sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Quilômetros 54 e 57 da BR-050 são considerados perigosos, segundo a PRF



Só este ano foram 42 acidentes com sete mortes





Os quilômetros 54 e 57 da BR-050, entre Uberlândia e Araguari, são considerados perigosos, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Mesmo assim os motoristas arriscam a vida. Placas indicam o sentido. O sonorizador colocado há um ano é mais um alerta. Mas muitos motoristas entram na curva desrespeitando a faixa contínua e embalados.

Nos 4 km próximos a ponte do rio Araguari são os que mais preocupam a PRF. Uma curva é a mais perigosa. No último acidente registrado no local, no começo da semana, um carro e um caminhão bateram de frente e duas pessoas morreram. Na margem da pista sobram restos de batidas. Quem passa pelo lugar com frequência confirma o risco.O resultado da imprudência que está registrado na estatística da Polícia Rodoviária Federal assusta: entre os km 54 e 57, em 2009, foram 61 acidentes, 68 vítimas e seis mortes. Nesse ano, até o dia 25 de outubro já foram 42 batidas, 42 vítimas e sete mortes. Seis delas no mesmo trecho.
A inspetora Jane dos Santos informou que está sendo providenciado um radar móvel até que sejam instaladas as barreiras eletrônicas. O superintendente do Dnit, João Andrea Molinero, informou que não há previsão para a instalação de radares eletrônicos ou nenhum outro dispositivo de fiscalização nos trechos citados na BR-050.
 Fonte: http://megaminas.globo.com/2010/11/05/quilometros-54-e-57-da-br-050-sao-considerados-perigosos-segundo-a-prf
Pitaco do Blog
Na 050, pode-se escolher: a morte entre Araguari e Uberlândia ou o roubo entre Araguari e o Rio Paranaíba. O DNIT e a PRF em muito contribuem para que isso continue ocorrendo.
O DNIT, porque assiste passivamente à carnificina que ocorre na rodovia. Não se preocupa em sinalizar melhor a via ou em verificar se existe algum erro de engenharia na rodovia, sobretudo nas curvas próximas ao Rio Araguari. Já a PRF, porque assiste, também inerte, ao aumento do número de assaltos e de acidentes na rodovia. Parece que os patrulheiros estão grudados nas cadeiras do posto policial. Dali só saem para fazer as refeições nos restaurantes próximos.
Não precisamos de milagres. Medidas preventivas ajudariam. Por exemplo, se a PRF fizesse algumas rondas noturnas, diminuiria o número de assaltos a ônibus que ocorrem sistematicamente no mesmo local. Igualmente, se deixasse uma viatura policial parada próxima ao Rio Araguari, chamaria a atenção dos usuários da rodovia.
Agora, se é impossível atentar para esses detalhes tão simples, não nos restam mais esperanças. O negócio é se apegar a todos os santos e torcer para que eles, ao contrário do Estado, estejam de plantão e dispostos a nos ajudar.

4 comentários:

Aristeu disse...

Um dia, para demonstrar a eficiência da PRF, parei no posto da mesma, em direção a Brasília, logo após Cristalina, e pedi informações a respeito da situação e do destino de uma via asfaltada à direita, logo após o posto da pamonha, após o Posto JK de Cristalina e os policiais não sabiam. Segundo eles, apenas cuidam das rodovias federais. É uma rodovia asfáltica que encurta a distância entre Cristalina e São Sebastião-DF, com mais de setenta quilômetros, executada para escoar Corumbá IV e a POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL desconhece. Mas isto não é privilégio de desconhecimento apenas da PRF não. Conversando com um Agente do IBama o mesmo também confirmou que o órgão só fiscaliza as rodovias federais. Então se eu pegar o papagaio do Sr Antônio, em Araguari, e sair em direção a Amanhece, a seguir Anhaguera, encaminhando pra Luziânia e pegando esta mesma via com destino a São Sebastião eu chego em Brasília são e salvo - Eu e o Papagaio...

Edilvo Mota disse...

hahahahahaha....

a piada do Aristeu é mais engraçada que a do DENIT e da PRF...

Aloisio Nunes de Faria disse...

Manchete da Gazeta do Triângulo, de amanhã: "Ataques na rodovia: inspetor acredita que quadrilhas monitoram a PRF"

Parece até que a Polícia Rodoviária leu o que vocês, Marcos e Aristeu, escreveram hoje.

Edilvo Mota disse...

Curioso pesquisar para saber se, à época da construção, alguém questionou o traçado da rodovia ou fiscalizou a obra.

Como sempre, constataremos instituições lenientes, omissas e coniventes.

E ainda resta a babação piegas a pseudo saudodos políticos que, de fato, não deixaram saudade alguma...