segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Força Tarefa começa combate à dengue em Araguari

Escrito por Talita Gonçalves


Ter, 01 de Fevereiro de 2011 00:00

Carreta percorre ruas da cidade e mobiliza a população


Começou ontem em Araguari o trabalho dos agentes que fazem parte da Força Tarefa, criada pelo governo mineiro com o intuito de intensificar o combate à dengue em cidades com alto risco de epidemia. A primeira ação desta semana foi a realização de uma carreata, da qual participaram agentes e demais funcionários da secretaria de Saúde.

A carreata percorreu a cidade para conscientizar 
a população quanto ao risco da dengue

Mais de 20 veículos percorreram diversas ruas e avenidas do Centro, bairros Santa Helena, Aeroporto, Amorim, Milenium e Bosque. Na frente da mobilização o mascote, um divertido mosquito da dengue, acenava para a população enquanto as músicas da campanha eram transmitidas em carros de som.
A partir de amanhã, a Força Tarefa dá início as ações de campo, instalação dos dengômetros em pontos estratégicos da cidade e funcionamento dos dengue móveis, fixos e itinerantes. Estes últimos irão percorrer os bairros trocando entulhos por materiais escolares; um pneu vale um caderno, uma garrafa pet vale um lápis e uma lata vale uma borracha. Em Minas Gerais, foram trocados 309.097 kits de material escolar.
Para isso, 59 agentes foram contratados e ficarão na cidade por dez dias. Desde o dia 26 de janeiro, mobilizadores da Força sensibilizam e conscientizam a população local, realizando encontros com lideranças comunitárias e visitas às escolas.
A Força Tarefa atuará nos 20 municípios mineiros que apresentam maior incidência da doença fazendo uma varredura em áreas consideradas de risco, eliminando focos do mosquito. Em Araguari, conforme dados do LIRAa realizado em janeiro deste ano, os índices mais altos da presença do mosquito foram nos bairros Brasília, Novo Horizonte, Santa Helena, Aeroporto e São Sebastião. Destes, 97,7% dos focos ficam dentro de residências.

Transcrito do Gazeta do Triângulo, edição de 1º/02/2011.

Pitacos do Blog
Acredito que essa força tarefa irá trazer resultados positivos. Essa forma diferente de conscientizar a população pode surtir efeitos, contendo o aumento dos casos de dengue e, melhor, incutindo nas pessoas a ideia de que a adoção de medidas preventivas deve ser permanente.
Como toda ação estatal, a força tarefa também não será imune à críticas. Talvez tenha-se pecado pelo excesso de pirotecnia. Também é necessário ver se os custos desse tipo de evento são proporcionais aos benefícios.
De uma forma ou de outra, a campanha aí está. Convém que todos, crédulos ou desconfiados, participem efetivamente dela para se evitar a concretização de algumas previsões catastróficas. Fala-se que meio milhão de mineiros poderão ser contaminados até o final do período de maior incidência da dengue, meses de março e abril. Com ou sem governo eficiente, é importante que façamos a nossa parte.

13 comentários:

Edilvo Mota disse...

Ninguém, em sã consciência, seria contra qualquer trabalho de conscientização da população sobre a prevenção contra a dengue.

Porém, importa registrar que essa conscientização sempre foi feita, através das visitas cotidianas dos agentes sanitários. Além de ações educativas coordenadas pelas "meninas" Eliete, Angela e Vitória, através de seu grupo de educação em saúde.

Espera-se, disso tudo, que não tentem debitar a conta do aumento dos focos do vetor à eventual "preguiça" dos agentes concursados ou aos supervisores afastados.

Hipocrisia e sacanagem também devem ter limites.

Aristeu disse...

Eu queria poder adestrar estes mosquitos em vez de matá-los... Eles seriam muito úteis sobrevoando o poder!

Anônimo disse...

É bom lembrar que em novembro o indice foi de 1,2 segundo nos informaram, agora 2 meses depois ele chega á 4,6 mais de 280% de aumento do indice

Edilvo Mota disse...

Então...

não era culpa dos supervisores!!

Anônimo disse...

Circo puro! Enquanto a gestora desfilava dentro de um confortavel carro da secretaria, nos pagamos mico. Marcos criticas sao necessarias sim. A diretora da Epidemiologia anda dizendo nos corredores da secretaria de saude, que agora tem gente pra resolver o problema. Então precisa de gente de fora vir pra resolver os problemas, ganhando polpudas diarias. E depois qdo esse pessoal for embora....oque vai ser...

Anônimo disse...

Continuo afirmando, essa "Força Tarefa" é gasto desnecessário de verbas públicas. Esse projeto serve para maquiar a verdadeira realidade do problema, que é a falta de políticas públicas consistentes. Então confronto a ideologia da "Força Tarefa" em dois aspectos; o político e o técnico.
Para melhor compreensão do lado político, vou citar um exemplo, a semana passada a Rede Globo mostrou uma reportagem sobre a questão da dengue no Rio Branco Estado do Acre.
A matéria revelou que a cidade vive uma forte epidemia com a doença a qual já contabilizou até mesmo óbitos por dengue. O ponto interessante da matéria foi a reportagem flagrando diversos pontos críticos da cidade quanto a questão de saneamento básico.
A reportagem mostrou que a falta de abastecimento adequado de água levam as pessoas a removerem as próprias tampas de suas caixas d'água para fazerem a captação da água de chuvas para sobreviverem! Vejam a gravidade da situação. Continuando a reportagem, foi também mostrado que vários pontos da cidade onde não existe coleta de lixo regular, as pessoas despejam seus lixos nos terrenos próximos as suas residências, a matéria mostrou o quanto de lixo existente nesses terrenos baldios com grande quantidade de criadouros em potencial.
Então vamos imaginar que a Força Tarefa vá atuar nesse município com essa realidade descrita acima.
Então temos um conjunto de quase 60 servidores que vai percorrendo os imóveis da cidade e destruindo os possíveis criadouros, vedando as caixas d' água e etc. Ficam nessa cidade duas semanas fazendo essa tarefa de eliminação, mas e depois que partirem da cidade, o que a força a tarefa deixou para que essas pessoas possam dar continuidade na luta contra a dengue?
No dia seguinte à força tarefa, essas pessoas que ainda vivem em condições precárias devido sobretudo as deficiências e ausências de políticas de saneamento básico, não estariam novamente convivendo com o problema da dengue? Essas pessoas não estariam novamente removendo suas tampas das caixas d'água e jogando todo tipo de lixo e depósitos inservíveis nos terrenos próximos? Onde estaria a efetivação da tal "FORÇA TAREFA"? Novamente reitero, isso só serve para mascarar a realidade. Isso tudo ai não passa de balela! blá... blá... blá..
Quanto a questão técnica, 1º que convocaram servidores efetivados, outros contratados temporariamente para esse projeto. Muitos desses servidores contratados, como não tem estabilidade e apenas vão servir a um propósito único e passageiro não tem interesse no trabalho, ainda mais em outra cidade, prova disso que já ouvimos que muitos desses servidores foram mandados de volta para suas cidades por desempenho ruim da função e bagunça.
2ª Alguns desses servidores estão treinados com outro tipo de larvecida (produto para tratamento de depósitos que requer conhecimento técnico para o seu manuseio), diferente do usado em nosso município.
3ª O trabalho desempenhado por esse pessoal é semelhante ao trabalho de mutirão, e a coordenação do município quer aproveitar esse trabalho para andamento de ciclos.
Erros: Esse pessoal não conhece a realidade do nosso município, o que pode elevar o numero de imóveis pendentes ao entrar em relatório de ciclos. Isso afetaria a cobertura final do trabalho.
Por conseguinte, a perda de imóveis, isto é, a não observância de presença de residências de fundos pode comprometer o RG final.

antônia disse...

Talvez realmente porque o que falta é agente na rua , é impossível quere que façamos o trabalho nosso e de outro que falta, em minha turma mesmo falta duas pessoas, uma para o bairro desguarnecido e outra para cobrir as férias dos agentes que agora está sendo caçada sem ao menos nos avisar com antecedencia, apena faltando 6 dias para sair em gozo de férias me imformaram que eu não as teriam, é o cúmulo da falta de respeito, não me importaria de deixar para tirar férias depois, desde que falassem comigo antes, nos tratam com total desprezo e desrespeito, e tudo isso porque não colocam o numero suficiente de pessoas trabalhando em campo, ou seja na rua, no papel pode até dizer que tem o número correto porém na prática é outra história, enfim se a diretora está dizendo que agora tem gente para resolver o problema é tem sim o ESTADO PORQUE A PREFEITURA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Colenghi disse...

Não sou hipócrita, portanto rasgarei o verbo:
No tempo em que exercia supervisão geral, se me pedissem voluntários para uma força tarefa, óbvio, eu não iria mandar meus melhores agentes não.Os melhores ficarriam aqui em seus respectivos itinerários. Pensaria primeiro no meu município.È certo penasr assim? Sei que não. Mas é certo você tirar o melhor que tem para servir a sua população e enviar para outro lugar?
Cada um aqui é adulto suficiente para tirar suas conclusões, mesmo por quê todos aqui sabemos como funciona o serviço publico.

Aristeu disse...

Colenghi, obrigado, sempre achei estas forças tarefas nada mais que um enxame de vexame!

Anônimo disse...

Pois é,enquanto isso agentes lutam e estão fazendo a prevenção contra o mosquito. Mas infelizmente não se tem respaldos. Casas continuam com larvas, sem tampas nas caixas de água.E nda disso é providenciado. Isso é o cúmulo do absurdo!!!Os moradores que falam mal dos agentes, sendo que este faz seu serviço,mas qdo chega nos grandes, nda é resolvido.Já basta um sol quente...
Para isso é necessário o trabalho com a sociedade, parcerias entre os órgãos da prefeitura e as políticas públicas para serem trabalhadas, se é que elas existem aqui...

Anônimo disse...

Como se diz, a saúde deveria ser preventiva em vez de ser curativa.

Anônimo disse...

" Mulheres e homens, nos tornamos mais do que puros aparatos a serem treinados ou adestrados.Nos tornamos seres da opção, da decisão,da intervenção no mundo. Seres da responsabilidade". Pedagogia da Indignação,2000
Lutando pelos nossos direitos.

Anônimo disse...

Esta força tarefa foi so barulho, aqui no bairro de Fatima esta enfestado de mosquito.