quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Feliz 2012!

Não tenho criatividade alguma. Por isso, valendo-me do "copiar/colar", repito um texto que postei aqui no final do ano passado. Ele continua refletindo meu pensamento:

Uma pessoa indignada não é necessariamente uma pessoa raivosa. Indignar-se com a injustiça é estar alerta.
(Ruth de Aquino, Revista Época, ed. 658, 27/12/2010, pg. 138).

Assim, desejo que todos estejam vigilantes para que, no novo ano, as injustiças sejam reduzidas. Que os bens essenciais à vida com dignidade estejam ao alcance de todos. Que nós sejamos capazes de repartir o pão e de ver no semelhante uma pessoa igualmente criada por Deus, com direitos e deveres idênticos aos nossos.

Tentando tapar o sol com a peneira

Foi dito:
Percebe-se que, na verdade, o Prefeito Marcos Coelho considerou tímida a decisão do Congresso Nacional, pois atrai para municípios como Araguari e outros que investem recursos consideráveis em saúde pública pacientes de regiões menos assistidas, onde a prefeituras não proporcionam melhor atendimento à população. Não há como recusar atendimento a estes pacientes, que, em geral, são acolhidos em casas de parentes, passando-se por moradores de Araguari, com a cidade desempenhando papel de centro regional de saúde, com recursos estritamente municipais.
Fonte: Correio de Araguari

Tanto o jornal quanto o prefeito deveriam tomar maiores cuidados com certas afirmações. Eles não estão em palanque eleitoral diante de uma claque. Também, nós, eleitores, não somos desprovidos de cérebro, como eles parecem pensar. A impressão que passam é a de que todos nós estamos alheios à realidade da cidade.
Ao noticiar que o município de Araguari irá gastar 27% de sua receita com ações e serviços de saúde, o jornal Correio de Araguari exagerou na dose afirmando, ainda, que Araguari é um "centro regional de saúde", que atrai pacientes de outras cidades.  Ora, essa afirmação contraria flagrantemente a realidade vivida pelos usuários do SUS na cidade. Aqui, para ser atendido pelo sistema público de saúde, é comum as pessoas recorrerem à imprensa, à Polícia Militar e ao Ministério Público. Que "centro regional de saúde" é esse? Aliás, essa "informação" do Correio foi logo desmentida pelo recente episódio da gestante de trigêmios que, para ter atendimento adequado, teve que ser transferida para Patos de Minas, a 250 km daqui. 
Assim, viver aqui é bom demais, desde que não precisemos dos serviços públicos de saúde.

Calendário Eleitoral - janeiro de 2012

A partir de hoje, publicaremos aqui as restrições impostas aos envolvidos no processo eleitoral (Administração Pública, candidatos, empresas, entidades, etc.) durante o próximo ano.
Comecemos pelo mês de janeiro. A partir do dia 1º:
- as entidades ou empresas que realizarem pesquisas de opinião pública relativas às eleições ou aos candidatos ficam obrigadas a registrar, no juízo eleitoral competente para o registro das respectivas candidaturas, as informações previstas em lei e em instruções expedidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (Lei nº 9.504/1997, art. 33, caput e § 1º).
- fica proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da administração pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior, casos em que o Ministério Público Eleitoral poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa (Lei nº 9.504/1997, art.73, § 10).
- ficam vedados os programas sociais executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por esse mantida, ainda que autorizados em lei ou em execução orçamentária no exercício anterior (Lei nº 9.504/1997, art. 73, § 11).
À medida que incidirem outras restrições, as publicaremos aqui.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Hospital público gasta dinheiro de doações comprando bilhetes de loteria para funcionários

Hospital público em Goiás gasta R$ 3.200 de doações em bilhetes da Mega-Sena para funcionários


A diretoria do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), o maior da cidade, registrou 1.600 apostas da Mega-Sena da Virada e as doou para funcionários comissionados e efetivos. Foram gastos R$ 3.200 com os bilhetes, que foram entregues acompanhados de um cartão de Ano Novo.
Segundo a direção, os recursos vieram de empresas parceiras, que não tem nenhuma ligação com o governo do Estado de Goiás. O objetivo, ainda de acordo com a diretoria, é dar um incentivo aos trabalhadores.
“Achamos justo criar essa oportunidade e esperança para os funcionários”, afirmou a diretora do Hugo, Ivânia Fernandes.
Alguns funcionários gostaram da iniciativa. Outros afirmaram que o dinheiro teria sido mais bem usado para melhorias no próprio hospital, pois o local enfrenta diversas denúncias de irregularidades.
No final de novembro a reportagem do UOL Notícias mostrou uma funcionária que cobrava propina para furar a fila de cirurgias na rede pública de saúde.
O cartão que estava junto ao bilhete vinha com um pedido, para que, se houver algum ganhador entre os funcionários, não se esquecerem do Hospital de Urgências de Goiânia.
Para o médico ortopedista José Altair Ázara, que trabalha no Hugo, o presente poderia ser diferente. “Para nós, funcionários, o bom mesmo seriam melhores condições de trabalho”.
A Secretaria Estadual de Saúde confirmou que o dinheiro não incluía verbas públicas, reconheceu a crise pela qual passa o hospital, e acrescentou que os “presentes” foram uma maneira de incentivar médicos e trabalhadores neste final de ano.
As empresas parceiras que doaram o dinheiro não foram identificadas pela diretora, pois muitas contribuem anonimamente com a instituição e teriam ligações particulares com ela.
No Ministério Público, que está em recesso até o dia 6 de janeiro, ninguém foi localizado para falar sobre o assunto.
Transcrito do Portal do UOL.

Pitaco do blog
Definitivamente, os brasileiros estão conseguindo relativizar determinados conceitos aparentemente solidificados durante o processo civilizatório. Ética, moral e legalidade, entre outras, são palavras que tiveram sua extensão alargada. Em breve, qualquer conduta, por mais reprovável que seja, poderá ser enquadrada nos conceitos extraíveis dessas palavras. A partir de então, essas expressões perderão a razão de ser, uma vez que terão significados comuns, confundíveis com os de outras inúmeras palavras.
Essa sensação de que tudo é normal e permitido faz um imenso mal para a população. Perdem-se referenciais de conduta. Nos conduz ao caos.
No caso noticiado, pouco importa a origem dos recursos "investidos" na sorte dos funcionários. Os hospitais públicos, que eu sabia, possuem finalidades públicas. Dessa forma, mesmo que as doações viessem de um bondoso traficante de drogas (hipótese absurda, por óbvio), os recursos deveriam ser canalizados para a melhoria do atendimento ao público ou, numa hipótese mais provável, na diminuição dos problemas financeiros dos hospitais públicos.
Por fim, importa dizer que esse tipo de notícia tem que produzir algum efeito. Claro, não estamos esperando que o Poder Público puna os criativos gestores do Hospital e determine a devolução do dinheiro "jogado' no lixo.  Embora sejam as ações corretas, nessa altura do nosso jogo ético, seria pedir demais. Não ousamos ser tão ingênuos assim. Desejamos apenas que essa informação tenha ampla divulgação, servindo de motivo de reflexão por parte da sociedade. Evitar certos erros pode contribuir para a diminuição da sensação de absoluta normalidade de todas as condutas.

Prefeitura poderá comprar gasolina ainda mais cara

Diz o ditado que errar é humano, mas permanecer no erro é burrice. Isso cabe perfeitamente na ação da Prefeitura Municipal ao adquirir combustíveis.
No decorrer do ano, constatou-se que o município pagava R$ 3,28 por litro de gasolina ao Auto Posto Melo Viana. À época, como agora, o mesmo combustível podia ser adquirido por valores bem inferiores no mercado.
Agora, a Secretaria de Administração lança nova licitação para adquirir combustíveis no ano de 2012. Onde está a permanência no erro? Está no período do fornecimento. Ao optar por fazer licitação para compra durante o período de um ano, o município fatalmente irá pagar mais caro do que já paga pelo combustível. Isso porque os fornecedores terão que cotar preços mais elevados que os atuais para não terem prejuízo durante o contrato. Afinal, quem pode afirmar qual será o preço da gasolina em junho ou em dezembro do próximo ano? Nem a Mãe Dináh...
Qual a solução? No mínimo, duas. A primeira já foi falada em outro post: adquirir diretamente dos distribuidores e armazenar o combustível. A segunda é fazer contratos por prazos menores. Contratos de três meses e até de um mês, apesar de mais trabalhosos, seriam muito mais econômicos para o município.
A saída, então, é evitar o problema. Alterar o edital, reduzindo o prazo contratual, aparenta ser a solução para evitar mais prejuízos para os cofres públicos e para a população. Mas, não acredito que alguém do  governo Marcos Coelho esteja preocupado com isso.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Concurso Público da Prefeitura

Em entrevista à Rádio Planalto hoje pela manhã, o Secretário de Administração, Levi Siqueira, confirmou a realização de concurso público para preenchimento de vagas nos quadros do Poder Executivo local.
Segundo o Secretário, estão sendo ajustados os últimos detalhes com a entidade contratada para a realização do certame. A previsão é de que o edital seja lançado na primeira quinzena de janeiro. Como haveria a necessidade de observar um prazo mínimo entre a publicação do edital e a realização do concurso, as provas devem ser realizadas em março.
O blog, desde o início, vem defendendo a realização de concurso público. Mais que isso, pugna pela moralização do serviço público em Araguari. O concurso é apenas um passo. Não o único. É preciso reduzir drasticamente o número de comissionados e de contratados por tempo determinados. Em suma, é preciso criar uma política de pessoal compatível com as necessidades da população e dos servidores.
Por isso, antes de realizar o certame, faz-se necessário aprovar a tal revisão do plano de cargos e salários do funcionalismo, conforme prometido pelo governo.
Vale ressaltar, ainda, que o município corre contra o tempo, uma vez que, em virtude das restrições do ano eleitoral, o resultado do concurso terá que ser homologado até 7 de julho de 2012. Caso contrário, as nomeações só poderão ocorrer no próximo mandato.
Por fim, acreditando que o concurso seja a forma mais democrática de qualquer cidadão ingressar no serviço público, o blog voltará ao assunto, analisando o edital e promovendo o sorteio de bolsas de estudo ou apostilas a fim de auxiliar na preparação dos candidatos.

Marinha gastou R$ 657,9 mil com reforma e compras para residência onde Dilma passa recesso

Dyelle Menezes
Do Contas Abertas

Desde ontem (26), a presidente da República, Dilma Rousseff, está na Base Naval de Aratu, na Bahia, para um período de descanso que deve acontecer até o dia 8 de janeiro. Antes de receber a chefe do Estado Maior do Exército brasileiro, a Marinha gastou R$ 657,9 mil em novos móveis e reformas da Residência Funcional da Boca do Rio, que fica na Base Naval. O valor se refere a cinco notas de empenhos emitidas entre os dias 21 de novembro e 10 de dezembro deste ano. Na viagem, a presidente está acompanhada da filha e do neto, Paula e Gabriel, do genro, Rafael Covolo, da mãe, Dilma Jane, do ex-marido, Carlos Araújo e sua atual esposa, além de uma tia.
Três notas de empenho, no montante total de R$ 425,2 mil, fazem parte do processo 026/2011, que previa gasto estimado de R$ 523,5 mil. O edital da compra informa a necessidade de fornecimento de mobiliário, tapetes, cortinas e eletroeletrônicos para a residência funcional da Boca do Rio. (veja empenhos)
Todos os itens, exceto os tapetes, são encontrados nas descrições dos empenhos. Entre as compras estão, por exemplo, um frigobar com capacidade de armazenagem de 76 litros no valor de R$ 4,9 mil, um espelho tamanho 2,5 x 2,5 m ao custo de R$ 6 mil e duas poltronas no valor total de R$ 6,7 mil.
Além disso, um “kit” de eletroeletrônicos, composto por oito televisões, sete DVD’s, um home theater e um computador completo, no valor total de R$ 19,5 mil, também faz parte das novas aquisições da Base.
As cortinas estão na nota de empenho do dia 10 de dezembro (processo TJDL 04/2011) e custaram R$ 37,3 mil. Para finalizar a soma total dos gastos da Base Naval de Aratu com a residência funcional da Boca do Rio, foram reservados, no dia 21 de novembro (processo CP NR 022/2010), R$ 195,4 mil para “execução de obra de reforma”.
Segundo fonte militar que conversou com o Contas Abertas, as reformas e as compras de mobiliários podem não ser especificamente destinadas para receber a presidente da República. Para a fonte, as ações fazem parte do Próprio Nacional Residencial (PNR) do Exército, “um rodízio de manutenção” dos imóveis oficiais para que não fiquem abandonados e deteriorem.

Em janeiro de 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva também tirou uns dias de descanso na Bahia. Acompanhado pela mulher, Marisa Letícia, e pelo general Gonçalves Dias, responsável pela segurança do presidente, além de familiares, ele passou a virada do ano na Base Naval de Aratu, na praia de Inema. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também já usufruiu do lugar.
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, no final da noite de ontem (26), o Palácio do Planalto informou que “o processo [da reforma] começou em outubro de 2010, quando a presidente sequer tinha sido eleita”. De acordo com a Presidência, a obra “era demorada e só acabou no segundo semestre. E os móveis só podiam ser comprados após a conclusão da obras”.
Depois do descanso, a expectativa é que a Dilma Rousseff já no primeiro mês do ano cuide de ajustes nos ministérios que terão alterações devido à saída, ainda em janeiro, de ministros que concorrerão às eleições municipais marcadas para outubro.

Base de Aratu
A Base Naval de Aratu é uma Organização Militar da Marinha do Brasil e está localizada na península do Paripe na Baía de Aratu, ligada pelo rio Cotegipe a Baía de Todos os Santos, no município de Salvador, Bahia. Possui posição estratégica, pois está situada aproximadamente no meio do litoral brasileiro. O local possui dois amplos cais, dique seco para navios de até 35.000 toneladas, oficinas, heliponto e alojamentos. Após o Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, é o centro mais importante de manutenção e industrial da marinha. Pode prestar serviços para clientes fora da Marinha.

Transcrito do site Contas Abertas.

Pitaco do Blog
No Brasil, há uma imensa confusão entre o público e o privado. Isso fica claro, por exemplo, nos excessivos benefícios indiretos concedidos aos detentores do poder. Assim, o salário real desses privilegiados é muito superior ao previsto nos seus contracheques.
O caso noticiado pelo Contas Abertas mostra claramente como isso ocorre. Além de pagar pelo serviços prestado por alguns agentes políticos, temos que bancar também o lazer deles. Nesse ponto, não nos diferenciamos muito de algumas monarquias. Aliás, somos mesmo semelhantes às monarquias mais perdulárias. Com uma agravante: toda vez que muda o "rei", os benefícios têm que ser alterados. Afinal, enquanto uns presidentes gostam de água de côco outros preferem uma cachaça de boa qualidade.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Feliz Natal!

Espírito de Natal

Ambicioso, sonhei escrever um conto de Natal. Limitado pela falta de talento, faltaram-me ideias. Resolvi, então, contar a história real de uma pessoa que fez bom uso de um presente de Natal. É a forma que encontrei de, além de falar do espírito natalino, homenagear o amigo e Conselheiro Renato Rainha pelos dez anos de bons serviços prestados ao Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF).
Em 1987, o então Delegado de Polícia da 15ª DP, Ceilândia-DF, atendeu a uma ocorrência em que um menino de 8 anos havia falecido em função da inalação excessiva de cola de sapateiro. Tocado pelo fato, Rainha começou a se dedicar a atividades voltadas à prevenção contra o uso de drogas e ao tratamento e recuperação de dependentes químicos. Passou a proferir palestras em escolas, igrejas, empresas, esclarecendo a população sobre os perigos e as consequências do uso das drogas. Fundou, presidiu e, de forma incansável, responde atualmente pelas espiritualizações da Comunidade Terapêutica Dom Bosco, entidade civil sem fins lucrativos, cujo objetivo é o tratamento e a recuperação de dependentes quimicos.
Esse trecho de vida simboliza bem o que é o espirito do Natal. Afinal, o jovem delegado  poderia, simplesmente, terminar o seu plantão e apagar da memória a morte daquela criança. Mas não. Ele captou o sinal divino. Aceitou e vem usando o presente recebido.
Moral da história: Deus (como quer que o concebamos) utiliza-se de maneiras insuspeitas para nos propiciar oportunidades de crescimento espiritual. Para Ele, todo dia é dia de distribuir presentes. Que neste Natal e no resto de nossas vidas estejamos preparados para perceber esses sinais e fazer bom uso dessas dádivas. Feliz Natal a todos!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Desabafo de uma avó

O site Patos Hoje traz reportagem sobre a grávida de trigêmios que, por falta de UTI neonatal na rede de saúde de Araguari, teve que ser transferida para Patos de Minas, onde foi realizado o parto.
Extrai da notícia, para reflexão dos leitores, dois depoimentos da avó das crianças:
"Se não fosse aqui, nessa hora eu estaria velando a minha filha e os meus netos.”
“Ele (o médico) disse que tinha que eliminar um dos meninos e eu falei para ele que os meus netos não eram bicho para serem eliminados."
Clique aqui e leia a reportagem completa.

Câmara de Campinas decide pela cassação do prefeito Demétrio Vilagra

Segundo relatório, ele não impediu esquema de corrupção na cidade.


Prefeito cassado diz que decisão é 'atentado à democracia'.

A Câmara Municipal de Campinas, no interior de São Paulo, decidiu pela cassação do prefeito Demétrio Vilagra (PT), no fim da noite desta quarta-feira (21).
Foram 29 votos a favor da cassação e 4 contra. A sessão, que teve votação aberta e nominal, durou mais de 36 horas. Vilagra é o segundo prefeito cassado em cerca de quatro meses na cidade.
O petista será substituído pelo presidente da Câmara, Pedro Serafim Júnior (PDT), que fica na Prefeitura por até 90 dias e deve convocar novas eleições na cidade. O Decreto Legislativo do afastamento será publicado no Diário Oficial do Município de segunda-feira (26), quando acontece oficialmente a troca no cargo. A defesa do prefeito afirmou que vai recorrer da decisão.
O processo de cassação começou a ser discutido nesta terça-feira (20). O relatório continha 1.400 páginas. Vilagra era vice do prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT), cassado em agosto pela Câmara Municipal por irregularidades.
Vilagra é acusado de quebra de decoro. Segundo o relatório, ele não impediu um esquema de corrupção na Sanasa, empresa municipal de saneamento, nas sete vezes em que assumiu a Prefeitura no lugar de Hélio.
Leia o restante da reportagem no Portal G1.

Opinião do Leitor: Araguari - uma cidade que não resolve os seus problemas, só os faz aumentar.


Um dos pontos de alagamentos registrados pelas lentes do Gazeta do Triângulo
 A propósito da reportagem do jornal Gazeta do Triângulo sobre os transtornos causados pelas chuvas em bairros periféricos de Araguari (clique aqui para ler), publico a opinião do leitor Leandro Cezar Maniezo. Aproveito para reforçar o convite a todos que quiserem se manifestar aqui. Este espaço é de todos nós.

Araguari - uma cidade que não resolve os seus problemas, só os faz aumentar.

Sempre nos deparamos com os mesmos problemas de infraestrutura básica na cidade. A população mais carente é desprovida das condições mínimas de dignidade nas nossas periferias. E é sofrimento o ano todo nos bairros periféricos, quando não é o barro, ou pior, a enchente, é a poeira que toma conta de tudo. Vou citar o bairro Vieno, no qual os moradores se perdem em promessas vazias de asfaltamento das ruas. Torço para que não asfaltem o bairro. O problema de infraestrutura é tão grande que se ousarem asfaltar sem a construção de galerias pluviais eficientes, aquelas ruas serão enormes piscinões, e a tragédia será bem maior. Outra questão preocupante é que SE fizerem as tais galerias pluviais, onde jogar a água? Na represa das Araras? A própria prefeitura já disse (mas nem devemos considerar o que dizem) que seria mais barato transferir a população do bairro do que dotá-lo de toda infraestrutura necessária. O bairro é uma "bacia", um antigo brejo que não possui rede de drenagem (natural) bem definida. E o esgoto desse bairro? Vai também pra represa das Araras? São questões que se arrastam e sempre se apresentam sem soluções. Não há projetos de urbanização do bairro. Os nossos péssimos governantes veem muito bem que esses bairros, além de bolsões de pobreza, significam bolsões de votos de uma população carente que troca meio caminhão de areia, ou meia dúzia de tijolos pelo seu voto e depois é esquecida. E de quatro em quatro anos as promessas se fortalecem nos discursos calorosos dos candidatos que quando eleitos passam anos no gerundismo: "buscando", "tentando", "pensando", "analisando". Bem típico de políticos que nada fazem pra mudar a realidade do povo que os elegeu. Parece redundante isso, mas Araguari cresce sem o mínimo de planejamento. Os moradores do bairro Jóquei Clube também sofrem com sérios alagamentos em ruas asfaltadas. E nos novos loteamentos esse problema grave se repete. Não sei onde tiraram a ideia de construir bolsões, enormes piscinões a céu aberto para acumularem as águas pluviais. Isso se tornará um problema gravíssimo, de difícil solução nos próximos anos. E as promessas? Viaduto no bairro São Sebastião? Recapeamento da Av. Mato Grosso? Praças pra que servem? Parque linear? Tratamento de esgoto?


Leandro Cezar Maniezo

Santa Casa de Misericórdia: Nota à Imprensa

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Grávida de trigêmeos passa 12 horas à espera de atendimento em MG

Motivo da demora foi a falta de UTI Neonatal em Araguari e região.

Médico informou que um já estaria morto, segundo a mãe da grávida.

Quase 12 horas de espera. Este foi o tempo que uma grávida de trigêmeos, com 29 semanas, esperou para ser transferida para um hospital com UTI Neonatal disponível. A mulher chegou à Santa Casa de Araguari, no Triângulo Mineiro, já em trabalho de parto por volta das 6h da manhã. A grávida foi atendida, mas o médico responsável disse que não faria o parto, pois só havia um leito de UTI Neonatal disponível no hospital.

Durante todo o dia a família tentou conseguir os leitos. Chamou a Polícia Militar e depois procurou Ministério Público. Por volta das 17h30, a grávida foi levada de ambulância para um hospital particular em Patos de Minas, no Alto Paranaíba, a 250 quilômetros de Araguari.
Segundo a mãe da grávida, o médico que deu início ao atendimento em Araguari teria dito que um dos bebês já estaria morto.
A secretária de Saúde de Araguari, Iolanda Coelho, informou que na Santa Casa são oito leitos de UTI Neonatal credenciados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e todos estão ocupados. Disse ainda que a grávida foi atendida por um obstetra que, ao verificar a necessidade do parto, acionou a Secretaria de Saúde que, por sua vez, acionou o SUS Fácil e a Central de Regulação.
Como em Uberlândia também não havia leitos, foram tentados outros municípios, até que houve a liberação em Patos de Minas.
A secretária disse também, que o médico responsável informou sobre a paciente e que os bebês teriam condições de aguardar pela transferência. Porém, Iolanda Coelho não soube o que teria levado um dos bebês à morte.

Transcrito do Portal G1 Triângulo Mineiro .

Pitaco do Blog
Mais uma vez, o nome da cidade é manchado por notícias ruins relacionadas à saúde pública. Provavelmente, os defensores do governo bradarão que a culpa é da oposição. O ex-juiz Rogério Fernal, por exemplo, não chegou a tanto, mas disse pela manhã em um programa de rádio que o prefeito não tinha culpa nesse episódio. Uma hora mais tarde, em outra emissora, o próprio prefeito, alheio à realidade da cidade que governa, fazia propaganda das melhorias que afirma ter implantado na saúde pública.
É claro que o setor de saúde pública, em condições "normais", já enfrenta problemas Brasil afora. Mas, parece que em Araguari as recidivas são mais frequentes do que em outras cidades.
Acompanhei esse episódio a partir de uma reportagem da Rádio Vitoriosa ontem pela manhã. Com o passar do tempo, o calvário da paciente, das crianças e da família foi se ampliando. Informações desencontradas, demora na definição de procedimentos, tudo contribuindo para aumentar a dor dos envolvidos.
Para que o problema fosse resolvido (insatisfatoriamente diante da perda de um dos bebês, uma menina), a família teve que procurar ajuda em emissoras de rádio, na Polícia Militar e no Ministério Público até conseguir uma internação em Patos de Minas, a 250 km de Araguari. Imaginem o sofrimento físico e psicológico dessa mãe durante a viagem? É esse o procedimento normal?
Sinceramente, não se pode encarar com naturalidade uma saúde pública que funcione na base da ocorrência policial e da intervenção dos veículos de comunicação. Essa é uma saúde doente. Ao que parece, em Araguari, as engrenagens do SUS só se destravam quando o fato ganha repercussão na mídia. Com medo de aumentar o desgaste dos governantes de ocasião perante a opinião pública, as soluções acabam sendo encontradas. Às vezes, tarde demais. Se os usuários forem humildes e não tiverem quem zele por eles, estarão irremediavelmente condenados a sofrer nos labirintos da saúde pública da cidade.
Contudo, isso não é culpa somente dos políticos e agentes públicos envolvidos. Todos nós contribuímos para que o sistema não funcione ou funcione de maneira desumana e cruel com os mais necessitados. Somos nós que, em regra, assistimos a tudo passivamente. Indiferentes à dor de pacientes e familiares, nos nivelamos em grau de desumanidade a alguns agentes públicos que atuam no SUS.
Por isso, é preciso insistir: temos que atacar as causas dos problemas, não as consequências. Exemplos? Se o dinheiro público tivesse sido corretamente aplicado, hoje teríamos um hospital municipal em funcionamento. Como os nossos representantes, com a nossa conivência, construíram um "elefante branco", o dinheiro público, ao invés de ser usado para instalar leitos de UTI em um hospital público, foi direcionado para um hospital privado, que, como sabemos, visa, sobretudo, ao lucro. Um erro leva ao outro. Tudo parece propositalmente orquestrado. Resumo da ópera: sem hospital público, os pacientes do SUS se tornaram reféns de empresários e profissionais do setor privado. É a versão araguarina do darwinismo: quem tem dinheiro se salva; quem não tem, geralmente, fica pelo caminho.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Araguari, 30 anos de preservação ferroviária

Alexandre Campos de Souza *

Após a traumática demolição da Estação da Mogiana e a retirada de seus trilhos, no final da década de 1970, que apagou uma parte importante da história de Araguari e do Estado de Minas Gerais, lideranças intelectuais de nossa cidade engendraram ações que garantiram a preservação dos remanescentes da Estrada de Ferro Goiás. Vários inventários, tombamentos e obras de restauração se destacaram no cenário regional e até nacional, como exemplos de valorização deste legado ferroviário.

Década após décadas, gestores municipais, instituições e a comunidade deram pequenos passos rumo à preservação deste rico acervo cultural disperso pela paisagem urbana, refletindo diretamente na identidade cultural do araguarino, projetando a cidade entre aquelas que lutam pela memória ferroviária.

Dentre as principais ações, ao longo do tempo, podemos pontuar os trabalhos da década de 1980, que culminaram no tombamento do Conjunto da Estrada de Ferro, cuja Estação é o principal ícone,em 1989, estimulado pelo Programa de Preservação do Patrimônio Histórico do Ministério dos Transportes – PRESERVE. Após este processo, várias tentativas de comprar o conjunto ferroviário foram realizadas, até que em 1999, a lei municipal 3359, autorizou a compra de uma parcela da área, tendo a Estação e o Armazém de cargas como principais prédios.

No mesmo ano foi realizada a restauração do telhado do prédio, garantindo sua preservação parcial, até que novas ações fossem realizadas. Em 2001 o processo de restauração da Estação continuou, com o Mutirão PróRestauração, que envolveu a comunidade local no importante passo que viria pela frente.

O prédio da Estação tornou-se o centro das ações culturais, chamando a atenção da população para a riqueza histórica da ferrovia. Desfiles, shows, palestras e feiras gastronômicas foram realizados diante do prédio ainda degradado, enquanto os projetos da restauração eram elaborados.

Diante do valor cultural da Estrada de Ferro Goiás para Araguari, para o Triângulo Mineiro e estados de Minas Gerais e Goiás, o patrimônio de bens imóveis foi tombado pelo Instituto Estadual de Patrimônio Cultural de Minas Gerais-IEPHA MG. A cidade passou a fazer parte dos locais oficiais que ajudavam a contar a história de Minas Gerais.

Junto das ações públicas, a comunidade trabalhou, participando e apoiando todas as etapas. Em 2004, quando a RFFSA tentou desviar um dos vagões tombados no conjunto de bens móveis, a comunidade ferroviária se mostrou atuante, impedindo a saída da carreta, deitando-se no chão. A prefeitura prontamente atuou junto aos meios legais, impedindo a retirada do bem.

Em 2005 a Restauração da Estação da Goiás foi entregue à população, juntamente com o Museu dos Ferroviários de Araguari. Os esforços dos mais de 30, diversas gestões, e ações populares foram coroados com este elemento que virou um ponto de encontro para a cidade. Em homenagem aos trabalhadores que construíram este patrimônio, a Câmara Municipal batizou o prédio com o nome de “Palácio dos Ferroviários”. Araguari virou notícia em todo o país, fortalecendo o orgulho de sua população.

Continuando o processo de revitalização do conjunto ferroviário, em 2007 iniciou-se o projeto de restauração do Armazém de Cargas, que agora, em 2011, se apresenta a todo vapor, para instalação da secretaria municipal de Educação. O projeto, devidamente autorizado, seguindo as normas de preservação, se abre como um rico processo educação patrimonial, diante das parcerias entre diversos órgãos públicos e Conselho do Patrimônio Cultural.

Cada ação em favor da valorização ferroviária araguarina efetiva nossa cidade como exemplo de cidades evoluídas culturalmente, tornando-se referência para tantas outras, deixando na história o nome de seus idealizadores.

* Bacharel e Licenciando em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e, infelizmente, mais uma vítima fatal de acidente ocorrido no dia 6 de dezembro, na BR-050.
Publicado originariamente no Jornal Gazeta do Triângulo, de 08/12, em homenagem póstuma ao jovem Alexandre Campos de Souza.

Pitaco do blog
Bela homenagem do Gazeta ao Alexandre.
Aos poucos, vou conhecendo as belas histórias de vida daqueles que se preocupam com a preservação da história de Araguari. É um trabalho muito bonito, feito, via de regra, por jovens idealistas, apaixonados pela cidade.
A minha esperança sincera é de que, na esteira do Alexandre Campos, sigam outros jovens, igualmente interessados na preservação do rico legado ferroviário. E que eles consigam, cada vez, mais se fazer ouvir pelo poder público. Afinal, se quisermos alcançar a evolução cultural referida no artigo, devemos atribuir à preservação da história do município o status de agenda permanente de todos os governos.

Rodoviária: banheiros continuam interditados

No período de maior movimento, os banheiros da rodoviária
continuam interditados (foto: Sandra Lúcia Ferreira).

Trilhos no perímetro urbano de Araguari são reconhecidos como patrimônio histórico oficial

 Escrito por Talita Gonçalves


No início deste mês, o Conselho Deliberativo Municipal do Patrimônio Histórico decidiu por unanimidade o tombamento dos trilhos que cortam o perímetro urbano de Araguari devido ao seu valor cultural, paisagístico, etnográfico, técnico e memorial. São 2.400 metros de extensão, desde a parte do final do pátio original da Estrada de Ferro Goyaz até o pátio da ferrovia atualmente ativa.



A linha férrea é um importante elemento cultural
do município de Araguari (Foto: Gláucio H. Chaves)
Um terço desse trecho cruza as duas pistas das avenidas Mato Grosso e Belchior de Godoy. Depois, passam por uma região onde antigamente era feito o embarque de animais, no bairro Santa Terezinha, segue paralela ao Batalhão Mauá e em seguida cruza a rua Jaime Araújo, próximo a uma fábrica de cortiças que recentemente foi demolida. Nessa região, muitas residências estão próximas aos trilhos, que continuam em trechos mais desabitados.
Durante todo o percurso, estão presentes os postes telegráficos, e cruzes de Santo André nos cruzamentos, pintadas com faixas brancas e pretas.
O inventário do tombamento foi executado pelo arquiteto Gláucio Henrique Chaves e Alexandre Campos, geógrafo que trabalhava na Divisão de Patrimônio e faleceu recentemente em um acidente na BR-050. A idéia é disponibilizar o espaço para utilização de transporte ao invés do uso turístico. “O veículo leve sobre trilhos é como se fosse um bonde, sua instalação é barata,” conta.
Um dos trechos do documento que oficializou este bem imóvel como patrimônio histórico do município ressalta que “tal como o leito de um rio é para suas nascentes, os trilhos no perímetro urbano fazem parte do conjunto ferroviário, sendo de importante necessidade sua preservação cultural.”
Um bem tombado é um bem que a comunidade deseja preservar, como explica o arquiteto. “As pessoas tem uma noção de que eles são intocáveis, mas na verdade eles devem ser utilizados. Aquilo não é só um cenário. Temos a ideia de que este patrimônio possa desencadear processos de pensamento, da pessoa se sentir pertencente à comunidade,” enfatiza.
Para intervenção nos trilhos, como aquelas que foram realizadas em recapeamentos na cidade, será necessário apresentar um projeto ao Conselho do Patrimônio, que irá analisar se a intervenção pode ser feita, e os critérios técnicos para determinar sua realização.


História
A construção da linha férrea ocorreu no início do século XX. A locação da ferrovia que ligaria Araguari –MG a Catalão – GO ocorreu em 27 de setembro de 1909, e evidencia o papel regional da economia, política e sociedade da época. Conforme o inventário, a linha férrea é um importante elemento cultural para o município, para o Triângulo Mineiro e os estados de Minas e Goiás, acervo este que transcende sua história e seu território. Seu valor pode ser comprovado com os tombamentos do Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da Antiga Estação da Estrada de Ferro Goiás, municipal em 1989 e estadual em 2002.


Degradação
Abandono, ação do tempo, vandalismo, obras públicas, falta de uso e acúmulo de lixo, são alguns dos fatos ligados à degradação dos trilhos, conforme documento da Divisão do Patrimônio Histórico. Um episódio polêmico foi a abertura da rua Luiz Schinoor, paralela a rua Amapá, feita pela prefeitura municipal.
Segundo Gláucio Henrique Chaves, o dossiê de tombamento do conjunto arquitetônico, dizia que não era permitido abrir novas ruas dentro do complexo. “A administração quis fazer, e o Ministério Público não se sensibilizou com isso. O problema dessa rua é que o pátio foi cortado em dois, o que ocasionou em vários furtos de material ferroviário. Havíamos avisado isso uma semana antes de acontecer,” expôs.

Transcrito do Gazeta do Triângulo, edição de 20/12/2011.

Pitaco do Blog
Nas pessoas dos familiares do saudoso Alexandre e na do Gláucio, parabenizo o Conselho Deliberativo Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural de Araguari pela medida adotada. A saga da ferrovia em Araguari é um bem imaterial que necessita ser preservado. As gerações futuras têm o direito de conhecer a luta daqueles que ajudaram a desenvolver a cidade e participaram da interiorização do desenvolvimento, daquilo que pode ser tranquilamente inserido no conceito de integração nacional.
Infelizmente, o trabalho dos preservadores é inglório. Muitas vezes, desconhecido de grande parte da população. Noutras tantas, tem como grande obstáculo as barreiras criadas pelo poder público, justamente aquele que deveria ser um parceiro nessa luta.
A propósito, o grande temor atual das pessoas envolvidas na preservação desse patrimônio radica-se exatamente na conduta dos atuais administradores da cidade. Contando com a omissão do Legislativo, do Ministério Público e da sociedade em geral, a gestão Marcos Coelho recortou o pátio da antiga estação ferroviária, sepultando trilhos e desfigurando aquele acervo histórico. A maior tristeza decorrente desse fato, além da destruição do patrimônio em si mesma, é a constatação de que temos no atual governo vários parentes de um das pessoas mais importantes da história araguarina, o antigo empresário Manoel Póvoa, que fez fortuna em seus estabelecimentos montados justamente ao lado da já destruída linha férrea da antiga Mogiana. Preservar a história da ferrovia seria, em certa medida, preservar também a memória do patriarca da família Póvoa.
Somente a educação e a conscientização da população em relação ao significado desse legado dos ferroviários poderá salvar esse patrimônio. É preciso agir antes que seja tarde. Por isso, redobramos o agradecimento aos membros do Conselho. Muitas outras lutas se avizinham. Que venham outras vitórias!

Atualizado às 11h08. Na postagem original, cometi um equívoco, confundindo o Alexandre Campos, recentemente falecido, com o também atuante Alessandre Campos. A todos, peço desculpas pela falha. Ao leitor Riberto de Sousa Júnior, agradeço pelo alerta.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Sandices

Trago a opinião do servidor público Wellington Colenghi sobre a atual administração da cidade. Em especial, ele aborda os fatos ocorridos na última semana envolvendo a atuação de integrantes do governo Marcos Coelho.
Abre aspas:

Sandices

A semana que passou foi marcada por situações bizarras protagonizadas pelo “Novo Modelo”. Beirando a sandice e a comédia,  tem-se, por exemplo, a entrevista do prefeito à colunista Lêda Pinho, que, certamente, teve muita capacidade de abstração para tentar visualizar as citações do nobre prefeito.
A intransigência do governante se faz transparecer em suas palavras. Ao ser questionado pela colunista sobre o que mudaria no governo, caso fosse possível, o alcaide responde secamente que nada mudaria. Atitude infantil e de principiante, dado que nenhum setor da nossa comunidade vem mostrando satisfação com o jeito truculento do PMDB administrar Araguari. Todo governante com uma mínima capacidade de autocrítica, por mais que ande bem a administração, sempre dirá que há o que mudar. Ou estaria nosso prefeito se proclamando perfeito? O bom senso passou longe, como de costume.
Um bom exemplo da falta de bom senso do “Novo Modelo” é a relação de cão e gato entre ele e o funcionalismo municipal, que em vários casos vem patrocinando desavenças na Justiça do Trabalho, as quais, na maioria das vezes, são ganhas pelo trabalhador acarretando prejuízos aos cofres públicos. Como exemplo, bata citar o caso do vale-alimentação, que teve a lei votada e outorgada há dois anos e nunca cumprida pelo Executivo, que é o proponente da lei. O “Novo Modelo” é uma contradição, uma surrealidade e me atrevo a dizer: uma indecência.
Indecência que pode ser comprovada na tentativa de aprovar um vexatório plano de cargos e salários da SAE, que contemplava e criava apenas cargos comissionados, onerando excessivamente a autarquia e caçoando escandalosamente do servidor de carreira, que, com um aumento irrisório, teria seus vencimentos ultrapassados pelo aumento do salário mínimo já no seguinte mês. Graças à capacidade de mobilização dos servidores da SAE, o governo teve de retirar o plano do Legislativo. Tantas derrotas e o Coelho não mudaria nada.
Sobram denúncias de irregularidades. Sobram projetos mal feitos. Sobram desculpas por parte dos defensores do governo. Na última quinta, ouvi uma entrevista do procurador do município, onde ele disse desconhecer que a servidora que denunciou irregularidades no pronto-socorro municipal estaria à disposição da administração. Segundo o procurador, a mesma já estaria exercendo suas funções na administração, e que ele não tolera perseguição na prefeitura. Essa não é a versão de que temos conhecimento. E se o prefeito não iria mudar nada, o marmitex ainda seria superfaturado e o mamógrafo continuaria parado? Reformulando a pergunta: parado e com o município pagando a manutenção? Se ele pudesse voltar atrás, o sorteio das casas do Monte Moriá ainda continuaria sem previsão? Araguari continuaria sem uma extensão da UFU?
Faltou bom senso sem dúvida, mas até que ponto é apenas falta de bom senso? Onde já seria cara-de- pau mesmo? Se nosso prefeito tivesse bom senso, voltaria atrás e nem se candidatado teria. Araguari caiu no limbo da incompetência e graças ao “Novo Modelo” não será fácil tiramos nossa cidade deste limbo. Sandices têm limite, assim como nossa paciência.

Wellington Colenghi
Servidor Municipal

sábado, 17 de dezembro de 2011

Pacto

Estou impressionado com a incapacidade do governo em tratar corretamente o funcionalismo público. Não quero dizer que o município deva ser uma "mãe" para os funcionários, concedendo-lhe direitos indevidos. Não é isso. O que nós, cidadãos, queremos ver é um governo que respeite e valorize os funcionários, deles exigindo, em contrapartida, uma boa prestação de serviços.
Nesse ponto, constato que Araguari carece de uma política de pessoal. Faz-se necessário criar instrumentos para examinar, de forma global, as relações entre o município e o funcionalismo. Essas relações, indubitavelmente, acabam se refletindo na qualidade da prestação de serviços públicos. É preciso corrigir distorções que vêm se perpetuando ao longo dos governos, todos mais preocupados em abrigar apadrinhados do que propriamente em administrar uma cidade.
Está mais do que na hora de a cidade ter um regime jurídico único para o seus funcionários. Dar tratamento isonômico a todos que estejam em igual situação jurídica é uma das pedras basilares do estado democrático de direito. Mais que isso: é preciso repensar essa forma de recrutamento de agentes públicos. Não é possível que uma administração funcione bem com tantas pessoas que nela não ingressaram por seus próprios méritos. Chega de compadrios e nepotismo! A vida da cidade não dura apenas quatro anos. Os governos passam. Ela permanece. Não faz sentido trocar a maior parte dos funcionários toda vez que mudar a chefia do Executivo. É preciso continuidade.
O mais importante. Para mudar esse quadro, basta vontade política de se libertar de amarras e de acordos espúrios feitos no palanque eleitoral. Existem leis à profusão dando o norte para o administrador público. A própria Constituição Federal traça essas balizas de atuação. Se nossos governantes cumprissem mais as leis e menos os conchavos, as "coisas" funcionariam melhor.
Por isso, servidores públicos e usuários do serviço público devem ser seletivos na escolha de seus representantes. Não se pode mais conviver com representantes inimigos do planejamento e da moralidade. Mister dar um basta aos governantes apaixonados pelo aparelhamento da máquina pública, pela leniência com os amigos e pela perseguição de eventuais descontentes. Todos nós devemos exigir dos candidatos a assunção de um compromisso sério de que, uma vez eleitos, estarão empenhados na melhoria da prestação de serviços públicos e da própria relação entre o município e os seus agentes. Sem essa espécie de pacto, nada mudará. Aliás, mudará para pior. Teremos uma queda cada vez mais acentuada da qualidade dos serviços públicos prestados pelo  município.

Gasto milionário com combustíveis

Há alguns dias, noticiou-se que o município estava pagando R$ 3,28 (três reais e vinte oito centavos) pelo litro de gasolina.
Como as informações sobre a quantidade e o valor do combustível não são publicadas no mentiroso Portal da "Transparência" da Prefeitura, tivemos que fazer uma pesquisa para encontrar, pelo menos, o valor total gasto com combustível pelo município.
Verifica-se que, para este ano, estão previstos gastos de R$ 1.591.090,82 (um milhão, quinhentos e noventa e um mil, noventa reais e oitenta e dois centavos) com a compra de combustíveis na empresa Auto Posto Melo Viana Ltda.
Observações pitorescas: esse gasto é equivalente a 485 mil litros de gasolina (a esse preço absurdo de R$ 3,28 o litro). Daria para fazer mais de 80 mil viagens (ida e volta) a Uberlândia anualmente.  Se considerarmos que o preços dos demais combustíveis são mais baixos, poderiam ser feitas mais alguns milhares de viagens.
Fonte: Diário Oficial de Minas Gerais, 26/01/2011.
Atualizado às 11h15.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Plano de Empregos da SAE

Prédio da SAE - foto extraída do Correio de Araguari.

Boa parte dos servidores da Superintendência de Água e Esgoto discorda da forma e do conteúdo do novo Plano de Cargos e Salários da entidade. A votação estava prevista para hoje na Câmara, mas o projeto foi retirado de pauta devido à pressão dos funcionários.
Tive acesso às tabelas e percebi, de cara, diversas ilegalidades. Como sempre, os grande beneficiados serão os cargos em comissão. Ou seja, será o governante de plantão, que poderá fazer da SAE um verdadeiro cabide de empregos. Para se ter ideia do absurdo, a autarquia, se aprovado o tal plano, teria 169 empregados concursados e 50 comissionados. Vale dizer: de cada 4 funcionários, um seria comissionado. Muito cacique pra pouco índio...
Além disso, nos chama a atenção o fato de que apenas 9 desses cargos comissionados seriam destinados, exclusivamente, a empregados de carreira. Os outros 41 poderiam ser recrutados foram do serviço público. Isso enfraquece a carreira e fortalece o apadrinhamento.
Mais um detalhe: enquanto o maior salário dos concursados seria de R$ 2.182,00, o teto salarial dos comissionados chegaria a R$ 6.000,00. Já o menor salário entre os concursados seria 572,25, enquanto, entre os comissionados, chegaria a R$ 757,95. O absurdo da situação fica ainda maior quando se constata que, com o aumento do salário-mínimo em janeiro, os salários de alguns empregados da SAE ficarão maiores do que os previstos no plano.
Outro fato interessante está na quantidade de Assistentes do Superintendente da SAE. São 12 no total. É dizer: um quarto dos comissionados da SAE trabalharia "assistindo" ao Superintendente. Para se ter ideia do disparate, esse número só é menor que o de Auxiliares de Serviços Gerais (66) e de Operadores de Moto Bomba (32). Coincidentemente, corresponde ao mesmo número de Agentes Administrativos (12).
Essa é apenas uma visão rápida do assunto. Muitos outros aspectos poderão ser abordados futuramente quando tivermos acesso ao plano como um todo.

Concurso do INSS: sorteio de apostilas

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) divulgou nesta sexta-feira (16), no "Diário Oficial da União", a abertura de concurso para 1.875 vagas. Ao todo, são 375 vagas para o cargo de perito médico previdenciário e 1,5 mil para técnico do seguro social. As vagas são distribuídas nas Agências da Previdência Social nos 26 estados e Distrito Federal. No caso dos médicos, o salário chega a R$ 9.070,93. Para os técnicos, a remuneração alcança R$ 4.496,89 com gratificações e auxílio alimentação.
Leia o restante da notícia clicando aqui.

Vou sortear aqui no blog as apostilas para o concurso de técnico do seguro social.

Façam suas inscrições enviando e-mail com nome, endereço e telefone de contato para marcos@observatoriodearaguari.com ou observatoriodearaguari@gmail.com .
O sorteio será feito de acordo com o resultado da Loteria Federal (última extração do ano). Depois, confirmo a data correta.
Atualizado às 20h14.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Incompetência

Prefeitura e Caixa não conseguem realizar o sorteio das 500 casas do Residencial Monte Moriá



Membro do CODEMA (Maurício Lopes Moraes), que teve área desapropriada em favor do empreendimento, participa das reuniões que decidem pela não liberação do respectivo loteamento

A construção das 500 casas do Residencial Monte Moriá já foi concluída, mas a Prefeitura e a Caixa Econômica Federal não conseguem realizar o sorteio das mesmas, para seguinte entrega às famílias beneficiadas, devido a incidente oposto pelo CODEMA (Conselho de Defesa do Meio Ambiente) e nos pareceres que emite para análise da Curadoria de Defesa do Meio Ambiente, a quem cabe liberar a expedição dos “Habite-se” das casas, pois o empreendimento está sob sua investigação (do Ministério Público) relativamente a questões ambientais, especialmente quanto ao destino final das águas pluviais que são recolhidas pelas galerias implantadas no Residencial.

Clique aqui e leia a reportagem completa em que o Correio de Araguari, a exemplo do radialista Valmir Brasileiro, tenta afastar a incompetência da Prefeitura e passar a culpa pelo atraso na entrega das casas a terceiros e até ao Ministério Público.

Fala sério!

LIVRO OURO? AQUI NÃO!



O Governo do Prefeito Marcos Coelho não sofre condicionamentos de terceiros, como colaboradores de campanha (leia-se: investidores), não tendo se valido de “Livro Ouro” e outros arranjos para financiar sua campanha eleitoral. Assim, não sofre cobranças de financiadores de campanha, podendo administrar exclusivamente voltado para o interesse público. (sem grifos no original)

Coluna Em Foco, Correio de Araguari, 14/12.

O imparcial

Abra aspas para o jornal Correio de Araguari, 14/12:

REFLITA COM ISENÇÃO



Não há como negar que no Governo do Prefeito Marcos Coelho está sendo realizada grande quantidade de obras e serviços, que expõem governos anteriores a sérios questionamentos, devido à grande distância que ficam do atual Governo no confronto do número de obras e outras realizações. É preciso refletir com coragem e isenção: quais mesmo foram as obras realizadas no Governo de 2005/2008?
DO POVO, A DECISÃO

As eleições vêm aí. Muita gente quer o poder. Cabe ao povo a decisão de manter Araguari nos trilhos ou jogá-la novamente à deriva, exposta ao vexame de obras suspeitas, desvios de recursos, governantes processados, caos político e administrativo etc.

O que é, o que é?

Foto extraída do Correio de Araguari, 14/12.



O que vemos na foto acima?

O bolsão para captar águas pluviais do Residencial Monte Moriá.

Um novo criadouro de mosquitos da dengue.

Um lugar que, se não for cercado e vigiado, poderá causar acidentes.



Votar

resultado parcial...

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Palavras do prefeito

A entrevista do prefeito Marcos Coelho à jornalista Lêda Pinho, Gazeta do Triângulo (14/12), confirma uma certeza: ele vive em outra realidade. Sinceramente, a impressão que fica é a de que a jornalista estava entrevistando o governante de Pasárgada ou a Pollyanna.
Questionado sobre as promessas cumpridas, entre outras, ele destacou as seguintes:

"- a moralização, responsabilidade e competência com a administração do dinheiro público foi sem dúvida um passo importante. Hoje, os fornecedores, servidores e prestadores de serviços têm tranquilidade e confiança no governo do município;"
Nota do blog: isso pode ser piada. Temos um governo sem transparência e que gasta mal os recursos públicos mediante contratos estranhos em diversos setores. Torra-se facilmente dinheiro público com empresas de publicidade e com empreiteiras que parasitam os governos desde épocas passadas. Inúmeras denúncias colocam em dúvida a honestidade desse governo. O que foi feito para mudar isso? Nada! Ou melhor, passou-se a esconder informações no Portal da Transparência para fugir do controle social. Para tentar melhorar a própria imagem, chafurdou ainda mais na lama, "investindo" na compra de espaços publicitários em emissoras de rádio e de tv.

"- o término da cobertura do canal do córrego;"
Nota do blog: o canal do córrego na parte central da cidade está terminado, mas todos se lembram dos transtornos gerados aos moradores, comerciantes e usuários da via. Isso, para não falar num detalhe: a canalização feita em Araguari mistura esgoto residencial com água pluvial e joga tudo, sem tratamento, na natureza. Qual a virtude disso, senhores prefeitos que tocaram essa obra?

"- a pavimentação asfáltica nos quatro cantos da cidade;"
Nota do blog: está uma maravilha o asfaltamento feito pelas ruas da cidade. Onde era rua de pedra, temos agora asfalto com tiriricas. Isto mesmo! Em Araguari, nasce mato no meio do asfalto. São obras que me envergonham como cidadão araguarino e deveriam envergonhar bem mais os gestores e o Batalhão Mauá, que arriscou sua reputação nesses serviços.

"- a elevação da Companhia para Batalhão de Polícia Militar, conquista almejada há mais de uma década;"
Nota do blog: essa não é uma conquista da Prefeitura, mas sim da comunidade. Em termos de segurança pública, o município mal faz a sua parte. Temos ruas mal iluminadas e outras cheias de mato. As praças públicas estão abandonadas, entregues aos traficantes e usuários de drogas.

"- a implantação da política habitacional nunca vista em nossa cidade e, hoje, referência para todo o País;"
Nota do blog: qual política habitacional? Existe alguma lei tratando desse assunto em Araguari? Quais os critérios para se pleitear uma moradia de interesse social em Araguari? Existe hoje uma lista de cadastrados de conhecimento público? Quais os critérios para escolha das empreiteiras que estão realizando as obras? Qual o planejamento foi feito para os conjuntos habitacionais? Ou foi tudo feito no improviso? Foram construídas escolas, postos de saúde e de polícia nos novos espaços urbanos? E as galerias pluviais do Monte Moriá? Só descobriram que eram necessárias após a construção do residencial?

"- a conquista da duplicação da rodovia BR-050;"
Nota do blog: sem comentários. Só faltou dizer que o governo federal iria duplicar de Uberlândia até a Ponte Estelita Campos, mas sem passar por Araguari...

- a oficialização da extensão do campus da Universidade Federal de Uberlândia, com quatro cursos confirmados;
Nota do blog: sem comentários e sem cursos até o momento.

"- a liberação do Projeto Somma que vai revitalizar as principais avenidas da cidade, como também contemplará investimento importante na questão ambiental;"
Nota do blog:  nada de concreto até agora. Apenas dois anos perdidos e mais um fim de ano com avenidas esburacadas.

"- a transformação do Pronto Socorro Municipal em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA);"
Nota do blog: primeiro, UPA, sozinha, não é solução para nada. Em várias cidades, as UPAs estão atendendo mal, sem médicos e outros profissionais de saúde. Por que em Araguari, onde a saúde pública é vergonhosa, seria diferente? Aliás, de concreto, ainda não temos nada, a não ser pessoas morrendo nas filas do Pronto Socorro. Para ser verdade a afirmação do prefeito, só falta o governo instalar o PSM no prédio do Hospital, derrubar o PSM e, depois, construir, equipar e manter a UPA.

"- o retorno da agência da Receita Federal."
Nota do blog: Araguari não deveria ter perdido a sua agência da Receita Federal. Hoje, tem-se uma "agência" que não está pronta para atender a todas as demandas da população, funcionando como uma extensão da agência de Uberlândia. Pior: com gastos de aluguel do prédio pagos pelos contribuintes do município.

Clique aqui e leia a entrevista completa.

Mentes tão bem

Esta música do cantor e compositor araguarino Luiz Cláudio é uma homenagem ao Correio de Araguari e ao governo Marcos Coelho. Na edição de quinta, 08/12, o jornal afirmou, com grande alarde, que o município irá investir 27% de sua receita na saúde pública, percentual muito superior ao previsto na Constituição Federal, que fixa o mínimo de apenas 15%. Logo, o generoso governo municipal estaria aplicando 12% a mais que o mínimo exigido constitucionalmente.
Nós poderíamos examinar essa questão mais a fundo, analisando, por exemplo, a qualidade desses gastos. Contudo, acredito que isso nem seja necessário para se desmentir o jornal "oficial". Afinal, esse governo não prima pela economicidade na aplicação de recursos públicos, conforme demonstra a grande quantidade de denúncias de irregularidades na área da saúde (falhas na prestação de contas dos gastos com Tratamento Fora de Domicílio, possível superfaturamento na compra de medicamentos, possíveis irregularidades nos gastos com a compra de refeições e manutenção de equipamentos, ausência de licitação para a realização de diversas despesas, etc.).
Por isso, vamos nos limitar a ver a questão sob o aspecto quantitativo. Nessa seara, a euforia do governo e de "seu" jornal não se justifica. Por exemplo, em 2009 e 2010, o governo Marcos Coelho gastou, respectivamente, 36,54% e 21,19% de sua receita com ações e serviços públicos de saúde. Logo, mesmo se gastar 27% neste ano*, a gestão atual estará gastando, em termos percentuais, 9,54% menos do que gastou em seu primeiro ano de mandato. A redução fica ainda maior quando se compara essa projeção de gastos (27%) com o que foi despendido, por exemplo, no último ano do mandato do governo anterior. Em 2008, o município gastou 41,62% de sua receita com ações e serviços de saúde. Logo, há aqui uma redução de 14,62%.
Fica a pergunta: o que estão comemorando?

* convém lembrar que nem sempre o percentual informado pelo governo é aceito pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. É que, às vezes, os municípios usam artíficios contábeis não aceitos pelos órgãos de controle.
Fontes usadas neste post:
- site do Correio de Araguari
- site do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais.

Residencial Monte Moriá: mais atrasos na entrega das casas

Sorteio das casas do Residencial Monte Moriá depende de liberação do Ministério Público Aconteceu na manhã de ontem, 13, na sede do Ministério Público em Araguari nova audiência para tratar do sorteio das casas do Residencial Monte Moriá, que estava previsto para ser realizado no mês passado e foi cancelado.


Escrito por Fabryne Obalhe



Em entrevista à Gazeta do Triângulo, a secretária de Planejamento, Luciana Goulart Brasileiro, disse que esta foi a terceira reunião para tratar do assunto.
Segundo explicou, apesar de estar tudo pronto, o promotor de justiça Sebastião Naves de Resende Filho entendeu que havia ainda pendentes alguns problemas que consequentemente impediram a liberação do sorteio por parte do Ministério Público. “No entendimento do promotor com anuência do CODEMA existem alguns problemas como, por exemplo, de drenagem pluvial que estão exigindo providências por parte da empresa responsável pela execução da obra. E estes problemas não estavam previstos no projeto”, frisou a secretária.
De acordo com Luciana Brasileiro, o CODEMA ainda não apresentou seu parecer final e uma nova audiência ficou agendada para março de 2012. “Infelizmente a promotoria entendeu que enquanto não estiver tudo resolvido não será liberado o sorteio. E apesar de estarmos com tudo organizado, inclusive com a relação dos nomes que vão participar não podemos fazer nada, justamente porque dependemos dessa liberação”, completou a secretária.
Para que a situação seja resolvida o mais rápido possível ela informou que uma coletiva com a imprensa deve acontecer ainda hoje no sentido de divulgar todas as informações pertinentes e esclarecer quaisquer dúvidas. A ideia é antecipar tanto a próxima audiência como agilizar o sorteio das moradias. “Se a promotoria autorizar dentro de cinco ou seis dias no máximo faremos o sorteio”, finalizou a secretária de Planejamento.
Transcrito do Gazeta do Triângulo, 14/12.

Pitaco do Blog
O programa Minha Casa, Minha Vida sempre foi utilizado como a menina dos olhos do governo Marcos Coelho. Entretanto, desde o início, os procedimentos do município foram objeto de dúvidas.
Os problemas, a meu ver, começam pela forma como são contratadas as empresas construtoras. Embora os recursos sejam, em sua grande maioria, federais, alguns municípios, como Brasília, por exemplo, realizaram licitação para elaboração dos projetos habitacionais. Araguari, como sempre, optou pela falta de transparência.
Os questionamentos vão além. Denunciamos aqui um suposto favorecimento a uma empresa pertencente a uma cunhada do atual prefeito, que, coincidentemente, trabalha no setor da Prefeitura onde são examinados os projetos habitacionais e urbanísticos. Segundo a denúncia, a empresa dessa servidora pública/cunhada teria sido escolhida para elaborar a maior parte dos projetos desses conjuntos habitacionais.
Persistem as dúvidas. A forma utilizada para distribuição dos imóveis foi muito comemorada pelo governo e por alguns vereadores. Afinal, nada mais justo do que o sorteio das casas. Certo? Nem tanto... Antes de sortear, é preciso criar critérios tratando igualmente todos os interessados em adquirir esses imóveis. Afinal, são imóveis de interesse social. Em suma, é necessário lei dizendo quem tem e por que tem direito a ingressar em programas habitacionais para pessoas de baixa renda. Por exemplo, as pessoas que moram há mais tempo na cidade, as portadoras de necessidades especiais e as que residem em áreas de risco deveriam receber maior pontuação que outras, ocupando lugares preferenciais na fila de pretendentes. Assim, deveria ser publicada uma lista com todos os interessados. Não tomada essa providência, começam a pipocar denúncias de que imóveis de interesse social já estão sendo vendidos indevidamente e de que pessoas de uma mesma familia (marido e mulher) teriam sido contempladas.
Tem mais. No caso do Residencial Monte Moriá, descuidou-se de uma questão básica: a drenagem pluvial. Desde o início, o proprietário de um imóvel que faz divisa com residencial estava questionando o fato de águas serem indevidamente escoadas para a sua propriedade.
Bem, esses são apenas alguns questionamentos. Todos demonstram a falta de planejamento e de transparência do governo municipal. Com isso, perdem todos, tanto as pessoas alijadas do processo quanto aquelas que, mesmo atendendo aos requisitos, veem a entrega do imóvel sendo adiada por incompetência dos gestores.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Esclarecimentos feitos pela denunciante

A respeito do processo administrativo que apura denúncia de possíveis irregularidades em gastos da Secretaria de Saúde (vide posts anteriores sobre o assunto), creio ser oportuno transformar em postagem um comentário feito pela própria autora da denúncia, a servidora municipal Mirian Lima. Aproveito para parabenizá-la pela atitude cidadã. Espera-se, agora, que o governo municipal também cumpra o seu papel, apurando e, se for o caso, responsabilizando os agentes públicos envolvidos.
Abre aspas para a denunciante:
"No dia 09 de agosto de 2011 formalizei documento na Procuradoria Geral do Município. Fui comunicada verbalmente da destituição do cargo no dia 10 de agosto de 2011 período da tarde, momento que solicitei a Gestora que o fizesse formal, pois poderia inclusive caracterizar que eu estava abandonando meu posto de trabalho. Recebi comunicado formal no dia 11 de agosto de 2011, após o almoço, imediatamente dirigi a Secretaria de Administração onde me apresentei, para os fins de direito. Portanto não cabe aqui que: "denúncias importantes no universo político sempre são de ex-alguma coisa. Ex-diretora do PSM só trouxe à baila as denúncias sobre irregularidades na gestão municipal de saúde após perder o cargo". Podendo facilmente confirmar, pois os documentos devidamente protocolados estão no processo.
Quero esclarecer também que conforme foi noticiado em uma emissora de rádio da cidade onde o repórter afirma que eu continuo trabalhando normalmente "segundo informações que ele mesmo apurou pessoalmente" quero dizer que: Desde o dia 11 de agosto de 2011 até a presente data, Eu Mirian de Lima, funcionária Publica Municipal, concursada no cargo de Analista de Pessoal, desde 1º de abril de 1996, estou à disposição da Prefeitura Municipal de Araguari, ressaltando que por várias vezes compareci a essa Prefeitura Municipal para saber acerca do meu retorno, sem sucesso.
Quanto ao julgamento de não ser qualificada para ocupar o cargo na saúde, sou Gestora Pública por formação, a qual devidamente qualificada para exercer sim essa função até porque se trata de uma diretoria administrativa e não técnica, que aliás vale dizer que a diretoria técnica no período em que lá estive era muito bem representada pela Enfermeira Soraya, a qual sempre trabalhou com muita competência, eficácia e eficiência. Bem como a diretoria Clinica representada por Médicos, primeiramente médico Sérgio de Abreu e quando sai médico Rogério da Cruz.
Aproveito para agradecer a todos e dizer que esse processo, no que depender de mim não irá parar em arquivo morto, estou disposta ir às ultimas instancias. Nesse espaço faço um apelo a todos que puderem estar comigo nessa caminhada, (esse processo não é objeto para prejudicar qualquer pessoa, pois até o momento a única pessoa que foi punida eu mesma "por ser a Delatora") Porém tem como objetivo levar a informação dos fatos que realmente aconteceram e que a JUSTIÇA seja feita.
Ressalto que somente estou pronunciando acerca desse tema agora, porque tive a postura de não interferir de nenhuma forma na condução do processo e que tudo que escrevi é fato da mais pura verdade, de lá não retiro uma só palavra. (JUSTIÇA!!!)

Mirian de Lima"

domingo, 11 de dezembro de 2011

Esclarecimentos

Sobre a postagem anterior "O paciente vai morrer? Não posso fazer nada!", recebi o comentário abaixo e creio que devo esclarecer alguns pontos.
"'Existe um discurso vazio nessa administração sobre humanização da saúde, mas depois de ler esse trecho do depoimento que o Marcos transcreveu percebo que humanizar a saúde para esse grupo é não dificultar o trabalho da morte.'
O blog divulga informações fora de contexto viabilizando apenas o criticismo e valoriza apenas opiniões de pessoas que por algum motivo perderam benefícios e estão levando o processo para o lado pessoal.
Não houve tal citação e acho que provas deveriam ser notadas antes de divulgarem conversinhas e disse-me-disse. Conversas de rádio peão não deveriam ser levadas em conta.
Acontece é que nova secretária está tentando trabalhar e falta apoio de alguns e existe uma má vontade em relação à pessoa da nova gestora, que apesar dos percalços se mostra capaz e muito humana SIM! As melhoras já são visíveis, inclusive a conquista da mudança do Pronto-socorro para a ala do hospital municipal já em março.
Como advogado o blogueiro deveria filtrar mais suas informações e procurar fontes sérias, não frustradas."



Vamos lá. Primeiro, a fonte. Trata-se de denúncia formal (por escrito) feita por uma servidora da Prefeitura. Logo, em princípio, goza de fé pública. Esse documento está em um processo público que tramita na Procuradoria do município desde 9 de agosto deste ano. Este processo deve (ou deveria) estar apurando os responsáveis pelas supostas irregularidades ocorridas no PSM (pagamento por serviços não prestados na manutenção do mamógrafo e "química" no pagamento de refeições).
Segundo, o contexto. Na denúncia, a servidora afirma que levou ao conhecimento de seus superiores a ocorrência de outras falhas no PSM (falta de materiais básicos: medicamentos, por exemplo). Nesse contexto, afirma ter ligado para o secretário-adjunto informando que havia um cidadão (um ser humano, diga-se de passagem) em estado grave no PSM, necessitando de internação urgente. O secretário-adjunto, segundo a denúncia, teria passado o telefone à senhora Iolanda, atual secretária, que, por sua vez, teria dito as palavras que intitularam aquele post.
Talvez a postagem, vista isoladamente, esteja fora de contexto. Mas, percebam que já falei no assunto dessa denúncia por duas vezes, pelo menos. Tenham certeza, à medida que tiver mais informações sobre o assunto, continuarei insistindo no tema.
Por que faço isso? Simples. Desde o início do blog, venho percebendo que a saúde pública é, disparado, o pior setor do governo. Sendo um serviço essencial, a situação do cidadão humilde, que precisa do sistema, torna-se cada vez mais dramática.
Óbvio: os problemas na saúde pública não são privilégios deste governo ou da nossa cidade. Mais óbvio ainda: independentemente disso, temos que fazer alguma coisa para mudar esse quadro. Enquanto o sistema funcionar sem transparência e sem o mínimo de humanização, nada irá mudar. Nós, cidadãos, custeamos o SUS. Logo, usuários ou não do sistema, temos o direito (numa República, eu diria: o dever) de exigir melhorias. Convenhamos, empurrar a sujeira para debaixo do tapete não resolverá nossos problemas. Ao contrário, perpetuará uma situação extremamente injusta com indivíduos das camadas mais pobres, que, por vezes, são tratados como gado nas nossas unidades de saúde.
Por fim, sobre o fato de o blog consultar fontes supostamente "contrariadas", entendo como algo normal. Quem está no sistema e se beneficia dele não tem motivos reclamar. É a tal burocratização, tão comum no Brasil. Quando se está numa zona de conforto, não se tem motivos para querer mudar nada. Para que mudar o que, ao menos para mim e meu grupo, está dando certo? Agora, um detalhe: tudo que eu li na denúncia, de certa forma, corresponde ao que percebi nas vezes que fui ao PSM ou ao que ouvi de algum parente ou amigo que necessitou dos serviços de saúde pública em Araguari. Nada do que foi escrito pela funcionária pública na denúncia me pareceu despropositado ou inverídico.
De qualquer forma, temos que esperar o resultado do processo administrativo para ver se a Administração irá agir com o rigor necessário, punindo eventuais culpados e recuperando valores supostamente gastos indevidamente. Se a esse resultado positivo somarem-se melhorias nos controles da Saúde, a população mais carente sairá ganhando. Mas, para que isso ocorra, é preciso que a apuração seja imparcial e que o processo "ande".

O paciente vai morrer? Não posso fazer nada!

No mesmo documento em que denunciou irregularidades em gastos nos pagamentos de refeições e de serviços de manutenção do mamógrafo, a ex-diretora administrativa do Pronto Socorro Municipal afirmou, também, que, por diversas vezes, comunicou aos seus superiores a constante falta de recursos materiais necessários ao bom funcionamento daquela unidade.
Numa dessas conversas, avisou, via telefone, ao então secretário-adjunto, Rodrigo Póvoa, que a situação no PSM estava insustentável naquele momento e que havia um paciente morrendo por falta de recursos materiais. Imediatamente, o então secretário passou o aparelho telefônico para a servidora Iolanda Coelho Costa, atual secretária de Saúde, que, segundo consta do processo administrativo, teria afirmado à denunciante: "O paciente vai morrer? Não posso fazer nada!". Ainda, segundo a denúncia, o paciente somente recebeu os devidos cuidados porque a denunciante conseguiu, junto ao Dr. Nelson, interná-lo na UTI do Hospital Santo Antônio.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Aumento de salário de vereadores


Câmara de Vereadores (foto extraída do Correio de Araguari)
 A Câmara Municipal de Juiz de Fora votou ontem os salários dos vereadores e do prefeito que tomarão posse em 2013. Com o reajuste de cerca 46,5%, os salários dos vereadores passam de R$10.260 para R$15.031. O salário do prefeito terá um reajuste de 16,86%, e passa dos atuais R$17.150 para R$20.042. O projeto agora vai para sanção do prefeito daquela cidade.
Já em Uberlândia, os vereadores também votaram um projeto que eleva para R$ 15.031,62 mil os salários dos parlamentares, o que representa um aumento de 54% em relação aos atuais rendimentos, de R$ 9.755. A exemplo de Juiz de Fora, o novo salário entrará em vigor a partir de 2013, quando começa a nova legislatura.
A pergunta que não quer calar: e os vereadores de Araguari? Não irão aprovar lei aumentando os  salários dos próximos edis de R$ 7.700,00 para R$ 10.021,17? Ou será que já existe algum projeto de lei nesse sentido "tramitando" na Câmara de forma "sigilosa"? De repente, o tal projeto pode estar escondido em algum cofre ou gaveta indevassáveis e só será levado a público após a aprovação... Alguém duvida?

A comparação faz sentido

Tempero da Notícia,  Correio de Araguari, 08/12:
"Alguém comparou a troca de secretários do governo Marcos Coelho com a dos ministros de Dilma; maldade pura. Todos os titulares de cargos de confiança do governo municipal que deixaram o cargo se exoneraram por motivos particulares e, às vezes, até por entenderem que o salário não é compensador, mas todos saíram de cabeça erguida, com a tranqüilidade de terem cumprido com eficiência as obrigações a eles atribuídas. A comparação é maliciosa e tenta denegrir a imagem do governo municipal ou quem a fez é completamente desinformado e ignora as bandalheiras cometidas pelos ministros de Dilma."

Pitaco do Blog
O colunista cometeu um equívoco. Existem muitas diferenças entre o governo Dilma e o "governo" do honesto Marcão. Uma delas? O governo Dilma não varre toda a sujeira pra debaixo do tapete. Deve ser por isso que alguns ministros, ao contrário dos secretários municipais, saíram do poder de cabeça baixa.
Além disso, convém lembrar: alguns secretários  municipais saíram por absoluta incompetência. Nem o honesto Marcão suportou a quantidade de problemas trazidos por alguns deles. Querem um exemplo? Mineiramente, respondo com uma pergunta: quantos secretários de saúde já tivemos?

O hilário Correio II

Abre aspas novamente para a coluna Em Foco:

"O CORREIO

Movido pela mais firme determinação de divulgar as ações do Poder Público, especialmente, do Governo Municipal, vista sua condição de Jornal de interior, com enfoque nas questões locais, o CORREIO já foi severamente criticado sob a acusação de favorecer o Governo do Prefeito Marcos Coelho e do Vice-Prefeito Juberson dos Santos Melo, o que é absolutamente lamentável, pois não o faz, mas, caso o quisesse, teria absoluto direito de fazê-lo, exercendo o mais legítimo direito a liberdade de pensamento e expressão."

Pitaco do Blog
Já falamos aqui. As ligações entre a Prefeitura e o "jornal" são muito estranhas. Inclusive já questionamos os gastos do município nesse periódico em uma denúncia feita ao Tribunal de Contas do Estado. Provamos que o espaço utilizado para publicar uma nota da Prefeitura era suficiente para publicar duas ou três. Vale dizer, como o preço da publicação é calculado pelo centímetro de coluna, a Prefeitura estava simplesmente jogando dinheiro "fora" ao comprar largos espaços desse "jornal". Questionamos, ainda, uma das licitações feitas para publicação de matérias oficiais. Algumas condições do edital acabavam direcionando o certame justamente para o Correio.
O colunista que me perdoe, mas o que vemos no "jornal" não tem nada a ver com liberdade de expressão. Temos, isto sim, um órgão de imprensa parcial deixando-se utilizar pelo poder político para fins escusos. E quem paga a conta, como sempre, somos nós.

O hilário Correio I

Abre aspas para a coluna Em Foco, Correio de Araguari, 08/12:

"O POVO

O povo tem o direito de saber onde, como, quanto, quando e tudo mais sobre a destinação do dinheiro público. O CORREIO sempre se ocupou muito especialmente da divulgação das realizações do Poder Público e dos respectivos gastos, pensando estar prestando o mais legítimo serviço público."

Pitaco do Blog
Na última edição, o Correio se superou. Reconheceu que presta "o mais legítimo serviço público".
Nós aqui do blog já sabíamos que o Correio é um legítimo órgão público. Só falta, agora, incluir os donos da empresa formalmente na folha de pagamento da Prefeitura.
Só há uma ressalva. Talvez o Correio esteja confundindo serviço público com servir-se do dinheiro público.
Lastimável, em pleno século XXI, vermos órgãos de imprensa nas prateleiras de supermercado, vendeno "linhas editoriais" a preço de banana.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Irregularidades no Pronto Socorro: o cheiro de "pizza" está no ar

Este governo é mesmo interessante. Em agosto deste ano, uma funcionária do Pronto Socorro Municipal (PSM) denunciou irregularidades na compra de marmitex e no pagamento indevido de despesas de manutenção (não realizada) do mamógrafo, que, como todos nós sabíamos, estava parado desde abril de 2010.
O fato era de conhecimento, entre outras pessoas, da ex-secretária de Saúde. Como ninguém tomou providências, a denunciante levou a questão ao conhecimento do Procurador-Geral do Município. Há quatro meses tramita naquela Procuradoria, lentamente, um processo destinado a apurar responsabilidades. Em condições normais, esse tipo de processo poderia redundar em devolução de dinheiro aos cofres públicos e aplicação de punições. Mas, lembrem-se: estamos falando do "novo modelo de administração".
Agora, vem o lado sui generis deste governo. Até o momento, nenhuma das pessoas envolvidas ou que se omitiram no dever de fiscalizar sofreu qualquer tipo de punição. Ao contrário, permanecem no poder, "dando as cartas" na Secretaria de Saúde. A única afetada, até agora, foi justamente a denunciante, que perdeu o seu cargo em comissão no PSM e encontra-se afastada do trabalho.
Será que mais essa investigação irá terminar em "pizza"?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

MPF propõe construção de presídio para corruptos

O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul ajuizou uma ação civil pública na Justiça Federal, nesta quarta-feira, solicitando a construção, pela União, de um Presídio Federal para Corruptos.
A medida marca a semana em que é celebrado o Dia Internacional de Combate à Corrupção, nesta sexta-feira.
Para o MPF, a ação busca uma resposta concreta do Poder Judiciário à sociedade brasileira, que tem manifestado, nas ruas de todo o país, insatisfação com os sucessivos casos de desvio de dinheiro público.
A construção da penitenciária, além de necessária, é viável, afirma o MPF. Recursos do Fundo Penitenciário Nacional, que deveriam ser empregados no aprimoramento do sistema penitenciário brasileiro, foram contingenciados irregularmente nos últimos 16 anos e somam mais de R$ 1,8 bilhão. Para a construção do presídio federal, o MPF solicita a reserva de R$ 12 milhões.
Transcrito do Blog do Fred.

Pitaco do Blog
Não precisa construir presídio. Basta trancafiar os corruptos nos novos estádios construídos para a Copa de 2014. Sugestão: pode-se prender, desde logo, os empreiteiros que estão construindo os estádios, juntamente com os políticos envolvidos na construção.