodízio obrigatório a curto prazo. Criam-se raízes ( ou seriam rabos ?! ) axiais muito profundas, lucratívas ( ê Receita Federal !!! ) e maléficas aos interesses da população, do tal do Cidadão-comum, indignado sofredor, pagador de impostos, que são revertidos a salários de impostores.

Justamente por isso, nada é considerado irregular - MESMO COM PROVAS CABAIS - e TODOS ficam absolutamente impunes.

Enquanto não houver um "arrastão-federal" por aí, permanecerá tudo do mesmo jeito.

(...)
sumir de Araguari!!!!!!!!!!!
(...)

Desde que VIVO e de forma espontânea, vai se tornando o remédio mais indicado... viável.

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Marcos disse...

Antônia, em vez de mudar de Araguari é melhor mudar Araguari.
Eu me mudei daí há 27 anos e até hoje não me acostumei com outra cidade. Um dia, ainda volto.
Janis, vc tocou num ponto fundamental: o arrastão federal. Se não for mediante atuação de órgãos federais, não conseguiremos modificar esse estado de coias. Ando meio descrente com a raça humana (inclusive comigo mesmo), mas nao irei desistir.
Edilvo, sobre o banco de dados do Ministério da Sáude, é realmente uma ótima fonte de consulta. Pena que, de vez em quando, não o atualizam como deveriam. Veja que na postagem nem comparei os preços praticados com outras fontes. Nem precisaria. O simples fato de comprar o mesmo medicamento com preços tão discrepantes já é motivo de preocupação.

Edilvo Mota disse...

Marcos....

se um dia, alguém quiser MESMO administrar uma cidade com eficiência, para atingir a eficácia dos serviços, bastará se fincar em propósitos republicanos, se cercar de gente qualificada, prover a devida regulação e fiscalização dos atos administrativos... e seguir o velho e bom receituário da Economia: gerenciar custos, eliminar excessos e controlar a adequada aplicação dos recursos do contribuinte.

SIMPLES ASSIM....

E olha que o "modelo" é antigo, mas eficaz.

antônia disse...

É Marcos a raça humana nos dá nojo as vezes, tenho vergonha de dizer que somos humanos, tanta injustiça e falta de carater, enquanto a SECRETARIA possui contas suspeitas a SECRETÁRIA, continua perseguindo funcionários do controle da dengue, um colega pediu para ir trabalhar em uma turma onde precisa de mais dois agentes, e não lhe permitiram por perseguição, pois este é um dos supervisores destituidos, por lutarem pelas melhorias para a categoria e criticarem os erros cometidos que prejudicam o desenvolvimento do trabalho, ou seja por ser justo e honesto, hoje vivemos em um mundo que ser honesto é fadado a PUNIÇÃO.

antônia disse...

Ontem estive na Camara dos Vereadores, o que mim deixa mais descrente de tudo, quando o vereador Raul disse sobre a denúncia onde precisa averiguar tais compras a maioria dos vereadores ou estão fora do plenário ou estão em conversa paralela, como se aquilo ali fosse, falar sobre MUDANÇA DE NOME DE RUA OU PRAÇA.

Anônimo disse...

Estão comprando rémedios com uma discrepância de preços absurdos. Isso que dá colocar neofito na pasta. Mas agora o senhor Djair vai arrumar a bagunça.

Edilvo Mota disse...

Prezado anônimo....

eu diria que, neste caso de compra superfaturada, não se trata, absolutamente, de inexperiência.

Ao contrário... é malandragem da grossa.

A tática da intimidação de servidores é um exemplo da estratégia adotada, da tergiversação e da referência a complôs como pano de fundo para práticas inconfessáveis.