sábado, 20 de junho de 2009

O SENADO QUE TRABALHA DEMAIS

Eis os versos que Miguezim da Princesa fez sobre o Senado, mas que servem para a maioria dos nossos podres Poderes em qualquer ente da federação:

O SENADO QUE TRABALHA DEMAIS
I
Não adianta abafar.
Todos sabem que o Senado
Explora seus servidores
Num rojão escravizado:
De cedo a tarde da noite,
O lombo levando açoite,
O corpo todo estafado.

II
Foi assim que Agaciel
Lutou até a exaustão:
Entrando nas madrugadas,
Fazendo muito serão,
Comeu pouco, vestiu mal,
Juntou real por real
E comprou uma mansão.

III
Todo dia passa das dez,
O trabalho é de suar:
Não tem água nem café,
Salgadinho ou guaraná;
Mulher feia no corredor,
O Senado é um horror,
Só presta para estressar.

IV
O servidor ganha pouco,
Tem cara de sofredor,
Mora longe, anda de ônibus
E às vezes de metrô;
No agiota pendurado,
Já é até comparado
Com a classe de professor.

V
Jeany Mary me contou
Que ali não tem futuro
E as “primas” morrem de fome
Com senadores pão-duro,
Que não pagam nenhum gole,
Difícil é achar pão mole
Na mão boba do escuro.

VI
O Senado é o reduto
De retidão e decência,
Bate o coração do povo
Na alma da excelência
E em cada sala apertada
Geme, sofrida e suada,
A boca da inocência.

VII
Senador ” boca de bola”,
Quando solta seu berreiro,
Está defendendo o povo
Da sanha do estrangeiro.
Com o grampo se aperreia,
Protesta, faz cara feia,
Sem nem pensar no banqueiro.

VIII
Só vivem de bolso liso
Os pobres dos senadores.
Com raiva, vão e se vingam
Nos sofridos servidores,
Mas, depois que a noite chega,
Um magote de galegas
Alivia suas dores.

IX
Se há uma licitação,
Fica maior o tormento:
O trabalho é redobrado,
Só se vê choro e lamento,
Parlamentar bem zangado,
Assessor desesperado
Atrás de vinte por cento.

X
E haja telefonar,
Assessoria cobrando,
Lobista sofrendo infarto,
Empreiteira se virando,
Abarrotando o alforge,
E o delegado Protoge
Só na surdina gravando.

XI
Trabalhar de dia a noite
É coisa muito ruim.
Por isso mandei uma carta
Ao senador Efraim,
Explicando minha demanda,
Para ver se ele manda
Umas horas-extras pra mim.

Capturado, em 20 de junho de 2009, do site do jornalista Cláudio Humberto: http://www.claudiohumberto.com.br/artigos/miguelzin_11032009_1520.php

Um comentário:

Aristeu disse...

Versos pra mim é mole,
Mas não arreparre os erros não
É a pressa que me tolhe
E esqueço a perfeição.
O que se planta se colhe
Cem por um pra cada grão.

O Sujeito quando nasce
Já tem má inclinação
Sua rede ele tece
Pra ter cem anos de perdão.
Só o munco lhe apetece
E é pequeno o Maranhão.

Houve falhas com o Tancredo
Era pra ter outra eleição
Senhor Diretas com medo
Rasgou sua Constituição
Mudou da nossa História o enredo
Nossa maior perdição.

É nossa maior figura
Com cara de proteção
Garantiu de forma segura
Sua quinta geração
Ser larápio não tem cura
E é a sarna da Nação.

Este meu grito discreto
Por favor não espalhe não
Que seja um ato secreto
Ou segredo de confissão
Tenho filho e tenho neto
E eles tem perseguição...