domingo, 5 de julho de 2009

Disparidades

Enquanto em Araguari e na maioria dos municípios a saúde vai de mal a pior, no Senado são gastos, em média, 50 milhões de reais com a saúde dos Senadores e servidores da Casa. Não tenho números, mas é possível supor que o Senado gaste mais, nesse setor, do que a esmagadora maioria dos municípios brasileiros. Pior: se compararmos esses gastos com os dos municípios com 23 mil habitantes (a quantidade de beneficiários do Senado), aí é que estará caracterizado o absurdo.
A reportagem da Folha de S Paulo escancara essa desigualdade:
O Senado gastou entre 2006 e 2008 uma média de R$ 50 milhões por ano com atendimento médico-hospitalar, mostram dados oficiais divulgados pela primeira vez pela Casa. O valor representa 42% de todos os pagamentos feitos a empresas no período, segundo reportagem da Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).
O Senado paga as despesas de senadores, ex-senadores, servidores ativos e inativos, além de seus dependentes. A cobertura abrange cerca de 23 mil pessoas, quase todas vivendo na capital federal. Foram gastos em média R$ 2.200 por ano para cada servidor.
Segundo levantamento feito pela Folha na base de dados disponibilizada, o Senado gastou R$ 46 milhões só com pagamentos a hospitais. Também foram gastos R$ 12 milhões com exames laboratoriais. A média anual de de R$ 50 milhões equivale aos recursos necessários para manter um hospital de médio porte.

Um comentário:

Aristeu disse...

Amigo, isto pq vc ainda não viu algum balanço da Câmara Federal no quesito gastos com a Saúde. Pra vc ter um exemplo prático e verdadeiro eu conheci um idoso aposentado de salário mínimo do INSS que teve a felicidade de ser pai de uma secretária de um mero deputado. Embora um carioca apaixonado pela terrinha, ele fixou-se em Brasília para uns tratamentos, lógico que via Câmara. Eu mesmo fiquei de saco cheio de tanto levá-lo ao médico. Até cisco no olho ele incomodava a cobertura. Chegava a ir 3 vezes por semana. A anatomia dele deve ser mais conhecida que a morte de Michael Jackson. Outra coisa, falando nisso, é preciso apurar os gastos telefônicos de cada gabinete de deputado. Eu, aqui no interior, se quiser fazer um interurbano ao senhor, na capital, basta ligar a cobrar para um destes gabinetes e pedir uma conferência com o seu número. Neste caso, por exemplo, é a mordomia estendida: basta ter contato. Arre!