sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Homenagem à Araguari

Hoje, prometo pegar leve. Para apreciação dos leitores, segue um poema do mestre Jeová Bitencourt sobre a nossa Araguari. Aviso, desde logo, ao Aristeu que os seus comentários só serão aceitos se forem feitos em  versos.
Ótimo final de semana a tantos quantos se atreverem a acessar este blog.

Terra Querida
Jeová Bitencourt

Que amor que eu tenho pela minha terra.
por esta minha Araguari tão linda,
reino de paz que um paraíso encerra,
com suas flores de ternura infinda.

Se é bonito o luar por sobre a serra,
pela beleza com que o céu a brinda,
as estrelas, que à noite travam guerra
de esplendor entrei si, são mais ainda.

Que bem que eu quero à minha Araguari,
a este meu torrão hospitaleiro,
doirado e ardente berço onde nasci.

Ela é divina e tem belezas mil,
é a flor do Triângulo Mineiro,
é um jardim de amor de meu Brasil.

Um comentário:

Aristeu disse...

Às ordens:

Terra Querida

Que amor eu tenho pela terra adotiva!
Esta Araguari de todos enigmática.
Não há paz nem paraíso, mas é cativa:
Um inferno de Paixão problemática.

É bonita, gigante e degustável.
Atrai, expulsa, enterra seu povo,
Não deixando de ser adorável
A cada dia um horizonte novo!

Quero que o bem reine neste rincão.
Ali ajuntei armas pra minha luta
E, por cima, tenho lá mãe e irmãos.

Não a desprezo e a tenho no meu destino
Com outra cidade também na disputa.
Hei de voltar aos encantos de eu menino!