sexta-feira, 30 de abril de 2010

Interdição de parte do Pronto-Socorro Municipal

GRS Uberlândia interdita parte do Pronto-Socorro Municipal
30/04/2010
Da Redação

Em Nota Oficial enviada a redação do Jornal Gazeta do Triângulo, a Gerência Regional de Saúde de Uberlândia, informou sobre a interdição cautelar no Pronto Socorro de Araguari.

A Vigilância Sanitária da Gerência Regional de Saúde de Uberlândia em conjunto com a Vigilância Sanitária da secretaria municipal de Saúde de Araguari constataram irregularidades que poderiam provocar riscos à saúde dos usuários e profissionais, e em atendimento a Legislação Sanitária Vigente (Lei Estadual nº 13.317/99,  Portaria MS/SVS nº 453/98 e Resolução Estadual nº 1559/08), foi interditado de forma cautelar (provisoriamente), a partir do dia 27 de abril: um equipamento de RX convencional, um equipamento de mamografia e o consultório odontológico.

A informação foi repassada no início da noite de ontem pela Assessoria de Comunicação do órgão que ainda salientou que a secretaria municipal de Saúde de Araguari está tomando as providências para regularização da situação conforme a Legislação Sanitária citada acima.

Na edição de amanhã a Gazeta trará novas informações sobre o assunto. 
 
Pitacos do Blog
Nota-se que o "Novo Modelo de Administração", na verdade, nada tem de novo. Os erros na área de saúde continuam acontecendo. Enquanto isso, o povo continua pagando o pato, não tendo acesso a um serviço público de qualidade.
O que estaria por trás desse tipo de conduta? Incompetência dos gestores?! Prevalência de interesses particulares escusos?! 
A resposta é: ambos os dois. Quando gasta mal, deixando de fazer manutenção em equipamentos básicos, o gestor está tornando pública a sua incompetência. Será que, em suas clínicas particulares, os médicos  que atuam no serviço público deixariam de fazer manutenções periódicas em seus equipamentos? Óbvio, a resposta é negativa.
Além disso, fomentando a omissão, encontra-se o predomínio do interesse de certos grupos econômicos. Explica-se. Com o não-funcionamento do raio-X e do mamógrafo, quem fatura é a iniciativa privada. Isso porque a fantástica fábrica de emergências da Prefeitura de Araguari terá que contratar, sem licitação e sem as devidas cautelas, uma empresa para consertar os aparelhos e clínicas particulares para prestar os serviços essenciais de radiografias e mamografias.
Pois é, senhores gestores incompetentes, seria muito mais fácil botar a culpa na administração anterior ou colocar os pacientes em ambulâncias para fazer o raio-X em Uberlândia. Mas não é bem assim. Araguari recebe recursos federais para prestar o serviço de saúde. Logo, é bom correr e sanar as falhas antes que apareça alguém questionando como estão sendo gastos esses recursos federais.


Um comentário:

Aristeu disse...

Não seria o caso de "pitacar" a intervenção? Um gestor "tampão" não solucionaria os danos? Será que esses interventores não querem vender ou indicar outros equipamentos? Pode ser caça ao coelho...