sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Verdadeira Cidadania

Após a ocorrência de sucessivos escândalos de corrupção nos diversos poderes e entes da federação, a promulgação da Lei da Ficha Limpa serviu-nos de alento. Afinal, já nos sentíamos cansados de ver políticos oportunistas e desonestos serem eleitos.
A exemplo dos  milhares de cidadãos que subscreveram o projeto de que originou a Lei da Ficha Limpa, devemos, agora, acreditar no poder transformador das eleições. Façamos boas escolhas!
Lembrem-se de que, nesse processo democrático, todo eleitor é importante. Tanto isso é verdade que os candidatos  travam verdadeiras guerras para conseguir o voto de cada um de nós.
Importante não esquecermos também que o verdadeiro exercício da cidadania não se resume ao comparecimento à urna eleitoral. Mais que isso, ser cidadão é um processo que começa antes do dia da eleição, com a busca de informações sobre os candidatos (caráter, vida pregressa, seriedade das propostas), sobre os partidos (história, programas). Na verdade, é um processo sem fim, na medida em que, findo o pleito, devemos fiscalizar os atos dos eleitos.

Votando corretamente e cobrando postura séria dos eleitos,  eliminaremos da vida política aqueles que nos desonram e fazem do nosso voto um instrumento de manipulação para defender somente os seus mesquinhos interesses individuais.
Por um País melhor, sejamos, de fato, cidadãos!

3 comentários:

Ianis disse...

UBERLÂNDIA-MG, 1. de outubro de 2010.

Prezados Srs.,

(...)
Mais que isso, ser cidadão é um processo que começa antes do dia da eleição, com a busca de informações sobre os candidatos (caráter, vida pregressa, seriedade das propostas), sobre os partidos (história, programas). Na verdade, é um processo sem fim, na medida em que, findo o pleito, devemos fiscalizar os atos dos eleitos.
(...)

Bonito isso !!!

Deveremos agora saber como o cidadão deve agir, quando nossos "Agentes Fiscalizadores" - de direito e de fato - mesmo com denúncias, nada fazem quando de comprovadas irregularidades...

Verdadeira Cidadania.

Atenciosamente,
Janis Peters Grants.

Marcos disse...

Ianis, você está coberto de razão. Quem deveria fiscalizar não o faz como deveria.
Sinto-me à vontade para falar sobre isso, sobretudo porque trabalho em um Tribunal de Contas. Sei bem o quanto é difícil a tarefa de quem pretende cuidar da coisa pública. Muitas vezes, tenho a impressão de que estamos "furando buraco n'água".
Agora, precisamos fazer algo. Particularmente, acredito que, com os avanços das comunicações (sobretudo, com a força da internet), o cidadão vai ganhando forças e instrumentos novos para conhecer, ao menos em parte, as mazelas da Administração Pública brasileira. Nesse caso, o conhecer pode gerar o agir.
Oxalá, um dia, tenhamos associações de cidadãos na maioria dos municípios brasileiros, fiscalizando, de forma isenta, a gestão pública. Isso é um sonho difícil de ser realizado, mas já temos algumas sementinhas plantadas em alguns lugares.

Edilvo Mota disse...

Aqui (Observatório) já se pratica cidadania de fato. Respeito ao contraditório, sem medo de expor publicamente o pensamento.

Vai levar tempo, mas aos poucos, de tombo em tombo, de rombo em rombo, a sociedade há de aprender a se posicionar; e a não relevar crimes em nome de "interesses maiores".

Bons votos para todos nós.

E fiscalização sempre, sem chiliques nem derrapagens para ofensas pessoais, sob o manto do anonimato.