quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

É proibido pensar.

Antes...

Depois...
Voltaire, filósofo iluminista francês, dizia: "Eu posso não concordar com uma palavra do que dizes, mas hei de defender até a morte o seu direito de dizê-la.". Esse ensinamento representa a defesa incondicional da liberdade própria ou alheia. De tão sábio, é aplicável em qualquer  tempo e lugar. 
Contudo, parece que, em Araguari, mais especificamente no Poder Legislativo, a liberdade de expressão anda em baixa.
Refiro-me ao que ocorreu na votação do projeto do novo Código Tributário do município. A ilustre presidente da Câmara, senhora Eunice Mendes, desatenta à liturgia do cargo, negou o uso da palavra ao vereador Werley Macedo. Depois, retrocedendo, concedeu-lhe o direito de se manifestar. Contudo, aparentemente contrariada, afastou-se abruptamente do recinto, deixando a condução dos trabalhos a cargo do vice-presidente.
Esse episódio resume bem o pensamento dominante naquela Casa das Leis e, por que não dizer, também no Poder Executivo, cujo chefe, ao que tudo indica, "dá as cartas" na Câmara.  Assim, em Araguari, qualquer manifestação política contrária ao credo ditado pelo governante de ocasião causa arrepios e tremores nos vereadores da base aliada. 
Essas sensações, entretanto, não deveriam contaminar a presidente da Câmara. Mesmo apaixonada pelo novo modelo de administração, ela, enquanto presidente daquela Casa, deveria ser imparcial na condução dos trabalhos parlamentares. Esperava-se que, no exercício desse cargo, ela vestisse um manto de magistrada, deixando de interferir no resultado das votações ou de tolher as manifestações de quem possui pensamento político diverso do da maioria.
O que aconteceu na sessão de ontem, coroando uma sucessão de erros durante o processo legislativo, foi um péssimo exemplo de como deve ser a condução da votação de uma questão tão polêmica, como a tributária. Em nenhum momento, os atores políticos envolvidos franquearam à sociedade a participação e a cooperação tendentes a produzir uma norma jurídica de maior aceitação social e, portanto, com maior chance de eficácia. Ao tentar cassar a palavra de um de seus pares (iguais), a presidente colocou a cereja que faltava no bolo do processo legislativo, superando, até mesmo, o desapreço pela democracia demonstrado pelo chefe do Executivo. Lamentável...

9 comentários:

Aristeu disse...

A mulher na Política deveria contagiar atitudes dos homens e não ser contagiada por eles. Ser humano é tudo farinha do mesmo saco independente de sexo, cor, credo, partidarismo...

Sandrinha disse...

Mulheres estressadas, mal humoradas e com certeza mal dormidas...dá um desconto aee, né?! rsrsrs
ela sofre o mesmo que sofre a pobre Dilma...
UMA MULHER DURA CERCADA DE HOMENS MEIGOS... OU UMA MULHER MEIGA CERCADA DE HOMENS DUROS????
È direito da mulher ter PITI...a gente já sofre com T.P.M.
SÓ não temos o direito de levar isso para o trabalho
no caso dela para a câmara...

Colenghi disse...

"Ao tentar cassar a palavra de um de seus pares (iguais), a presidente colocou a cereja que faltava no bolo do processo legislativo, superando, até mesmo, o desapreço pela democracia demonstrado pelo chefe do Executivo. Lamentável..."
Marcos, será que nossos governantes já ouviram falar de Platão?

Edilvo Mota disse...

Patético. Ridículo. Digno de piadinhas infames sobre "bês", cabeças de burro, curvas de rio, etc, etc.

Esse é o resultado de um processo político historicamente recheado de vícios. A começar pela compra descarada de votos durante a campanha eleitoral, retirando o equilíbrio da disputa e ascendendo os mais (digamos) ousados.

Cada vez mais me convenço de que o modelo(argh) de representação por voto popular, com as falcatruas existentes e consagradas, é fadado à extinção. A questão seria definir qual padrão (modelo não!) adotar.

Porém, até lá, com esse tipo de atitude as "autoridades" conseguirão até incutir medo em alguns.

Respeito, definitivamente, jamais terão.


PS: aos vereadores boicotados, apesar dos pesares, nossa solidariedade.

Edilvo Mota disse...

Encerrada a encenação, certamente o Legislativo, em especial a Comissão de Saúde, irá acompanhar passo a passo a apuração sobre as causas da morte da garotinha na Santa Casa, dias atrás.

Ou será que dá, de verdade, pra ficar de papo pro ar e desejar à população (incluindo à família enlutada) "boas festas" e um feliz ano novo?

Reginaldo Moreira Faustino disse...

É característica da nossa política nacional e, evidentemente, da política local também o fato de alguns de nossos políticos ainda confundirem o que é público do privado, fazendo de nossas instituições políticas uma extensão de suas casas...O que lamentavelmente acontece ainda em Araguari, pior ainda partindo de pessoas que se consideram tão polidas, isto é, "educadas" e "cultas"...Pelo visto segue o terror em 2011...

Edilvo Mota disse...

http://www.correiodearaguari.com/correio/index.php?option=com_content&task=view&id=3467&Itemid=26
José Victor de Aguiar volta ao secretariado do Prefeito Marcos Coelho

O Dr. Hamilton Tadeu de Lima Júnior deixou ontem, segunda-feira, 03, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, sendo substituído pelo engenheiro agrônomo José Victor de Aguiar, que já serviu no Governo do Prefeito Marcos Coelho como Secretário de Trabalho e Ação Social. Hamilton Júnior, que é o primeiro suplente de vereador pela bancada do PMDB deverá assumir uma cadeira na Câmara Municipal, caso a Vereadora Eunice Mendes, Ex-Presidente da Câmara, venha a assumir a Secretaria de Educação.

Eunice Mendes vem relutando em assumir a Secretaria de Educação, por razões políticas, ligadas ao exercício de seu cargo de vereadora, já que esteve comprometida com o exercício da Presidência da Casa, não tendo maior desenvoltura no tocante ao exercício da vereança propriamente dita, além de razões profissionais, pois, assumindo cargo no Poder Executivo terá que deixar a Câmara, bem como o cargo de carreira que ocupa no Estado, com consideráveis perdas financeiras.

Edilvo Mota disse...

http://www.correiodearaguari.com/correio/index.php?option=com_content&task=view&id=3461&Itemid=26

Leonardo Melo deixa a Presidência da FAEC (Fundação Araguarina de Educação e Cultura) depois de dois anos à frente da Fundação, período em que conseguiu a realização de grandes eventos culturais, muitos de elevados níveis artísticos, como a apresentação de sinfonias e bandas de grandes centros, além da apresentação de peças teatrais, que certamente marcarão época em Araguari, deixando saudosas lembranças, tendo conseguido especialmente considerável adesão popular às realizações que levou à frente, com a Praça Gaioso Neves, situada à frente do Palácio dos Ferroviários tornando-se ponto de encontro da famílias e populares de Araguari.

Leonardo Melo ainda enfrentou com habilidade e competência questões político-administrativas junto à SPU/MG (Superintendência de Patrimônio da União Federal de Minas Gerais), MPF (Ministério Público Federal) e IEPHA/MG (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais), avançando significativamente na conquista do “patrimônio da extinta Rede” para a Prefeitura de Araguari.

POLÍTICA: Leonardo Melo participou da coligação eleitoral que elegeu o Prefeito Marcos Coelho, através do Partido dos Trabalhadores, ao qual é filiado, inclusive figurando como candidato a vereador. Luciana de Menezes Resende também é filiada ao PT.

Edilvo Mota disse...

O sujeito faz um bom trabalho e é demitido.

Tô tentando entender...