sexta-feira, 25 de junho de 2010

Dúvidas...

Na coluna Salada Mista do Correio de Araguari de ontem, 24/06, o radialista Limírio Martins, com grande acerto, afirmou:
Ficha Suja. Parece que a coisa vai engrossar com aqueles que devem de alguma forma. Talvez seja o começo da peneira, trazendo para nos representar pessoas sérias e não bandidos como temos visto por aí. 
Aproveitando o gancho, gostaria de saber se, em Araguari, o Poder Executivo irá "engrossar com aqueles que devem de alguma forma". O motivo da dúvida está no fato de o município estar cobrando daquele colunista uma dívida de R$ 18.902,10.
Para ser mais preciso, a cobrança é objeto de uma ação de execução fiscal ajuizada há mais de sete anos pela Fazenda Pública do Município  contra a Casa de Show e Danceteria Fole de Ouro Ltda. e contra o referido radialista (Processo nº 003502015656-4). Interessante observar que o processo encontra-se suspenso por 90 dias (sic) desde 26/02/2010.
Será que, na hipótese provável de não-pagamento, o Município conseguirá localizar bens do devedor para satisfazer o seu crédito? Será que o devedor, ao assumir cargo público, apresentou a declaração de bens exigida por lei, o que agora facilitaria a localização de bens penhoráveis? Até que ponto é legítimo nomear um devedor de tributos para ocupar cargo público?
Vejam que as dúvidas sobre o resultado desse processo são procedentes. Afinal, o devedor, além de ocupante de cargo de confiança na Prefeitura, é um dos mais ferrenhos defensores do governo atual tanto na sua coluna semanal no Correio de Araguari quanto em seu programa diário na Rádio Araguari.

4 comentários:

Aristeu disse...

É difícil que alguém defenda uma postura política sem interesse algum. Até você, Senhor Marcos, tem o interesse de melhorar a humanidade!

Alessandre Campos disse...

É de praxe nestes casos, o uso dos famosos "laranjas". O nobre colunista, se tiver bens, deve estar no nome de alguém. Em relação ao pagamento da dívida, isto deve ficar entre amigos, tendo em vista a suspensão do processo, exatamente neste governo. Para quem fala tanto em honestidade, me parece contraditório dever o fisco, tanto municipal, quanto qualquer outro. Com relação a declaração de bens, na prefeitura de Araguari para ocupar qualquer cargo me parece que isso vale só para os concursados, bem como, a exigência da declaração de antecedentes criminais.
E o processo que ele foi condenado a devolver dinheiro público por ter recebido a mais quando era vereador? Você tem noticias disso, Marcos?

Marcos disse...

Alessandre, andei pesquisando esses processos contra os vereadores que, por meio de laranjas surrupiaram dinheiro público. Na verdade, chamá-los de vereadores é ato de extrema bondade. São, na verdade, integrantes de quadrilha.
Um dos processos que vi pela internet está em fase de execução (cobrança) do valor subtraído dos cofres públicos. Obviamente, a quantidade de réus e a malandragem dos devedores estão dificultando a cobrança.
Em breve, quero trazer novidades sobre esse tema. De qualquer forma, é bom ficar de olho, pois alguns desses ex-vereadores podem tentar novamente a sorte nas urnas em 2012.

Edilvo Mota disse...

Em 1999, trabalhei como auxiliar de perícia contábil, no Inquérito Civil Público 032/97, proposto pelo promotor Epaminondas da Costa, então Curador do Patrimônio Público em Araguari, contra a administração Alfredo Pastori, na Câmara Municipal de Araguari.

Os descalabros como o dinheiro público, perpetrados na vetusta Casa de Leis fariam arrepiar qualquer pirata do Caribe.

E continam todos à solta, inclusive se candidatando a cargos públicos...