segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Não sei se rio ou se choro...


Somos pessoas sérias, idôneas e comprometidas com o povo araguarino. Sou uma mulher honesta e não estou na Câmara para atender interesses individuais. Minha função não é essa. Porém, acho importante ressaltar que melhoria da qualidade da prestação de serviços só é possível através de receita e os tributos são a única forma que o município tem de arrecadação
Eunice Mendes, Presidente da Câmara de Vereadores, em entrevista ao Gazeta do Triângulo.

Pitacos do Blog:
E aí, leitor, qual sua opinião sobre a fala da Presidente da Câmara?
Eu tenho a minha. Confesso, a impressão a respeito dessa afirmação e da atuação da Presidente e dos vereadores não é das melhores. A imagem acima resume a minha sensação.
Motivos? Apenas cinco para não tomar seu precioso tempo:
1º se os vereadores são honestos por que não tornam públicos os gastos da Casa;
2º se a Presidente é honesta, por que não respondeu ao requerimento em que pedi informações sobre despesas da Câmara;
3º se os vereadores são assim tão santos, por que não realizam concurso público para contratar servidores efetivos  e por que não reduzem o número de cargos em comissão naquela Casa?
4º se os edis são tão bondosos, por que não reduzem os próprios salários? O trabalho que eles fazem e o orçamento da cidade são incompatíveis com esses gastos absurdos...
5º se alguns vereadores são tão éticos, por que se utilizam de laranjas para receber verbas indenizatórias e contratar com a Prefeitura?

4 comentários:

Edilvo Mota disse...

Pessoalmente não tenho motivos para fazer qualquer juízo de valor, nem qualquer tipo de ilação em relação à presidente da Câmara ou a quem quer que seja. Porém, nunca é demais lembrar que honestidade é obrigação.

Tornou-se virtude nos tempos atuais, onde grassam a corrupção, a opacidade dos atos públicos, a compra descarada de votos, a excessiva, perigosa e questionável proximidade entre poderes da república e sua consequente falta de autonomia, a falta de fiscalização severa e tempestiva, os vertiginiosos sinais exteriores de riqueza de agentes políticos, etc, etc.

Um bom sinal de austeridade e respeito ao povo seria a retirada de pauta do projeto de alteração da CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL, para deliberação com a sociedade em AUDIÊNCIAS PÚBLICAS, conforme preconiza o Estatuto da Cidade.

Tá mesmo difícil desejar a alguém um Feliz Natal...

Colenghi disse...

Companheiros,
Novamente o "Novo Modelo", vem surpreender o povo de maneira pouco transparente. Na próxima 4ª feira dia 22/12, será colocado em votação, projeto do executivo que aumentará de maneira exagerada e sem planejamento, o IPTU e as respectivas taxas de manutenção urbana.
Os aumentos variam de 150 à 300%. Ocorre que no apagar das luzes de um ano pouco produtivo por parte da administração pública municipal, chega a ser imoral tal projeto. Ainda mais considerando que o aumento será nivelado por cima, desta forma prejudicando aquele de menor poder aquisitivo. O aumento será do mesmo tamanho para o cidadão que mora no Vieno(nada contra o bairro, apenas exemplificando)e/ou para aquele que possui uma mansão no Sibipiruna(idem ao vieno).
A tosquidão da proposta, beira á um amadorismo que chega à irritar. IPTU salvo engano, deve basear-se no valor do imóvel. sendo assim, se a administração quiser aumentar a arrecadação, deveria ter feito concurso para fiscais e realizar o trabalho de fiscalização, atualizando desta forma as àreas construídas dos imóveis e aumentando a arrecadação.
Enoja-me ainda a subserviência da câmara ao Executivo. Será que os nobres vereadores sabem que eles devem servir ao povo e não ao prefeito?Graças a interferência de alguns setores da mídia o projeto não passou na última quinta-feira, porém, se não houver mobilização popular, irá passar tranquilamente na próxima quarta. Lembro-os que bastam apenas 6 votos para o projeto ser deferido. Então não adianta os 3 de oposição não votar.
Convido-os então, a estar na câmara na quarta-feira ás 18:00 horas para protestar e olhar na cara dos vereadores que insinuarem votar contra o povo.
Lembro ainda que uma das propostas é que a divída passe a ser progressiva...se você esse ano não pagou 300 de IPTU, ano que vem estará devendo 600 reais referente a 2010, em 2012 se não tiver acertado vai para 1200 e assim sucessivamente. È uma Progressão Geométrica.

Edilvo Mota disse...

Poizé, Colenghi.

Tá na hora, então, de os eternos "revolucionários" de teoria darem as caras. Nas comunidades do Orkut e nas postagens anônimas é fácil ser rebelde.

Aos mais titubeantes, sugiro uma leitura do Estatuto da Cidade.

Em 2002 eu fiz a minha parte; fui à tribuna da Câmara e, acompanhado dos empresários Luciano Rodrigues Siqueira, Ramiro de Ávila e Bruno Vieira, manifestei a posição contrária à modificação do Código Tributário Municipal (caso idêntico ao atual). A pressão valeu e a Câmara recolheu o projeto.

Agora, chegou a vez dos mais jovens darem sua contribuição à cidade e à transparência.

O velho aqui anda cansado...

Marcos disse...

É fundamental a participação dos setores mais representativos da sociedade. É preciso ficar claro o que consta desse projeto.
Edilvo, quanto à honestidade da presidente da Câmara e dos vereadores, não a meço segundo a moral comum. Ela deve ser medida segundo a moral pública. Do agente público exige-se mais. É como vc mesmo disse: ser um agente público honesto não é virtude, mas sim uma obrigação. Aliás, uma obrigação jurídica passível, portanto, de ser exigida judicialmente pelos cidadãos.