sábado, 20 de junho de 2009

Mordomo de Roseana Sarney é pago pelo Senado

O título da notícia do Correio Braziliense diz que quem paga é o Senado, mas, na verdade, bem sabemos, o dinheiro sai é dos nossos bolsos totalmente desprotegidos perante a sanha tributária do governo.

O Congresso abriga mais um exemplo do uso de dinheiro público para bancar despesas privadas da família do presidente do Senado José Sarney (PMDB-AP). O mordomo da casa de sua filha, Roseana Sarney, ex-senadora e atual governadora do Maranhão, é um servidor pago pelo Senado. Amaury de Jesus Machado, de 51 anos, conhecido como "Secreta", é funcionário efetivo da instituição. Ganha, com gratificações, em torno de R$ 12 mil. Deveria trabalhar no Congresso, mas de 2003 para cá dá expediente a sete quilômetros dali, na residência que Roseana mantém no Lago Sul de Brasília

"Secreta" é uma espécie de faz-tudo, quase um agregado da família. Cuida dos serviços de copa e cozinha, distribui ordens aos funcionários e organiza as recepções que Roseana promove quando está na cidade. Na manhã de ontem, a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo procurou o servidor na casa da governadora. O empregado que atendeu informou que ele estava há dez dias em São Paulo, acompanhando Roseana. Ela ficou até ontem na capital paulista, onde passou por cirurgia para retirada de aneurisma

A reportagem falou por telefone com outros funcionários da casa e com amigos da família, que confirmaram a lotação privada do servidor. Ontem, por telefone, a governadora descreveu as funções de Machado assim: "Ele é meu afilhado. Fui eu que o trouxe do Maranhão. Ele vai à casa quando preciso, uma duas ou três vezes por semana. É motorista noturno e é do Senado. E lá até ganha bem.

Roseana renunciou ao cargo de senadora em abril, para assumir o governo do Maranhão no lugar de Jackson Lago (PDT), cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ainda que estivesse no exercício do mandato, não poderia ter um servidor como empregado doméstico. José Sarney enfrenta há duas semanas denúncias de contratação de parentes, muitos incluídos na folha de pagamento do Senado por meio de "atos secretos" que permitiam fazer nomeações sem que elas fossem publicadas nos boletins oficiais.


Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/html/sessao_3/2009/06/20/noticia_interna/id_sessao=3&id_noticia=120139/noticia_interna.shtml

2 comentários:

natal fernando disse...

Saibam os Araguarinos que o Correio Brasiliense reproduz com maior fidedignidade os acontecimentos dos bastidores principalmente os do Congresso Nacional. O Marcos presta um serviço transcrevendo essa reportagem. O resto do país muitas vezes não sabe formar opinião sem conhecer essas nuances dos acontecimentos, nem das atitudes dos seres humanos (às vezes desumanos) da capital.

Aristeu disse...

Neste caso está mais do que confirmado ser mordomia!