terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Gastos com jornal e jornalistas



Tentando entender a relação de parte da imprensa com os detentores do poder, fazemos hoje uma parada no Diário de Araguari.
No Portal da Transparência, consta que a Prefeitura assina o referido jornal, pagando R$ 4.200,00 por 30 assinatura/ano, ou seja, R$ 140,00 por assinatura.
Além disso, consta também ter sido feito um pagamento de R$ 2.500,00 ao senhor Adriano de Souza Rodrigues, editor da coluna Curtas daquele Jornal. O pagamento ocorreu em 29/03/2010 e se referia à contratação de pessoa física.
Por fim, o jornal recebe parte do "bolo" gasto pela Prefeitura com agência de propaganda e publicidade.
As dúvidas do blog são três.
Primeira, se um cliente adquire 30 assinaturas de um jornal, não teria direito a um desconto? Não se leva em conta a economia de escala?
Segunda, o que se entende por "contratação de pessoa física"? Essa expressão bastante genérica satisfaz as exigências da Lei de Transparência?
Terceira, a assinatura desses contratos generosos ou genéricos seria um dos motivos da docilidade com que alguns órgãos de imprensa tratam o novo modelo de administração?

6 comentários:

Alessandre Campos disse...

Qual a prestação de serviço que esse Adriano fez: falar mal dos funcionários concursados na Coluna Curtas do Jornal ou puxar saco do governo? O dinheiro saiu do orçamento de qual secretaria?

Aristeu disse...

Acredito que seja um pagamento pra apenas nada dizer.

Morel disse...

Recebe para falar mal do ex prefeito e levantar a bola do atual.
Com isso enche o bolso com o nosso dinheiro.

Anônimo disse...

Mama = Marquim
Adriano = Marcão

Anônimo disse...

o Adriano foi o segundo aluno expurso da apae o primeiro foi o marcao

Edilvo Mota disse...

É curiosa, paradoxal, intrigante, inexplicável e risível a posição de "jornalistas" que, ao mesmo tempo, são "parceiros" da prefeitura e/ou da câmara, em negócios de gaveta ou ocupando (eternamente, até) cargos em comissão e posam de "analistas políticos" em rádios e jornais da cidade.

A um tempo, em palanque, desancam adversário com acusações graves e sem provas; depois, abraçam o barco do ex-adversário e tecem loas à sua administração.

Definitivamente, sensatez, coerência e hombridade são artigos em extinção...