segunda-feira, 22 de março de 2010

Caso de Política ou de Polícia?

Na pacata Serras Azuis, a tarde de quarta-feira (10/03) não foi das mais tranquilas. Polícia e política (ou politicagem?) se misturaram perigosamente. Tudo porque certos políticos não sabem (ou não querem?!) distinguir o que é interesse público e o que é particular.
Por volta das 16 horas, a Polícia Militar compareceu à Av.Minas Gerais, esquina com Rua Padre Anchieta, para atender a uma ocorrência de suposto atentado violento ao pudor. Segundo informações das vítimas, que distribuem panfletos no local, o senhor R. A. teria passado varias vezes por ali, expondo o seu órgão genital. Ao notar a presença da Polícia, o suspeito tentou fugir, mas não logrou êxito, tendo sido preso por militares daquela corporação, conforme consta do BO nº 5325/10.
Tudo poderia ter terminado aí. Mas não foi o que aconteceu. Logo em seguida, entrou em cena o senhor prefeito da cidade, Marcos Coelho, que, acompanhado da irmã do suspeito, se dirigiu à delegacia tentando impedir a prisão do suposto autor, que coincidentemente trabalha na empresa (privada) do alcaide. Segundo informações, nessa missão "pública" teriam sido mobilizados, em pleno horário de expediente na Prefeitura, além do prefeito, outros funcionários do município (secretários, procurador, advogado).
Ainda segundo informações recebidas pelo blog, o senhor prefeito teria se utilizado da autoridade do cargo para tentar "abafar o caso", interferindo no trabalho da Policia Militar e ameaçando verbalmente os policiais que, no estrito cumprimento de um dever legal, efetuaram a prisão do suposto autor.
Pois bem, aí está a notícia. Restam, no entanto, algumas indagações:
1º Utilizar-se de cargo público para tentar interferir no trabalho policial é atividade do prefeito de uma cidade?
2º Podem os agentes públicos, durante o expediente, deixar o seu local de trabalho para defender interesses de particulares a mando do prefeito?
3º O prefeito goza de algum tipo de imunidade que lhe permita obstruir, impunemente, o trabalho policial?
4º Até que ponto vai a ingerência do chefe do Executivo sobre o comando da Polícia Militar em Araguari?
5º O que acontecerá com os pobres policiais que, tentando cumprir a lei, efetuaram a prisão de um suspeito amigo de poderosos?
6º Todo suspeito de crime terá direito a esse tipo de defesa patrocinada pelo chefe do Executivo e sua assessoria?
7º Onde está a imprensa da cidade, que nada falou sobre o assunto?

16 comentários:

Aristeu disse...

Interessante como que um órgão genital masculino à mostra transforma-se de um instante para o outro em atentado violento ao pudor e às que o avistaram em vítimas. Quem nunca precisou dar três balangadas que chame a primeira patrulha. O Prefeito derrubará tal Lei e afastará das funções estes policiais que não reconhecem quem é a autoridade.

Anônimo disse...

Ficou muito feio para o Prefeito, tentar osbtruir o trabalho policial. Se queria ajudar a sua funcionária deveria ter constituido um advogado para ela e não ter se metido no caso porque até não seria de sua competencia. Tantos casos que necessitam da sua intervenção como por exemplo a saúde do municipio por que ele não influi como autoridade maxima ?

Aristeu disse...

Lembrei-me de uma:

Uma mijadinha e nada mais.

Ainda na década de setenta, quando trabalhava no Bar do Bolinha, tínhamos um freguês muito especial. Alguns o chamava de "PHOS", abreviatura de Paulo Henrique de Oliveira Santos, e outros simplesmente PAULINHO. Lembro-me que era irmão de uma ex-professora minha.
Ele era um "bonvivant". Daqueles que não precisavam trabalhar para sobreviver nem pra se divertir. Morava uma casa de dois pavimentos próximo à Igreja Matriz. Diziam até que frequentou Faculdade de Medicina e quase se formou. No mínimo era um estranho, um filósofo... de outro mundo.
Às vezes ele cismava de tomar uma pingo, mas não podia espremer o limão porque tinha alergia, palavras suas.
Ele ficava de lá do balcão ou de cá, quase sempre na mesma posição: de braços cruzados e, vez por outra, balançava a cabeça afirmativamente concordando consigo mesmo em algum pensamento.
Quase às sete da manhã o Bar Corujão fechava e ele permanecia firme ali junto da gente, atrapalhando a limpeza e o recarregamento dos freezers. Às vezes falávamos-lhe alguma coisa e depois de um bom tempo ele respondia, era fora de sintonia.
Ele tinha uma Brasília como condução e, independentemente do grau de embriaguês a sua tocada era constante e o ponteiro não passava dos "trinta".
Um dia, depois do bar fechado, ele chamou-me, juntamente com o Onofre, para fazermos uma feijoada na casa dele. Concordamos. Fomos para o Mercado Municipal em busca dos ingredientes. Compramos tudo à excessão do pé-de-porco. O Paulinho metódico queria porque queria a feijoada completa. Num açougue fomos informados que os porcos eram mortos às quatro da tarde e que, após este horário, eles teriam o bendito pé-de-porco. Paulinho, ignorando por completo a musculatura e estupidez do açougueiro, perguntou: - Não dá pra tirar os pés agora e matar o porco depois?
Tivemos que interferir, pois o homem achou que Paulinho estivesse tirando-lhe um sarro.
O Paulinho era assim mesmo e sem maldade. Lembro-me dele ficar observando os pedidos de pizzas: Um freguês queria sem orégano, outro queria sem molho, um terceiro queria com o presunto por baixo do queijo... Foi então que Paulinho, para ser diferente, pediu uma brotinho com o queijo por baixo da massa.
Paulinho frequentava o Bar Brasil, O Corujão, o Napolitano, o Bar do Pedro e as casas das mulheres de vida fácil.
Um dia, quase onze da noite, já com umas quatro brahma extras ingeridas parou num poste para esvaziar o tanque. A rua estava deserta e silenciosa, mas em frente à saída do Cinema Rex e no momento do fim da exibição.
Não teve como fechar a torneira e num instante a Patrulha Militar, sob o comando do Cabo Zé Maria, abordava o elemento.
Sorte do Paulinho que o Dr Natal Mujali encontrava-se na assistência e interveio, pois era amigo da família. Defendeu o Paulinho e se comprometeu em deixá-lo em casa são e salvo. A guarnição de serviço concordou afinal era o Dr Natal quem pedia.
Uma vez em casa, com o pensamento retardado, Paulinho se viu no direito de ir e vir para bem onde entendesse. Pegou a Brasília e rumou para a casa das primas que se localizava nas bandas do Bairro Gutierrez.
Alta madrugada retornou da orgia. Na altura do "Antonio Marques" parou para um mijadinha apenas no canteiro central.
A Patrulha do Cabo Zé Maria o pegou novamente, mas riram e liberaram, afinal, fora eles, ninguém mais vira, naquela hora, as intimidades de Paulinho.

Anônimo disse...

Tentaram silenciar a imprensa, mas não adiantou a cidade inteira sabe. Rss cidade pequena é assim mesmo, as informações não precisam de jornais. Circulam na radio povoão.

Sandrinha disse...

Esse novo ´´MODELO´´ de administração não é tão novo assim ja existiu no(século XIII)e coitados daqueles que desobedeciam, todos aqueles considerados uma ameaça às doutrinas (conjunto de leis) desta instituição. Todos os suspeitos eram perseguidos e julgados, e aqueles que eram condenados, cumpriam as penas que podiam variar desde prisão temporária ou perpétua até a morte na fogueira, onde os condenados eram queimados vivos em plena praça pública. Como eu não sei agir diante disso...Fuiiiii
e vcs deveriam fazer o mesmo

Anônimo disse...

Era o caso de abrir processo contra o prefeito mas aposto que vai acabar sobrando é pros policias.

Anônimo disse...

Sou de Udi e fiquei sabendo desta história por umcolega de Reri na faculdade... Na hora nao acreditei. Agora procuro na net e vejo a noticia. Isto é caso de policia mesmo. Que vergonha!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

NESTE MATO TEM COELHO!!!!!!

Anônimo disse...

Si fuçar a vida do coelho vai aparecer muitas coisas piores...

Anônimo disse...

E coelho dos grandes
Está aberta a temporada de caça aos coelhos

Anônimo disse...

Araguari esta envergonhada com tanta sujeira enfiada em baixo do tapete ou melhor enfiada na toca do coelho
Um dos policiais esta sofrendo por ter cumprido sua obrigação

Anônimo disse...

A PM de Araguari já arrumou um jeitinho pra punir os policiais que cumpriram a lei. E o coelho continua dando risadas...

Anônimo disse...

Araguari não vai pra frente em seu desenvolvimento pois a política em Araguari é apenas para caso pessoal e não para políticas sociais. Vamos ver até que ponto vai ser esta baderna chamada de um modelo novo de gestão. Srs. políticos vamos saber de fato o significado de "GESTÃO PÚBLICA" e também que a era da DITADURA já passou estamos em pleno estado democrático de direito. Alem do mais os policiais estão no cumprimento de seus deveres é para isto que o ESTADO administra os seus subsídios pagos pelo POVO.

Anônimo disse...

Vamos falar do funcionário que estava conduzindo um veículo de transporte de alunos salvo engano da secretaria de educação. Ele também foi pego embreagado e este veículo teria sofrido um acidente. O Sr. prefeito fez o que? Vai perseguir os policiais que atenderam esta ocorrencia? Sem contar que foi tudo abafado pela imprensa, afinal o que faz errado na Prefeitura desta cidade a imprensa não fala ESTRANHONÃO É??? Sem contar que os jornalista desta cidade de uma certa rádio são todos favorável a administração atual. No meu entendimento os jornalistas deveriam ser apartidários e trabalharem com a informação seja ela qual fosse.

Anônimo disse...

Na verdade o motorista deste onibus escolar teve sua CNH apreendida e ameaçou bater no policial, ainda comentou que seu patrão é prefeito da cidade. Qual o motivo desta fala quem trabalha para o prefeito pode fazer o que quizer que não será punido? Sorte que o prefeito estava viajando senão seria mais uma atrapalhada q iria entrar.KKKKKKKKKKKKKKKKK.

Anônimo disse...

Engraçado por falar em jornalistas ou imprensa em Araguari, porque ninguém fala mais dos eucaliptos e as madeiras que continuam sendo cortadas e vendidas em ceramicas da cidade. Outro assunto interessante, as viagens do vice prefeito que ficou para o povo pagar quase R$70.000,00. O homem foi sair até na sua terra natal e disse que estava tentando recursos para as avenidas o caso foi denunciado no Ministério Publico mais até agora os jornais não publicaram esta matéria. Este é o prefeito honesto? Ou ele não sabe destas viagens? Óoooooooo coitado dele e do povo que pagam seus impostos.kkkkkkkkkkk