quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Metas de ações em combate à dengue são discutidas hoje pela equipe Força Tarefa e autoridades

Escrito por Samara Arruda


Qui, 27 de Janeiro de 2011 04:35

Acontece hoje no auditório da GRS - Gerência Regional de Saúde em Uberlândia a reunião de apresentação das propostas de ações e programação da mobilização Força Tarefa de Combate que será realizada em Araguari, Passos e Frutal a partir do dia 31.

Na oportunidade participam o prefeito Marcos Coelho (PMDB) a secretária de Saúde Iara Cristina Borges e representantes do Departamento de Zoonoses e da Divisão Epidemiológica da secretaria municipal de Saúde, bem como as demais autoridades políticas e de saúde da região. A reunião será para discutir os dados estaduais e municipais relativos à dengue.
A ação da Força Tarefa foi criada pelo Governo de Minas em novembro de 2010 objetivando intensificar as ações de combate à dengue. A equipe percorreu 18 municípios mineiros com alto grau de infestações até o momento.
Nesse início de ano, diversos mutirões foram realizados, como nos distritos de Amanhece e Piracaíba, onde cerca de 25 funcionários trabalharam com a coordenação de projetos de conscientização, prevenção e combate, pois é uma região que apresenta grande índices de focos.
O governo de Minas destinou para o primeiro semestre de 2011 cerca de R$ 60 milhões para o combate à dengue. A mobilização foi criada visando estimular as pessoas a participar numa ação conjunta com parceiros. A ação conta com cerca de dez ônibus para dar suporte às equipes de trabalho, 70 carros fumacê, 600 bombas costais, nove caminhões chamados de Dengue móvel e 20 Dengômetros, 432 pessoas, sendo 200 soldados do Exército, 40 da Aeronáutica e 192 agentes de saúde.
A Força Tarefa atuará nos 20 municípios mineiros que apresentam maior incidência da doença fazendo uma varredura em áreas consideradas de risco, eliminando focos do mosquito.
Os caminhões que integram a equipe serão transformados em Dengue Móvel e circularão pelas cidades trocando entulho por material escolar. Pneus, latas e garrafas pets serão trocados por 45 mil cadernos e 125 mil borrachas e lápis.
De acordo com o diretor da Gerência Regional de Saúde (GRS), Daltro Catani, a Força Tarefa é necessária, uma vez que a expectativa de notificação da doença para 2011 é de 500 mil casos em todo o estado, o dobro do registrado no ano passado. “Os casos aumentam ano a ano. Para revertemos esse quadro se faz necessário o trabalho do poder público e principalmente da população. É preciso que todos entendam que a dengue é uma doença que mata. Por isso a secretaria usa o conceito ‘Agora é Guerra’ para atingir e sensibilizar as pessoas”, disse.

Transcrito do Gazeta do Triângulo.
 
Pitacos do blog
Trata-se de uma boa notícia. Creio que a Força Tarefa, nos moldes da que foi realizada em Uberlândia e em outras cidades, pode contribuir efetivamente na redução dos casos de dengue.
O mais interessante, a meu ver, são as ações de sensibilização da população. Essa proposta de trocar potenciais criadouros (garrafas pet, pneus) por material escolar (cadernos, lápis e borracha) pode produzir bons resultados, reduzindo o número de berços do mosquitos e conscientizando a população.
Há outro de destaque que é a participação mais direta da própria Secretaria Estadual de Saúde nessas ações. Oxalá essa intervenção consiga neutralizar um pouco dos eventuais erros e exageros praticados pelos gestores da dengue em Araguari.

6 comentários:

Aristeu disse...

O aedes é mais que este bando de carniceiros!

Anônimo disse...

"Nesse início de ano, diversos mutirões foram realizados, como nos distritos de Amanhece e Piracaíba, onde cerca de 25 funcionários trabalharam com a coordenação de projetos de conscientização, prevenção e combate, pois é uma região que apresenta grande índices de focos."
Muito bem, continuam as mentiras...Mutirão, onde? Vários?
A Força Tarefa, seria um trabalho interessante,sefor usado como tarefa complementar. Não se pode incluir trabalhos complementares como ciclo, como querem nossas coordenadoras.
Ciclo é uma coisa, trabalho de força tarefa outra. Assim como Trabalho de bloqueio de transmissão não deve ser usado e aproveitado como tratamento. Se o Fizerem haverá denuncias na svs@.gov.br.

Alessandre Campos disse...

Tem que acontecer um mutirão nos prédios ocupados pela Prefeitura, principalmente os da antiga RFFSA - Rede Ferroviária, pois estão infestados de mosquito da dengue.

Antes de se preocupar com a casa do vizinho, limpe o seu próprio quintal.

Em tempo, o quintal da minha casa está limpo, mas os dos vizinhos...

Deus nos acuda!!!

antônia disse...

É Alessandre, realmente com que o poder público pode cobrar da população onde os maiores "lixões" da cidade ficam em arés de responsabilidade da prefeitura, fica difícil quando não se dá o exemplo.

Edilvo Mota disse...

Por mais necessária que seja, a tal "Força Tarefa" é o atestado da incúria, da omissão, da irreponsabilidade dos governantes, de forma geral, em relação a todas as questões que envolvem a Saúde Coletiva.

Saúde (lato sensu) não é apenas sinônimo de "tratar doenças". Envolve todas as ações que, direta ou indiretamente, tenham relação com o estado de pleno bem estar físico, mental e social do cidadão.

Os seguidos governos municipais (inclusive o que participei) foram lenientes no cuidado com a saúde da cidade, deixando-a adoecer por falta de urbanização, de lazer, de geração de renda, de educação, de informação,de segurança, etc, etc.

E os poucos que se atrevem a exercer o "munus" público com comprometimento e respeito às leis acabam, como eu, ridicularizados dentro do poder; somos taxados de "ingênuos", "sem jogo de cintura" e (pasmemos) "honestos demais pra se meter em política". Uma visão doente e paradoxal, visto que a obrigação dos eleitos (e seus auxiliares administrativos) é (ou seria) justamente administrar a cidade visando o interesse da coletividade e não da turma de compadres.

Voltando à vaca-fria da dengue, postei em meu blog sobre um site que orienta os gestores públicos sobre suas atribuições para PREVENIR e EVITAR a dengue.

http://saudenatela.blogspot.com/2011/01/dengue-orientacoes-aos-gestores.html

Duvido que os (ir)responsáveis percam tempo lendo aquilo...

antônia disse...

Edilvo, já trabalhava em sua gestão e posso dizer que vc sempre fez o que a lei lhe permitia, tendo uma visão a cerca de toda a saúde, respeitando experiência de funcinários sendo humilde em aceitar críticas e sugestões, é claro que naquele tempo, como hoje sempre estive a frente de luta por melhorias para minha categoria e vc sempre nos respeitou, sinto falta daquele tempo. "Em tempo esclareço que sempre ocupei a função onde sou concursada, e também nunca possui cargo comissionado em nenhuma gestão antes que pensam que estou com saudades de alguma regalia".