sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Alunos da Escola Isolina são premiados em Feira de Ciências na UFMG

Um dos trabalhos garantiu o 3º lugar na categoria “Água”
por Talita Gonçalves
O último final de semana foi memorável para os alunos da Escola Estadual Isolina França Soares Tôrres: participaram da IV Feira de Ciências da Educação Básica de Minas Gerais - FECEB-MG da Universidade Federal de Minas Gerais, e um dos grupos trouxe para Araguari a premiação de 3º lugar.

Foto: Gazeta do Triângulo
Professores e alunos que participaram da Feira de Ciências da UFMG
A Feira é um das iniciativas do UFMG Conhecimento e Cultura, evento de caráter institucional que aconteceu de 18 a 22 de outubro nos campi da universidade, tanto em Belo Horizonte (Pampulha e Saúde) quanto em Montes Claros, e engloba ainda outras atividades de cunho acadêmico.
A escola conquistou a premiação com o projeto “Saneamento básico – tratamento de esgoto por zona de raízes” na categoria “Água”, coordenado pela professora de biologia Maria Marta Paula Aguiar, formado pelos alunos Júlia Machado Dias, Letícia Gonçalves de Carvalho, Lucas Oliveira Santos e Nicolas Kayan Corrêa Pereira. Alguns trabalhos ainda competiam nas categorias “Terra”, “Homem” e “Outros”.
Como explicou o coordenador do Grupo de Desenvolvimento de Profissional – GDP Semeando Ciências, Saulo Ferreira Félix, os estudantes haviam participado antes da feira de ciências da escola, que trabalha no mesmo sistema de outras maiores e tem como objetivo prepará-los.
Segundo ele, o GDP Semeando Ciências também realiza outras atividades na escola, e seus resultados reforçam o aprendizado. “O aluno vira um espelho; se o projeto é bom, ele se sai bem e os demais se espelham nele. A cada ano, o progresso é maior; o grau de instrução, a média de notas, enfim, é extremamente positivo,” ressaltou.
Para os alunos, fazer parte de iniciativas como esta é ainda melhor. “Nunca havíamos participado de uma feira em nível estadual. Aprendemos muito com vários trabalhos diferenciados e para nós, a premiação foi muito importante mas a experiência superou,” declarou Nicolas Kaian.
A diretora da escola, Tânia Regina Borges Naves Nasciutti, destacou a importância de projetos de grande porte no estímulo aos jovens. “É muito importante que a escola marque presença; para os alunos, é uma oportunidade diferente e rara de mostrar o trabalho para outra comunidade. Costumo dizer que é muito importante para eles saírem do mundo da escola e perceberem quantas possibilidades existem a partir do momento que trabalhem bem,” finalizou.
Além do grupo premiado, mais dois também representaram a Escola Isolina na UFMG na categoria “Outros”; os projetos “A física do futebol”, coordenado por Saulo Ferreira Félix, com os integrantes Diego Santos Pires, Jonas Lucas Mota, Paula Caroline Corrêa Carvalho e Patrícia Oliveira Peixoto e “Polímeros em ação”, coordenado por Keila Onícia Ribeiro, com os integrantes Cassiana Rocha Ferreira, Luciana Reis de Carvalho e Yasmim Paiva Terra.
Fonte: http://www.gazetadotriangulo.com.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=13752&Itemid=29
Pitaco do Blog:

Esse prêmio me deixa duplamente feliz. Primeiro, por ver a Escola (Diretora, Professores e Alunos) dignificarem o nome do Isolina e da cidade. Araguari orgulha-se de filhos assim! Segundo, porque me enche de alegria ver que a coordenadora do projeto é a Professora Maria Marta, minha irmã.
Sinceramente, acredito que a Maria Marta simboliza bem o que é ser professor. Com seu trabalho, ela demonstra que dar aulas é, sobretudo, um ato de amor.
Além de ser uma mãe, esposa, filha e irmã exemplar, ela ama e honra a profissão que escolheu. É amor pra vida toda! Amor correspondido, pois é adorada pelos seus alunos, com quem, humildemente, muito aprende também.
Parabéns à Escola!

2 comentários:

Edilvo Mota disse...

Marcos,

PARABÉNS mesmo a sua irmã e seus alunos. E a você, por extensão.

E quem disse que Araguari não possui representantes à altura de sua grandeza???

Aristeu disse...

A água de Araguari continua ganhando prêmios, mas a lama vai aumentando. Tem muita gente boa. Só não dá pra entender a proeminência política dos não tão bons. Os filhos de Seu Antonio e Dona Terezinha, além de dignos ao extremo, são capacitados sobremaneira. A genética é fantástica - árvore genial e lógica!